Primeira vereadora negra eleita em Joinville é vítima de injúria racial e ameaças

A vereadora Ana Lúcia Martins (PT) é a primeira mulher negra eleita para a Câmara de Vereadores de Joinville, no Norte catarinense. Desde domingo (15), com o resultado das eleições, ela vem recebendo ataques em redes sociais e até ameaças de morte.

A Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (Dpcami) instaurou inquérito na tarde desta quarta-feira (18) por injúria racial e ameaça, após um boletim de ocorrência pelos mesmos crimes ser registrado.

“A priori é isso. O racismo a gente vai analisar posteriormente. Iniciamos agora a apuração dos fatos. Em relação à autoria, a gente ainda não tem”, detalhou a delegada Cláudia Cristiane Gonçalves de Lima.

Com 54 anos, Ana Lúcia está entre os 19 eleitos no domingo para o Legislativo no maior colégio eleitoral de Santa Catarina e recebeu 3.126 votos (1,18%).

Segundo a vereadora, antes mesmo de sair os resultados das urnas, começaram os ataques, que, depois, foram agravados por duas ameaças.

“Por meio de um perfil fake, recebi, por duas vezes, ameaças de morte, evidenciando que o problema central era eu ser a primeira mulher negra eleita da cidade”, disse Ana em uma rede social.

Um dos comentários direcionados à ela, por um perfil incialmente não identificado, diz: “Agora só falta a gente m4t4r el4 [sic] e entrar o suplente que é branco”.

Ana Lúcia Martins é a primeira vereadora negra eleita em Joinville (Foto: Redes sociais/Reprodução)

‘Sabia que não seria fácil’

A vereadora eleita já foi ouvida pela polícia. Ela falou sobre o caso em suas redes sociais e diz que está com sua “integridade física ameaçada”.

“Não é uma simples opinião quando encoraja racismo e ameaça. […] Sabia que não seria fácil. Estava ciente que enfrentaria uma certa resistência em uma cidade que elegeu apenas na segunda década do século 21 a primeira mulher negra. Só não esperava ataques tão violentos”, disse na postagem.

O Partido dos Trabalhadores divulgou nota repudiando as ameaças. A advogada do partido está prestando apoio e acompanhou Ana na delegacia. Segundo a profissional, a possibilidade de pedir proteção à Ana é avaliada.

“Diante desse gravíssimo fato, manifestamos nossa solidariedade e apoio à companheira Ana Lúcia Martins e esperamos que as autoridades atuem de maneira rápida no intuito de descobrir e responsabilizar os autores, para que sejam levados à justiça”, diz um trecho da nota do PT.

Ana nasceu no bairro Floresta, zona Sul de Joinville, atuou como servidora pública e é uma das lideranças na defesa dos direitos das mulheres, da população negra, imigrantes e de comunidade periféricas.

+ sobre o tema

Brancos, vamos falar de cotas no serviço público?

Em junho expira o prazo da lei de cotas nos...

Em junho, Djavan fará sua estreia na Praia de Copacabana em show gratuito

O projeto TIM Music Rio, um dos mais conhecidos...

O precário e o próspero nas políticas sociais que alcançam a população negra

Começo a escrever enquanto espero o início do quarto...

Estado Brasileiro implementa políticas raciais há muito tempo

Neste momento, está em tramitação no Senado Federal o...

para lembrar

Como foi estar na aula de Angela Davis sobre humanidade?

O plano inicial era redigir este texto em formato...

A mulher que nem Mandela eclipsou

Comentaristas sublinharam o silêncio no estádio Soccer City, dias...

Impedida de entrar em loja, delegada negra faz denúncia de racismo

A delegada Ana Paula Barroso foi impedida de entrar...
spot_imgspot_img

Colégio afasta professor de história investigado por apologia ao nazismo, racismo e xenofobia

Um professor de história da rede estadual do Paraná foi afastado das funções nesta quinta-feira (18) durante uma investigação que apura apologia ao nazismo, racismo...

Líderes da ONU pedem mais ação para acabar com o racismo e a discriminação

Esta terça-feira (16) marcou a abertura na ONU da terceira sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes, que reúne ativistas antirracismo, pessoas defensoras dos direitos...

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) vai investigar atos de racismo registrados durante uma partida de futsal entre alunos de duas...
-+=