Privilegio liso – 13 situações que apenas as mulheres crespas ou muito cacheadas sentem na pele

1. Quando você ainda é um bebê, a sua família está torcendo para que o seu cabelo seja “bom”, para que você não tenha que sofrer tanto como as suas tias e primas;

2. Você cresce escutando piadinhas com o seu cabelo, quando você acorda ou depois de uma brincadeira acaba sendo normal escutar que o seu cabelo está “parecendo um fuá”, as sessões para desembaraçar e os penteados as vezes são incômodos ou dolorosos;

3. Durante a infância, para manter o seu cabelo controlado, preferem que ele sempre esteja preso de alguma forma. Você poucas vezes pode disfrutar o prazer de ter o seu cabelo solto livremente;

4. A televisão não mostra mulheres como você, isso faz com que o discurso da cabelereira soe como verdade quando ela diz que depois do alisamento, o seu cabelo vai ser “mais fácil”;

5. A sua insegurança é tanta que você prefere não sair de casa se o seu cabelo não estiver arrumado;

6. Você começa a evitar situações que possam estragar o seu cabelo, como entrar no mar ou piscina, ou então dançar numa festa de verão;

7. Se alguém te convida para passar a noite fora, a primeira coisa que vem na sua cabeça é como arrumar seu cabelo na manhã seguinte estando fora de casa;

8. Você vai se queimar pelo menos uma vez na vida, ou com um produto químico, ou com a chapinha, e sorte sua se o seu cabelo não cair ao menos parcialmente em alguma ocasião graças a algum “tratamento”;

9. Para se sentir bonita, talvez você se veja obrigada a usar tranças, extensões, apliques, ou qualquer coisa que vai impedir teu sono por uma semana devido as dores na sua cabeça, você vai tomar um dorflex e vai se acostumar com o incomodo;

10. Quando decidir sair com o seu cabelo natural, você vai ter que aprender a cuidar dele através do Youtube porque ninguém no seu entorno sabe o que fazer. Todas, ou quase todas as mulheres da sua família alisam os cabelos, você começará a entender como foi duro crescer sem ter referentes;

11. Quando você passar pela transição para ter de volta seu cabelo natural, as pessoas vão se sentir livres pra fazer comentários não solicitados sobre o seu cabelo, dizer se preferem assim ou assado, perguntar se você penteou ou dizer que o seu próprio cabelo não combina com você. Você vai ter que aprender a lidar também com eles;

12. Você vai perceber que a leitura social que fazem de você com o seu cabelo natural é diferente da leitura que faziam quando você tinha o cabelo alisado, e isso dá um nó na garganta;

13. Quando você cruzar com outra crespa na rua, talvez vocês se olhem por um momento, e mesmo que não se diga uma só palavra, algo mais profundo já vai ter unido vocês, porque estamos juntas ❤


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

O passado misógino, racista e homofóbico de Biel no Twitter é ASSUSTADOR

E parece que Biel não cansa de dar closes errados. Bem errados.  no HuffPost...

Pernambuco adere ao Protocolo de Investigação de Feminicídio

Ocupando a 17ª posição no ranking nacional de violência...

Um conto de 10 barrigas

Presumimos muitas coisas sobre as pessoas, e especialmente sobre...

Mulheres negras são maioria entre jovens que não trabalham nem estudam

Os dados completos constam do estudo Juventude, Desigualdade e...

para lembrar

O lugar das mulheres na esquerda

Há um assunto incômodo que ainda precisa ser discutido...

Camila Pitanga protagoniza viagem incrível à África do Sul

Camila Pitanga embarcou recentemente para uma experiência incrível. Junto...

Lésbicas são mais bem pagas do que mulheres heterossexuais, diz pesquisa

Diferencia chega a média de 20% nos EUA, segundo...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=