segunda-feira, novembro 28, 2022
InícioQuestão RacialCotas RaciaisProcuradoria quer apuração de suposta fraude em cota de concurso

Procuradoria quer apuração de suposta fraude em cota de concurso

De acordo com lei sancionada no ano passado, 20% das vagas em concursos públicos federais devem ser destinadas a autodeclarados pretos ou pardos

no Diario do Litoral

A Procuradoria da República no Distrito Federal recomendou ao Itamaraty que apure “suspeita de ocorrência de declaração falsa” de um candidato que se autodeclarou cotista em concurso para a diplomacia.

A procuradora da República Marcia Zollinger pediu a “instauração de procedimento administrativo” diante da inscrição de Mathias de Souza Lima Abramovic para disputar uma das seis vagas reservadas a negros.

De acordo com lei sancionada no ano passado, 20% das vagas em concursos públicos federais devem ser destinadas a autodeclarados pretos ou pardos.

“Fixo o prazo de cinco dias para que sejam fornecidas informações acerca do acatamento da presente recomendação”, afirma em documento enviado ao ministério nesta quarta-feira (26).

Na recomendação, ela cita “inúmeras vantagens do critério da autodeclaração”, mas pondera que,”quando desacompanha de mecanismos de controle, pode ensejar situações de fraude e má-fé por parte de alguns candidatos, frustrando os reais objetivos da política pública de cotas”.

 

Screen Shot 2015-08-28 at 9.43.28 AM
O Ministério Público recomenda que a apuração, no entanto, possa se estender a outros candidatos com “suspeita de declaração falsa” (Foto: Divulgação)

Abramovic está entre os candidatos aprovados na primeira etapa do concurso -a segunda fase ocorre neste fim de semana.

O Ministério Público recomenda que a apuração, no entanto, possa se estender a outros candidatos com “suspeita de declaração falsa”.

De acordo com a legislação, o candidato pode ser eliminado da disputa se confirmada a fraude. Mas não é explicitado de que forma isso ocorreria. A Procuradoria da República no DF também não explicita qual é o mecanismo a ser adotado pelo Itamaraty na apuração do caso.

Em entrevista ao jornal “O Globo” em 2013, quando também concorria a uma das vagas reservadas a autodeclarados negros, afirmou que ele se identificava como afrodescendente.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench