Professor que ofendeu pesquisadora e colunista do Justificando é afastado temporariamente do cargo

A Universidade de Rondônia (Unir) afastou por 60 dias o Professor de Direito Samuel Milet, proferir palavras de ódio machistas e homofóbicas em relação à pesquisadora e colunista do Justificando, Sinara Gumieri.

Do Justificando 

O afastamento é uma resposta da Universidade ao episódio ocorrido após a palestra sobre “Por que é preciso falar de gênero no Direito?” proferida por Sinara.

Após a palestra da pesquisadora, o Professor criticou os alunos que foram até lá e aplaudiram a fala. Uma aluna interveio e ambos começaram uma discussão, cuja gravação foi autorizada por ele. Milet afirmou que a palestrante era uma “vagabunda”, “bostinha” e “sapatona”.

As palavras do Professor chocaram a comunidade jurídica. Até o momento, o afastamento da Universidade havia sido recomendado pela própria Comissão da Universidade, pelo Ministério Público Federal (MPF) e por outras quatro instituições federais e estaduais. Na última semana, mais de cem Professores de renomadas universidades assinaram um manifesto de repúdio à conduta de Milet.

“Acreditamos que a universidade deve ser um espaço livre de discriminação, constrangimento e ódio” – afirmaram os juristas na ocasião.

Em razão da conduta e da repercussão do caso, Milet foi afastado até a conclusão do PAD – Processo Administrativo Disciplinar – que prevê uma série de punições, desde uma advertência até o afastamento definitivo.

+ sobre o tema

Afinal, que humano?

Desde os acontecimentos mais distantes até os mais próximos,...

Onde estão as escritoras negras no Brasil?

Na semana passada, mais especificamente no dia 9 de...

para lembrar

spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=