Protocolo negro

Falta o quê para o Brasil reconhecer o racismo e os racistas?

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com bolsa grande; carregar a nota fiscal das compras; não correr; não fazer movimentos bruscos; e não confrontar um agente policial.

Se acha que é exagero, provavelmente não é negro. Esses são apenas alguns itens que integram o check-list dos que tentam se proteger minimamente do racismo à brasileira. Ignorar esse rito implica ficar ainda mais vulnerável aos efeitos do aparente “defeito de cor”. Porque para parcela significativa da sociedade brasileira parece que pretos e pardos não têm o direito a se defender ou reivindicar proteção do Estado.

Manifestantes pintam frase #vidaspretasimportam na avenida Paulista (SP), em prostesto pelo assassinato de Beto Freitas, em Porto Alegre – Bruno Santos/Folhapress

Foi assim com o motoboy Everton da Silva (preto), que acabou indiciado por “desobediência” depois de ser atacado com uma arma branca (canivete) por Sérgio Camargo Kupstaitis (branco) na capital gaúcha. Mesmo sendo a vítima, Everton foi abordado com truculência, jogado contra a parede, algemado e colocado atrás de um camburão pela Brigada Militar —que ironicamente foi ele quem acionou. Enquanto isso, o agressor batia papo com os brigadianos, entrava em casa para se vestir e era gentilmente acomodado no banco do carona da viatura.

Mas, segundo o governador do RS, “não podemos reagir de forma precipitada e de preconceito com a polícia”. E a sindicância da BM concluiu que não houve agressão nem racismo na abordagem. “Nunca podemos permitir que fatos isolados possam manchar a imagem das instituições”, disse o secretário de Segurança Pública do estado.

Nesse cenário, só estando muito descolado da realidade para reclamar da escola de samba Vai-Vai (SP) por retratar como infernal o tratamento dado pela polícia aos negros. Nenhuma alegoria de Carnaval se compara à gravidade do racismo institucional normalizado neste país.

A premissa para resolver um problema é admitir que ele existe. Falta o quê para o Brasil reconhecer o racismo e os racistas?

+ sobre o tema

Show de Ludmilla no Coachella tem anúncio de Beyoncé e beijo em Brunna Gonçalves; veja como foi

Os fãs de Ludmilla já estavam em polvorosa nas redes sociais...

Geledés faz em Santiago evento paralelo para discutir enfrentamento ao racismo nos ODS

Geledés - Instituto da Mulher Negra realiza, de forma...

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços,...

As mulheres que se rebelam contra venda de meninas para casamentos no México

Inicialmente, Claudia* não havia pedido dinheiro em troca da...

para lembrar

Anistia Internacional, MPF e UFPE repudiam reintegração no Estelita

Entidades criticam uso da força policial para retirada de...

O mito da igualdade

por Jorge Ramos* A última moda nos Estados Unidos é...

Dois homens são libertados nos EUA, após 39 anos presos injustamente

A testemunha tinha 13 anos à época e, recentemente,...

Pedreiro, negro e executado pela PM: a farsa de um crime revelada

Pedreiro, negro e morador da zona leste de São...
spot_imgspot_img

Gibi, 85 anos: a história da revista de nome racista que se transformou em sinônimo de HQ no Brasil

Um dicionário de português brasileiro hoje certamente trará a definição de gibi como “nome dado às revistas em quadrinhos” — ou algo parecido com isso....

Estudante negra de escola pública ganha prêmio com pesquisa que apontou racismo em dicionários: ‘racismo enraizado na fala’

Uma aluna do Ensino Médio do Instituto Federal São Paulo, de Bragança Paulista (IFSP), conquistou medalha de ouro após apresentar uma pesquisa sobre racismo, durante a...

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...
-+=