A professora da creche cortou o cabelo crespo, da menina de um ano, dizendo ser duro, ruim de pentear- disse a mãe, na Omode

A Omode Roda de Conversa Sobre Crianças e Infâncias Invisíveis, aconteceu na 10ª Bienal Internacional do Livro de Alagoas, iniciativa do Instituto Raízes de Áfricas e OEPPIR-AL.

A Omode  foi um encontro inédito de  múltiplas  infâncias, tendo como pauta especialíssima a importância de ouvir as crianças,  reconhecer e se conectar com  realidades, vivências e experiências relacionadas ao racismo estrutural.

A Omode  foi um encontro inédito de  múltiplas  infâncias, tendo como pauta especialíssima a importância de ouvir as crianças,  reconhecer e se conectar com  realidades, vivências e experiências relacionadas ao racismo estrutural. Divulgação

A Omode criou espaços para o protagonismo das crianças, a partir de uma escuta sensível e afetuosa.

Foram depoimentos do universo infantil, mas, com uma carga abissal  de como o racismo força crianças pequenas a  crescerem rápido ,na reinterpretação do mundo e do  aprendizado  da sobrevivência diária. 

Feridas abertas que socam o estomago.

Para as crianças o racismo não é um sujeito oculto, mesmo que a maioria das escolas alagoanas ignorem, solenemente, a questão.

E as mães dessas crianças, também, ajudam a contar histórias que impactam, agressivamente, a construção positiva da  autoestima infantil.

Jeane conta que a professora da creche cortou o cabelo afro da filha, na época com um ano, alegando ser ruim de pentear. 

A violência étnica da professora internalizou medos e gatilhos na pequena, que durante 8 anos recusou a usar o cabelo natural, e só agora, aos 9 anos, com o aconselhamento e acolhimento das mulheres do terreiro surge, aos pouquinhos, a autoaceitação.

O racismo sofrido na infância pode causar impactos sérios no desenvolvimento infantil, como também prejuízos duradouros na aprendizagem, no comportamento e na saúde física e mental.

E a escola tem o papel de extrema importância de estabelecer estratégias inteligentes para o combate ao racismo, desde o ensino infantil.

A professora da creche cortou o cabelo crespo, da menina de um ano, dizendo ser duro, ruim de pentear- disse a mãe, na Omode.

O racismo na alma das crianças é dor feito concreto.

+ sobre o tema

Brizola e os avanços que o Brasil jogou fora

A efeméride das seis décadas do golpe que impôs...

Milton Nascimento será homenageado pela Portela no carnaval de 2025

A Portela, uma das mais tradicionais escolas de samba...

Saiba os horários das provas do Concurso Nacional Unificado

Os mais de 2,5 milhões de candidatos inscritos no...

Aluno africano denuncia racismo em mensagem com suásticas nazistas na UFRGS; polícia investiga

Um estudante africano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul...

para lembrar

Cientistas brasileiras lançam manifesto em defesa da vida de mulheres negras

A Rede Brasileira de Mulheres Cientistas lança nesta sexta (11) a...

Nem tudo era italiano …

Este brilhante trabalho foi apresentado originalmente em 1995 como...

Além de odiar as mulheres, atirador de Santa Bárbara era racista, diz jornal americano

"Como pode garoto negro conquistar uma menina e não...

Coisas que uma sociedade racista faz por você

Você, um belo dia, está na faculdade e vem...
spot_imgspot_img

Aluno africano denuncia racismo em mensagem com suásticas nazistas na UFRGS; polícia investiga

Um estudante africano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) denunciou um episódio de xenofobia e racismo dentro da Casa do Estudante Universitário (CEU), uma moradia estudantil mantida...

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o professor, sociólogo e cartunista carioca Bonifácio Rodrigues de Mattos, mais conhecido como Ykenga Mattos. Vítima...

Frugalidade da crônica para quem?

Xico, velho mestre, nesse périplo semanal como cronista, entre prazos apertados de entrega, temas diversos que dificultam a escolha, e dezenas de outras demandas,...
-+=