“Nós não vamos brincar de fazer educação”.

Por: Arísia Barros

 

Paulo Bandeira é símbolo de educação que rompe convenções, um revolucionário, que nem é citado nos compêndios da história alagoana.

Paulo Bandeira, o professor, era combativo e investia nas possibilidades de mudanças na terra das Alagoas cujo índice de analfabetismo total e funcional, é como uma metástase que corrói o presente quase sem futuro de tantas e muitas crianças.

O professor Paulo acreditava em políticas estruturantes que fomentasse o descrescimento da exclusão educacional em Alagoas, o mais pobre entre os pobres do Brasil.

Por acreditar em educação como parenta do acúmulo de conhecimento, o professor alagoano, Paulo Bandeira foi seqüestrado, torturado e queimado vivo.

A Escola Paulo Bandeira, que leva o nome do professor, está localizada no bairro periférico do Benedito Bentes, cujo índice de pobreza e desigualdade social transforma um número incontável de meninos e meninas reféns das iniqüidades sociais.

A gestora da Escola Paulo Bandeira acredita que a educação é uma ferramenta de incomensurável valor na vida de tantos e muitos.

Para ela o poder público não pode fazer da educação um faz-de-contas ou contar anêmicas e quilométricas histórias para fazer boi dormir.

O descaso com a reforma da Escola Paulo Bandeira, no bairro pobre e periférico do Benedito Bentes, caracteriza a brutalidade do estado como forma coerciva de estabelecer espaços de poder, apartando os desiguais.

A direção da Escola Paulo Bandeira e seu corpo funcional trazem o predicado moral de lutar por qualidade de ensino e fazem greve por condições dignas de trabalho e aprendizado.

O SINTEAL, o Ministério Público Estadual e a sociedade civil organizada e tantos que militam por uma educação de qualidade têm a obrigatoriedade de respaldar a iniciativa da Escola Paulo Bandeira e confrontar a neutralidade dos discursos oficiais.

A Escola Paulo Bandeira cerra as portas para que a educação praticada possa fazer sentido e produzir cidadania.

A Escola Paulo Bandeira reinventa a resistência aos dogmas impostos pelo estado, desconstruindo e desafiando a passividade anêmica e cúmplice da sociedade alagoana aos desmandos do poder público.

Nós não vamos brincar de fazer educação- diz a diretora que acredita em uma sociedade baseada no respeito ao pluralismo, liberdade e igualdade, assim como pensava o professor Paulo Bandeira.

O revolucionário!

 

Fonte: Cada Minuto

+ sobre o tema

Novo filme de Pelé deve ter selo Globo e busca achar ‘gol de placa’ do Maracanã

Por: Bruno Freitas   A vida e obra do "Rei do futebol"...

Saúde da População negra é tema de aula magna na Uninove em São Paulo

A palestra foi proferida pela Ministra da Igualdade...

Destacada importância da literatura no processo de descolonização de África

Huambo – A importância da literatura no processo...

37 mulheres que mostram a beleza dos cabelos crespos coloridos

37 mulheres que mostram a beleza dos cabelos crespos...

para lembrar

Alessandra Santos de Oliveira

Alessandra Santos de Oliveira (2 de Dezembro de 1973), mais...

Quilombolas pedem comprometimento

Todos os segmentos da sociedade têm perspectivas em relação...

Conheça o cantor Michael Kiwanuka

Filho de Ugandenses o britânico Michael Kiwanuka ficou...

Besouro a Lenda da Capoeira

Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa...
spot_imgspot_img

Majestosa, Lauryn Hill entrega show intenso e coroa história da Chic Show

"Não é só um baile black", gritou Criolo durante o terceiro show do festival Chic Show 50 Anos, no sábado (12). O rapper do...

Festival literário propõe amor e diversidade como antídotos ao extremismo

O Festival Literário Internacional de Paracatu - Fliparacatu - vai colocar no centro do debate o amor, a literatura e a diversidade como pilares...

Gilberto Gil afirma que não se aposentará totalmente dos palcos: “continuo querendo eventualmente cantar”

No fim de junho, saiu a notícia de que Gilberto Gil estava planejando sua aposentadoria dos palcos. Segundo o Estadão, como confirmado pela assessoria do...
-+=