Quatro mulheres recebem vagina de laboratório e relatam normalidades.

 

Mulheres que receberam vagina de laboratório relataram níveis normais de “desejo, excitação, lubrificação, orgasmo e satisfação”, além de não terem relatado dor durante a relação.

Exames da região pélvica das pacientes foram usados para criar um molde em formato de tubo, em 3D .

 

Um grupo de médicos americanos conseguiu implantar vaginas criadas em laboratório em quatro mulheres.

Os médicos do Centro Médico do Hospital Wake Forest, no Estado americano da Carolina do Norte, usaram uma tecnologia pioneira retirando amostras de tecido das mulheres e construindo em laboratório a parte implantada a partir de um molde biodegradável.

Depois do implante, as pacientes relataram níveis normais de “desejo, excitação, lubrificação, orgasmo e satisfação”, além de não terem relatado dor durante a relação.

Os especialistas afirmam que o estudo, publicado na revista especializada Lancet, é a última amostra dos avanços em medicina regenerativa.

O tecido artificial foi implantando em pacientes que sofriam de má formação dos órgãos genitais. A formação incompleta se dá, geralmente, ainda durante a gestação, o que pode acarretar outros problemas na vida adulta dessas mulheres, como anormalidades em órgãos reprodutivos. Duas das pacientes, por exemplo, tinham as vaginas conectadas ao útero.

Agora, depois do implante, elas relatam vida sexual normal. Ainda não ocorreram casos de gravidez, mas em teoria isto é possível.

Tratamentos atuais e inovação

Os tratamentos usados atualmente para este tipo de problemas podem envolver cirurgias complicadas para a criação de uma cavidade que é revestida com partes do intestino ou enxertos de pele.

O novo tratamento foi iniciado pelos médicos do Hospital Wake Forest quando as pacientes ainda estavam na adolescência.

O primeiro implante ocorreu há oito anos.

A região pélvica das jovens foi escaneada e as imagens foram usadas para criar um molde em 3D para cada paciente.

Uma pequena amostra de tecido retirada da vulva de cada uma, que não tinha se desenvolvido normalmente, foi então cultivada para a criação de novas células em laboratório.

Células musculares foram implantadas do lado de fora do molde e células da parte interna da vagina na parte de dentro. Os moldes com as células foram mantidos em um reator biológico para alcançar o tamanho desejado e, depois, implantados cirurgicamente em cada uma das pacientes.

Uma das pacientes, que deu entrevista sem revelar o nome, afirmou que se sente “muito feliz, pois agora tenho uma vida normal, completamente normal”.

“Realmente, pela primeira vez criamos um órgão inteiro que nunca esteve lá, foi um desafio”, disse Anthony Atala, diretor do Instituto de Medicina Regenerativa do Wake Forest.

O médico afirmou que ter uma vagina normal era “algo muito importante” para as vidas das pacientes e testemunhar a diferença que o tratamento fez “foi muito gratificante”.

Enquanto os médicos americanos relatavam o sucesso do implante de vaginas criadas em laboratórios, pesquisadores da Universidade de Basel, na Suíça, usaram uma técnica parecida para reconstruir o nariz em vários pacientes que sofriam de câncer de pele.

O implante poderá substituir as cartilagens retiradas das costelas ou das orelhas para reconstruir o dano causado ao tecido depois da retirada de um câncer.

 

 

 

Fonte: Pragmatismo Político

 

 

+ sobre o tema

Reflexão sobre o texto da Afropress e Luiza Bairros por Eduardo Santiago

REFLEXÕES SOBRE O TEXTO INTITULADO: Com avaliação de apagada,...

Com exceção de Serra, candidatos prometem continuar conferências

Dilma, Marina e Plínio pretendem manter conferências como forma...

Ativista acusa Alckmin de restringir ação de conselho de direitos humanos

São Paulo - O coordenador do Conselho Estadual de...

Os povos indígenas no Canadá lutam com ‘perda inimaginável’.

Tradução: Sara Wagner YorkRestos de 215 crianças indígenas foram...

para lembrar

Até quando vamos contar corpos à espera de adaptação climática nas cidades?

Feliz 2024 para quem? Minha primeira coluna do ano...

PP não vai indicar Bolsonaro para a Comissão de Direitos Humanos

Com medo de ter a sua imagem desgastada frente...

O medo: uma velha desculpa para novos retrocessos

Artigo de Juana Kweitel para o El País sobre...

A saúde privada oferece assistência de qualidade?

Nota do Brasil Debate A saúde, direito social garantido pelo artigo...
spot_imgspot_img

Curso introdutório de roteiro para documentário abre inscrição

Geledés Instituto da Mulher Negra está promovendo formações totalmente online para jovens negres em todo o Brasil. Com um total de 6 formações independentes...

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira (13), uma alternativa para renegociação de dívidas bancárias de Microempreendedores Individuais (MEI) e micro e...

“Geledés é uma entidade comprometida com a transformação social”, diz embaixador do Brasil no Quênia

Em parceria com a Embaixada do Brasil no Quênia, Geledés - Instituto da Mulher Negra promoveu nesta sexta-feira 10, o evento “Emancipação Econômica da...
-+=