Quem lacra é quem luta, não quem lucra

Para militantes, representatividade negra e LGBT na mídia é conquista dos movimentos, mas é preciso manter a crítica

Por Gisele Brito e Juliana Gonçalves Do Brasil de Fato

Nesta semana, duas empresas colocaram suas marcas em uma posição de apoio e promoção da diversidade ao lançarem campanhas publicitárias estreladas por pessoas negras, homossexuais e com diversas identidades de gênero. Ao mesmo tempo em que entendem os limites e os interesses envolvidos em ações promovidas pelo mercado, especialistas e militantes veem nessas escolhas um passo importante na luta por representatividade na grande mídia.

“Essa nova postura em relação à representação que as marcas estão tendo é conquista nossa. A representatividade é uma pauta histórica do movimento”, afirma Danilo Lima, militante da Educafro.

Na propaganda da Skol, um jovem fora dos padrões normativos de gênero caminha por uma via escura e é fuzilado por olhares de reprovação e ameaça. Aos poucos, outras pessoas que passam pelo caminho dão as mãos a ele e o acompanham, criando um sentimento de força e identificação.

Na propaganda da Avon, militantes da causa LGBT e negra, como o cantor Liniker e a youtuber Jéssica Tauane, participam de uma festa junto com outras militantes trans para anunciar um produto “para todes”, brincando com uma estratégia das próprias pessoas LGBT de evitar a definição de gênero nas palavras.

Adriana Barbosa, uma das idealizadoras do Instituto Feira Preta, que une cultura negra e empreendedorismo, explica que é preciso se “desvencilhar dos preconceitos existentes e mascarados pelo mito da democracia racial”.

“Esse mito caiu, não cabe mais para os dias de hoje. A população negra tem mais acesso a informação, grau de escolaridade e renda. E quanto maior é a representatividade, o fortalecimento e reconhecimento de sua identidade, maior será a demanda por produtos que atendam às suas especificidades”, avalia.

Gênero

Fernanda Nascimento, autora do livro “Bicha (Nem Tão) Má” e pesquisadora de relações de mídia e gênero, lembra que a publicidade é “uma faca de dois gumes”. Ou seja, ao mesmo tempo em que a visibilidade da causa LGBT, por exemplo, leva pessoas a se informarem sobre o assunto, pode significar apenas uma inclusão deste grupo pelo consumo.

“[No caso das duas propagandas] tem a importância da representatividade, especialmente porque são pessoas que são militantes, que lutam por essas causas, não um Cauã Reymond. Deu visibilidade a pessoas reais. Por outro, é uma aposta em um determinado nicho de mercado. Temos que pensar o quanto isso não é usado para capitalizar essa militância. A Avon, por exemplo, que se propõe a ser uma empresa para todos, tem um histórico problemático com questões trabalhistas. Em relação ao movimento negro, o produto oferecido na propaganda tem cinco tons de pele: a branca é chamada de “porcelana” e a negra, de “café”. Até que ponto isso continua reproduzindo juízos de valores de maneira mais sutil, a porcelana como coisa delicada?”, questiona a pesquisadora.

A citação ao ator global Cauã Reymond faz referência a outro vídeo que causou polêmica neste mês: um clipe da cantora Barbara Ohana em que o artista, que explicita uma identidade cisgênero, interpreta uma mulher trans.

Com relação à representatividade de pessoas não heterossexuais, a pesquisadora apurou em sua dissertação de mestrado que, entre 1970, ano da primeira aparição de um personagem gay na TV, e 2013, houve 126 personagens da comunidade LGBT em 63 novelas.

Apesar de as aparições dessas pessoas terem se tornado mais frequentes na última década, Fernanda avalia que a representação ainda é problemática. Entre os 126 personagens, 74 eram homens e, do total, apenas quatro eram negros, enquanto personagens trans e bissexuais continuam invisibilizados.

“Quando pensamos nos outros marcadores sociais, a maioria é homem, gay, branco. Quando pensamos em classe social, cada vez mais temos representantes da classe média e performatividade de gênero dentro da norma. A gente continua tendo uma norma de visibilidade”, afirma a comunicóloga, relembrando os dados da pesquisa.

Negros

Quanto à representatividade da população negra na mídia, o caminho também continua longo. Uma pesquisa realizada pelo professor Wesley Pereira Grijóe, da Universidade Federal de Santa Maria, avaliou a presença de negros nas novelas exibidas entre 1999 e 2010 na Rede Globo, a maior realizadora desse tipo de produto no Brasil e uma das principais exportadoras do gênero para o mundo.

De um total de 53 produções, houve apenas 130 personagens negros – cada novela conta com a participação de mais de 100 artistas. O estudo tenta ponderar a evolução da representação das décadas anteriores, levantada pelo pesquisador Joel Zito Araújo, e constata que houve certos avanços. Nos dez anos analisados pela pesquisa, atores negros protagonizaram três produções e ocuparam papéis de destaque em outras, mas a etnia continuava subrepresentada.

Nesse contexto, propagandas de marcas que decidem abraçar esse público acabam sendo bem recebidas por grande parte dessa população, porque, mesmo hoje, nem a aceitação pelo consumo é uma prática comum.

“Se vivemos numa sociedade que é permeada por relações de mercado e se não possuímos as grandes empresas, os grandes oligopólios da indústria, nossa estratégia tem que ser a de inverter essa lógica opressora do capital para outra finalidade. Em termos práticos, é importante pensar nas milhares de pessoas que têm identificação de gênero com os personagens daquela propaganda [da Avon] e que se viram representadas”, afirma Lima, da Educafro. “A questão central é a gente não perder de vista a necessidade de crítica”.

+ sobre o tema

Dos traficados com drogas aos traficantes de drogas: Racismo e Proibicionismo no Brasil

Segundo o historiador Henrique Carneiro no artigo “As drogas:...

A travessia no barco da coragem

Após o assassinato brutal de George Floyd, no dia...

MANIFESTO: Assassinado! Mais um corpo negro assasinado!

Pedro Gonzaga foi brutalmente assassinado no último dia 14,...

Famílias de vítimas pedem que Alemanha fecha enclave nazista criado no Chile

Santiago do Chile, 13 jul (EFE).- As famílias de...

para lembrar

UFS realiza estudos com alunos cotistas

  A Universidade Federal de Sergipe realiza o segundo vestibular...

Aos jovens ricos, benevolência. Aos pobres, pelourinho e bala

Um grupo de jovens, em sua maioria da classe...

O que vou ser quando crescer? O seu chão vai dizer

O que vou ser quando crescer? Era uma pergunta...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=