Racismo e democracia

Peço ao leitor que imagine que está diante de uma reportagem cujo título é: “Jovem testemunha roubo de moto, mas é preso e condenado pelo crime”. A julgar pelo título, a reportagem traz uma reviravolta.

Na primeira oração, o jovem tem o status de testemunha; na segunda, ele é o autor do delito; e, de modo célere, na terceira já foi preso e condenado.

Vamos introduzir no título um adjetivo, definidor de traço da aparência do jovem: “Jovem negro testemunha roubo de moto, mas é preso e condenado pelo crime”. O adjetivo é um marcador biológico que não se resume a indicar aspectos da corporalidade da testemunha. É uma palavra associada a representações negativas e significados implícitos. Com sua presença, será muito difícil que, num país de forte herança colonial, as pessoas se ocupem apenas com o significado explícito no título da reportagem.

Desde que introduzimos a palavra “negro”, sua poderosa carga negativada pelos preconceitos torna tudo possível, e o título da reportagem já não nos parece estranho. É evidente para o racismo que devemos desconfiar de uma testemunha negra. O preconceito reorienta nossa leitura, e a rapidez do processo que prendeu, julgou e condenou não nos causa perplexidade. Normal.

Outra reportagem do portal UOL traz o depoimento de jovem médica negra de Natal que teve a formatura acelerada e foi lançada na linha de frente contra a Covid-19. A médica, de jaleco e estetoscópio no pescoço, relatou cenas explícitas de discriminação racial em seu trabalho.

Embora vestida de médica, a cor de sua pele gritava uma negação de seu status perante olhos preconceituosos. O jovem não pode ser testemunha, a jovem não pode ser médica. É o racismo decidindo quem tem e quem não tem o direito de tornar-se cidadão. A cor da pele destina-lhes lugar inferior nas hierarquizações sociais.

Vistas as coisas assim, é a biologia (uns são plenamente humanos, por sua natureza superior; outros são manifestações inferiores de humanidade, também em razão de sua própria natureza) que decide a marginalização do negro, suas privações, o desemprego e a fome.

Se democracia pressupõe igualdade de direitos e oportunidades, é evidente que a afirmação da inferioridade biológica, essencial ao racismo, afasta os negros, a maioria da população, da possibilidade de competir e de realização plena.

Para Florestan Fernandes, “o negro vem a ser a pedra de toque da revolução democrática brasileira”. É a presença plena do negro na vida econômica, social e política que dará a medida da realidade de nossa pluralidade democrática. Não há conciliação possível aqui. Nossas tentativas de democratização não se aprofundam porque preferem buscar a conciliação impossível entre democracia e racismo.

O livro de estreia de Lima Barreto, “Recordações do Escrivão Isaías Caminha”, é de 1909, mesmo ano da eleição de Manuel da Mota Monteiro Lopes, primeiro deputado negro republicano. A Revolta da Chibata, liderada por João Cândido, é de 1910. Os negros querem participação política, cidadania plena e exigem o fim dos castigos corporais remanescentes da ordem escravista. Isaías Caminha, personagem de Lima Barreto, narra suas memórias para confrontar a tese da inferioridade congênita dos negros.

Se recuarmos a 1798, na Revolta dos Búzios, na Bahia, vamos encontrar o depoimento de Manoel Faustino (enforcado e esquartejado) nos autos da Inquisição portuguesa, afirmando que atuou na revolta para que o Brasil tivesse um governo, do qual as pessoas participassem por seus méritos e não pela cor da pele. Cito a historiadora Emília Viotti da Costa de memória (o livro é “Da Monarquia à República”).

Estamos no século 21 fazendo eco a Manoel Faustino, Lima Barreto e tantos outros. A diversidade é expressão de força e não de fraqueza. Todos são igualmente humanos? Para os que acreditam que sim, a resposta política mais adequada a uma realidade social com a rica diversidade da sociedade brasileira é o pluralismo (veja a Convenção da Diversidade/Unesco).

O pluralismo que aparece no preâmbulo de nossa Constituição e visa assegurar igualdade de oportunidades e expressão a toda diversidade que nos constitui. Resposta política a que, teimosamente, temos voltado as costas no Brasil.

 

Edson Lopes Cardoso Doutor em educação pela USP e coordenador do Irohin – Centro de Documentação e Memória Afro-brasileira

+ sobre o tema

Brancos, vamos falar de cotas no serviço público?

Em junho expira o prazo da lei de cotas nos...

Em junho, Djavan fará sua estreia na Praia de Copacabana em show gratuito

O projeto TIM Music Rio, um dos mais conhecidos...

O precário e o próspero nas políticas sociais que alcançam a população negra

Começo a escrever enquanto espero o início do quarto...

Estado Brasileiro implementa políticas raciais há muito tempo

Neste momento, está em tramitação no Senado Federal o...

para lembrar

Morte de nigeriano agredido na rua na Itália causa revolta e chega a debate eleitoral

O assassinato de um vendedor ambulante nigeriano na última...

Grupo francês divulga medidor de violações aos Direitos Humanos no Brasil

O coletivo Coalizão Solidariedade Brasil, sediado na França, divulgou neste...

Seu Jorge é hostilizado e sofre ataques racistas em show em Porto Alegre

O cantor Seu Jorge foi hostilizado e sofreu ataques racistas da...

Professora chamada de ‘macaca’ em escola de SP critica descaso

A professora Ana Koteban, 41, que trabalha na rede...
spot_imgspot_img

Colégio afasta professor de história investigado por apologia ao nazismo, racismo e xenofobia

Um professor de história da rede estadual do Paraná foi afastado das funções nesta quinta-feira (18) durante uma investigação que apura apologia ao nazismo, racismo...

Líderes da ONU pedem mais ação para acabar com o racismo e a discriminação

Esta terça-feira (16) marcou a abertura na ONU da terceira sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes, que reúne ativistas antirracismo, pessoas defensoras dos direitos...

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) vai investigar atos de racismo registrados durante uma partida de futsal entre alunos de duas...
-+=