Racismo e sexismo na mídia: uma questão ainda em pauta

Racismo e sexismo na mídia: uma questão ainda em pauta

Rio de Janeiro, 29 de novembro a 1º de dezembro de 2011

Realização: Instituto Patrícia Galvão, Secretaria de Políticas para as Mulheres, Secretaria de Promoção de Políticas da Igualdade Racial, Fundação Ford e ONU Mulheres

Assista à transmissão ao vivo por internet: acompanhe as exposições e participe dos debates acessando o link em http://www.agenciapatriciagalvao.org.br

Ao longo do evento serão postadas notícias via Twitter e Facebook.

PROGRAMAÇÃO

29 de novembro – 3ª feira

16h – Coquetel

17h – Mesa de abertura: Racismo e sexismo na mídia: uma questão ainda em pauta

Jacira Vieira de Melo (Instituto Patrícia Galvão)

Luiza Bairros (ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Tatau Godinho (subsecretária de Planejamento e Gestão da Secretaria de Políticas para as Mulheres)

Nilcéa Freire (representante da Fundação Ford no Brasil)

Maya L. Harris (vice-presidente da Fundação Ford para o Programa de Democracia, Direitos e Justiça)

Luciano Coutinho (presidente do BNDES)

ONU Mulheres

18h – Lançamento do Baobá – Fundo para Equidade Racial (Athayde Motta, diretor executivo)

18h30 – Apresentação dos resultados do Curso de Formação para Jornalistas sobre Gênero e Raça/Etnia (Valdice Gomes, coordenadora geral da Conajira/Fenaj)

19h – Homenagem à jornalista Lena Farias

30 de novembro – 4ª feira

9h – Mesa 1: Há uma cultura de negação do racismo e do sexismo na imprensa?

Luiza Bairros (ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Iriny Lopes (ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres)

Dennis de Oliveira (jornalista, professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo)

Debatedora: Conceição Freitas (jornalista e cronista do Correio Braziliense, ganhadora do mídia impressa da 1ª edição do Prêmio Abdias Nascimento)

Coordenadora: Isabel Clavelin (assessora de comunicação da ONU Mulheres)

12h – Lançamento da publicação Imprensa e Agenda de Direitos das Mulheres: uma análise das tendências da cobertura jornalística

Realização: Secretaria de Políticas para as Mulheres, ANDI – Comunicação e Direitos e Instituto Patrícia Galvão

14h30 – Mesa 2: Regulação democrática, direito à igualdade e respeito à diversidade de gênero e raça

Bia Barbosa (jornalista, integrante do Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social)

Sérgio Suiama (procurador de Justiça do Ministério Público Federal)

Alexander Patez Galvão (coordenador do Núcleo de Assuntos Regulatórios na Ancine)

Debatedora: Juliana Cézar Nunes (jornalista, Rádioagência Nacional/EBC)

Coordenadora: Angélica Basthi (jornalista e escritora, membro da Cojira/RJ)

1º de dezembro – 5ª feira

9h – Mesa 3: Raça e gênero na publicidade: onde estão os limites éticos?

Edson Lopes Cardoso (jornalista, assessor especial da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Maria Luiza Heilborn (antropóloga social, coordenadora do Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos – CLAM)

Renato Meirelles (publicitário, diretor do Data Popular)

Debatedora: Nádia Rebouças (publicitária, diretora da Rebouças & Associados)

Coordenadora: Paula Andrade (jornalista, integrante da Rede Mulher e Mídia)

14h – Mesa 4: Racismo: a imprensa nega, a TV prega?

Maria Ceiça de Paula (atriz)

Hilton Cobra (ator, diretor da Companhia dos Comuns)

Maria Carmen Barbosa (autora de telenovelas e séries para TV)

Rosane Borges (jornalista, professora da Universidade Estadual de Londrina)

Debatedora: Ana Veloso (jornalista, professora da Unicap e representante do sociedade civil no Conselho Curador da EBC)

Coordenadora: Alice Mitika Koshiyama (professora da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo)

Mais informações: [email protected] – (11) 2594.7399

Fonte: Patricia Galvão

+ sobre o tema

Encontro de mulheres com cabelos cacheados ou crespos rola no Ibira

No aniversário de São Paulo, mulheres cacheadas, crespas e...

Mulheres travestis e transexuais começam a impor presença no mercado de trabalho

Advogadas, médicas, delegadas e professoras são algumas das posições...

Minha dor. Meu grito. Mulheres negras e os espaços de militância.

Essa carta foi escrita na ocasião da organização do...

Vigiar e estuprar

Como mulher estuprada, eu gostaria de poder nunca mais...

para lembrar

Ministros do STF decidem pela interrupção da gravidez de fetos anencéfalos

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF)...

Marrocos: Garota se suicida após casar com estuprador

Ativistas protestam contra lei que permite esse tipo de...

Brasileiras têm menos filhos e engravidam cada vez mais tarde, diz pesquisa

As brasileiras estão tendo menos filhos. E estão tendo filhos cada...

Quem é Jurema Werneck, a médica negra que representou e emocionou na CPI da Covid

Jurema Werneck é médica, negra, nascida no morro. Uma...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=