Reação à pobreza tem de ir além da política

Desde 1982, indicadores melhoraram em ano eleitoral

Num intervalo de quatro décadas e quase uma dúzia de eleições gerais — excluindo disputas por prefeituras e câmaras municipais —, a pobreza caiu no país em todos os anos de pleito. Rigorosamente todos. A conclusão é do economista Marcelo Néri, da FGV Social, em cruzamento sobre a renda dos brasileiros e os ciclos políticos. É o efeito pró-cíclico que presidentes, governadores e parlamentares impõem à atividade econômica com gastos públicos para se reeleger ou emplacar seus candidatos nas cadeiras do poder político. Aconteceu em 1982, 1986, 1989, 1994, 1998, 2002, 2006, 2010, 2014, 2018. E também no ano passado, como informou o IBGE na Pnad Contínua 2022 sobre rendimentos.

A corrida eleitoral passada foi farta em liberação de recursos para proveito político. Teve de orçamento secreto saído dos gabinetes do Congresso Nacional a Auxílio Brasil anabolizado em 50% às vésperas do pleito; de auxílios-gás, taxistas e caminhoneiros a corte de ICMS para reduzir o preço da gasolina nos postos, num afago à classe média. Ainda assim, o presidente candidato à reeleição foi derrotado nas urnas.

A recuperação do mercado de trabalho, sobretudo em serviços, após dois anos de restrições de atividade em decorrência da pandemia e os programas sociais arranjados para alavancar votos para Jair Bolsonaro resultaram num recorde na proporção de brasileiros com rendimentos. Ao todo, 62,6% da população tinha algum dinheiro, maior nível em uma década. O rendimento domiciliar per capita saltou 6,9%. Saiu da média mensal de R$ 1.484 em 2021, mínimo da série histórica iniciada em 2012, para R$ 1.586.

— Os dados sugerem que o ciclo eleitoral foi mais forte em 2022 — atesta Neri.

Ao menos 7,7 milhões de brasileiros conseguiram ocupação no ano passado, segundo Alessandra Brito, analista da Pnad Contínua do IBGE. Com isso, a massa de rendimentos do trabalho avançou 6,6%, para R$ 253 bilhões, embora a remuneração média per capita tenha caído 2,1%. O que disparou foram os ganhos com algum benefício social — Bolsa Família e Auxílio Brasil à frente. O percentual de domicílios cobertos dobrou de um ano para outro (de 8,6% para 16,9%), o que elevou a renda dos mais pobres.

Os especialistas não duvidam que a tendência de redução da desigualdade e de aumento nos rendimentos se estenderá a 2023. Em 2022, o pacote eleitoral incidiu, sobretudo, no segundo semestre. Apenas em agosto passado o Auxílio Brasil saiu do mínimo de R$ 400 para R$ 600. Em 2023, atravessará todo o ano. O Bolsa Família foi relançado com adicionais por crianças, adolescentes e gestantes. O salário mínimo voltou a ter reajuste acima da inflação, favorecendo quem recebe o Benefício de Prestação Continuada (BPC), aposentadorias e pensões. O IPCA, índice da meta, também está menor agora.

A preocupação é tornar a tendência sustentável no longo prazo. O gasto social como proporção do PIB (cerca de 1,5% no Bolsa Família, 1% no BPC) avançou a patamar comparável ao da Espanha (2,5% a 3%), diz Neri. Nas contas dele, cada real distribuído no Bolsa Família movimenta R$ 1,78 na economia; no BPC, R$ 1,19; nas aposentadorias, R$ 0,52. Quanto mais focalizada nos pobres for a política social, mais a atividade econômica se movimenta. O mercado de trabalho é variável fundamental. No período de maior ascensão social no Brasil, até 2014, o emprego com carteira assinada foi mais determinante que os programas de transferência de renda.

— A queda na pobreza e até na desigualdade, no ano passado, era esperada em algum grau. Para o futuro, é preciso aprimorar o funcionamento do Bolsa Família e, sem dúvida, avançar na renda do trabalho. O emprego melhorou, mas ainda estamos longe do nosso pico histórico em termos de formalização — analisa Pedro Ferreira de Souza, pesquisador do Ipea.

Especialista em políticas sociais, Marcelo Reis Garcia alerta sobre a necessidade de impulsionar o mercado de trabalho para superar o que tem chamado de “ilusão estatística”. A queda na concentração de renda no ano passado se deu fortemente pelo aumento da proteção social. Além do valor a mais, o total de beneficiários saiu de 14 milhões para o patamar de 20 milhões. É bom, mas não suficiente:

— Não foi renda produzida. Foi renda transferida. As famílias estão mais dependentes da renda assistencial. O Bolsa Família precisa se articular com políticas de emprego para que a queda da desigualdade seja sustentável — completa.

As transformações do mundo do trabalho exigem ações para estimular postos com carteira assinada, mas também formalizar autônomos e apoiar empreendedores com crédito, assistência técnica, acesso a mercados, sejam eles individuais, micro ou pequenos, da área urbana ou rural. Sem esquecer as dimensões de gênero e raça, uma vez que mulheres e negros são maioria entre desempregados, trabalhadores informais e mal remunerados. A reação começou, mas está longe do fim.

+ sobre o tema

Conceição Evaristo, a intelectual do ano

Quando Conceição Evaristo me vem à memória fico feliz,...

10 Filmes para conhecer o Cinema Africano

O cinema autêntico africano é bastante tardio quando tomamos...

Aborto é legalizado em 77 países mediante apenas solicitação; confira quais

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, marcou para...

Reação de IZA ao saber de indicação ao Grammy Latino viraliza na web

Após ser indicada ao Grammy Latino 2023 na categoria Melhor Interpretação Urbana...

para lembrar

spot_imgspot_img

Vulneráveis ao calor

A semana de calor recorde em pleno inverno jogou luz sobre urgência, até aqui, negligenciada, nas palavras certeiras de Renata Libonati, professora no Departamento...

Candidaturas coletivas podem acabar já em 2024; a quem isso interessa?

As candidaturas coletivas podem deixar de existir já a partir das eleições municipais do ano que vem. O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou uma...

Ato cobra mulher negra no STF, e OAB-SP assina carta para pressionar Lula

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de São Paulo divulgou nesta quarta-feira (20) uma carta que será entregue à Presidência da República a...
-+=