Religiões de matriz africana e o racismo no Brasil

Foi assunto na imprensa nacional, no último dia 5 de abril, a condenação de duas emissoras de TV pela Justiça Federal de São Paulo. De acordo com a decisão, as emissoras deverão conceder direito de resposta às entidades que representam as religiões de matriz africana. Constantemente, as emissoras que foram condenadas veiculavam, em suas respectivas grades de programação, conteúdos ofensivos e pejorativos dirigidos a praticantes de Umbanda e Candomblé.

por Júlio Ribeiro Xavier para o Guest Post do Geledés

A vitória é simbólica e cabe recurso, porém representa uma resposta ao que a mídia noticia como “intolerância religiosa”.

A “intolerância religiosa” tem objetivos bem definidos, pois tem sido conveniente adotar um termo “generalista” para minimizar as perseguições que vêm ocorrendo em praticamente todo o território nacional, voltadas exclusivamente para as religiões de matriz africana. Essa “intolerância religiosa”, massivamente veiculada, não contempla as reais particularidades dos ataques a terreiros e praticantes de religiões de matriz africana.

Em um passado não muito longe, o Estado brasileiro, já republicano, através da aplicação do Código Penal de 1890, proibia a prática da religiosidade afro-brasileira, definindo-a como xamanismo e magia negra. As repressões eram sustentadas também por denúncias feitas pelos jornais, e as autoridades invadiam os terreiros e confiscavam seus objetos.

Mas foi esse mesmo Estado, que em nome da Modernidade, através da “solução” com a miscigenação e políticas imigratórias, buscou embranquecer a população.

O médico João Baptista de Lacerda, nosso representante no I Congresso Internacional das Raças, realizado em Londres, em 1911, foi enfático em suas teses, ao afirmar que, em cem anos, os negros desapareceriam da população brasileira, e os mestiços ficariam reduzidos a três por cento entre os nacionais.

Havia coerência entre embranquecer a população e eliminar qualquer vestígio da presença da cultura africana em solo brasileiro, e a religiosidade afro-brasileira também estava incluída no “pacote”. É o racismo brasileiro e as suas nuances que se manifestam de várias formas. Na cor da pele, na “textura” do cabelo e na prática religiosa.

É um racismo sorrateiro de eficácia perniciosa, que também se expõe através da “intolerância religiosa”, tendo como seu alvo predileto, desde sempre, a população negra e a sua religiosidade.

 

Júlio Ribeiro Xavier – historiador


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Inscrições no Enem 2024 são prorrogadas até 14 de junho

As inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)...

Inscrições para o Enem 2024 terminam nesta sexta-feira (7)

Termina nesta sexta-feira (7) o prazo para realização das...

para lembrar

Barrar Fraudadores das Cotas

Em Salvador, os movimentos negros se mobilizam para continuar...

Rotina de professoras negras será retratada em documentário sobre Diáspora Africana

Podemos construir uma escola que valorize a ancestralidade africana?...

Unicamp 2024: prazo para pedir isenção em taxa do vestibular começa nesta segunda; veja regras

A Unicamp abre nesta segunda-feira (15) o prazo para pedido de...

Coletivo de Educação da CONAQ lança Curso de Formação para professoras/es e estudantes quilombolas

O Coletivo de Educação da Coordenação Nacional de Articulação...
spot_imgspot_img

Harvard lança mais de 100 cursos gratuitos e legendados em português

Os cursos disponíveis são divididos nas áreas a seguir. Artes e Design; Negócios e Gestão; Ciência da Computação; Ciência de Dados; Ciência e Engenharia; Ciências Sociais; Desenvolvimento Educacional e Organizacional; Humanidades; Matemática e...

UnB abre vagas na especialização gratuita em Políticas Públicas e Tecnologias Educacionais

A Universidade de Brasília (UnB) abriu 26 vagas na especialização gratuita em Políticas Públicas e Tecnologias Educacionais, que serão divididas da seguinte maneira: 15 vagas...

Inscrições no Enem 2024 são prorrogadas até 14 de junho

As inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foram prorrogadas até o dia 14 de junho, anunciou o ministro da Educação, Camilo Santana,...
-+=