Seminário aborda luta antirracista, popular e periférica no Fórum Social Mundial

Debate aconteceu na Assembleia Legislativa do RS e reuniu lideranças indígenas e representantes do movimento negro

Em meio a crescente taxa de homicidio de jovens negros no Brasil, a luta antirracista, popular e periférica foi tema de debate nesta quinta-feira (26), na Assembleia Legislativa gaúcha. Realizado dentro da edição 2023 do Fórum Social Mundial (FSM), o seminário contou com a participação de lideranças indígenas, representantes do movimento negro e especialistas. 

Na abertura, foi dedicado um minuto de silêncio aos indígenas do povo Yanomami, que vêm sofrendo com casos de desnutrição, malária e intoxicação por mercúrio provocado pelo garimpo ilegal nos estados do Amazonas e Roraima, na Região Norte do país. 

A socióloga Suelen Aires Gonçalves, do coletivo de mulheres negras Atinúké, trouxe para o debate reflexões acerca do contexto histórico atual e dos desafios da democracia. “Nós temos uma democracia jovem e liberal que de fato não acolhe as nossas reivindicações históricas e nem os direitos construídos na nossa Constituição Cidadã, como o enfrentamento ao racismo, ou melhor, o direito número um da nossa constituição: o direito à vida, um direito não zelado pelo Estado brasileiro que constrói morte em larga escala da população negra e da população indígena”, frisou. 

Na sequência, o líder Woie Xokleng falou sobre a importância da demarcação de terras para assegurar a integridade física e cultural dos povos indígenas. “Sem território não há saúde, sem território não há uma vida digna. Porque sem território não podemos falar sobre o antirracismo. Já é um racismo tirar nosso território. Toda luta indígena é sobre os direitos que foram violados e tirados de nós há muito tempo.”

O estudante Aleff Fernando, graduando em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e coordenador nacional do coletivo Enegrecer, reiterou que a violência contra a juventude negra deve se tornar uma pauta central. “A cada 23 minutos, um jovem negro é exterminado no nosso país. Seja pela ação ou omissão do Estado, os nossos jovens estão tombando. É fundamental que a gente pense sistematicamente políticas que venham a enfrentar o extermínio da nossa juventude”, disse. 

À margem da educação

Em sua fala, a professora de língua portuguesa da rede municipal de Porto Alegre Lisiane Niedsberg lembrou que educação também é uma questão de cor. “É perceptível que, a partir do sexto ano, fica difícil para os pais acompanharem a vida escolar de seus filhos. E eles também acabam não querendo mostrar o caderno e não falar o que está acontecendo em sala de aula porque, na maior parte do tempo, esses alunos negros estão sofrendo racismo e, infelizmente, professores e e equipe diretiva fecham os olhos para isso”, relatou.

Coordenadora do Desvendado, projeto de resgate da história afro-brasileira, africana e indígena em escolas e presídios, Lisiane alertou sobre a necessidade pensar mais a educação de alunos negros. “Nas portas das escolas, o traficante está lá tentando convencê-los de que vão ter uma vida melhor se trabalharem com ele. Então a gente precisa tentar entender o que está sendo feito com esses alunos que estão em defasagem”, destacou. 

+ sobre o tema

Fui criado numa família poliamorosa

Poucos símbolos culturais têm tanto peso na sociedade como...

22 livros escritos por mulheres que todo homem deveria ler

por Andreia Martinelli no BrasilPost Pare um minuto do seu...

Nina Simone: a arte contra o racismo

O movimento dos direitos civis é um dos momentos...

para lembrar

Marta ultrapassa Klose e se torna a maior artilheira da história das Copas

É rainha que chama, né? no HuffPost A atacante Marta Silva,...

Lei Maria da Penha e as promessas não cumpridas do Sistema de Justiça Criminal – por Camilla de Magalhães Gomes

Recentemente, o IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada publicou uma...

Encontro em Goiânia lembra 30 anos do movimento de mulheres negras no Brasil

As três décadas do movimento de mulheres negras no...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=