Sobre a solidão da mulher negra

Pra falar da militância, eu gosto de utilizar o termo “didatismo”, porque para sermos militantes, temos por obrigação, exercermos a nossa didática diária. Não é nada fácil, eu sei, mas também não é impossível criarmos táticas de socialização do pensamento esquerdista no nosso meio social, entre as pessoas que amamos e/ou convivemos diariamente, na internet, no barzinho, na faculdade..

Por Gleide Fragra Do Feminismo sem Demagogia

Entre as opressões mais difíceis de serem trabalhadas, eu, Gleide, tenho o racismo como a segunda problematização mais complicada; as pessoas acham que o racismo já foi superado, as pessoas acham que as questões de classes ligadas à etnia, as desvantagens em relação acadêmica e trabalhistas também ligadas à etnia, são meras normas culturais, as pessoas realmente acham que ser negro e: pobre, morto pela polícia, sem estudos, é normal.

Enquanto mulher, negra e periférica, eu tenho uma tripla militância didática todo santo dia para ser exercida, ser mulher é ser violentada física ou sexualmente a cada 12 segundos no Brasil, ser negro, é ter 80% de chances de sofrer violência policial (sem precedentes), ser mulher e negra, é sofrer com a estigmatização da minha cultura, da minha aparência, é ter de construir todos os dias a minha autoestima enquanto mulher, pois eu não sou representada nos principais meios midiáticos, a minha beleza é censurada, tida como algo inexistente, o não normal, o não belo, o não perfeito. E o impacto gerado por essa estigmatização, me atinge em vários níveis; tangíveis e intangíveis, tais como os relacionamentos heterossexuais ou não.

Sabe-se que pouquíssimas mulheres negras conseguem se estabelecer romanticamente enquanto casadas, que o número de famílias onde a mulher é mãe solteira é em sua maçante maioria, de mulheres negras. Fomos crescendo com a ideia de ver nossas avós, mães, tias criando seus filhos sozinhas, sem companheiros, por vários motivos; abandonadas por eles, relacionamentos extra conjugais e etc. E com isso crescendo sem exemplos de mulheres como nós que querem se casar (é importante frisar o desejo do casamento como algo condicionado, mas quando se há essa desconstrução e o desejo permanece, já entramos em outro patamar discursivo), e ainda assim, não conseguem se estabelecer num casamento, seja ele com homens negros ou não, seja ele com mulheres negras ou não.

E ainda, ver-se colocada como segunda opção, pois nós mulheres e negras, somos colocadas como as “mulatas de carnaval”, num turismo sexual completamente exacerbado frente a mídia brasileira que nos vende como meras bundas carnavalescas, e isso impactando diretamente nos relacionamentos, faz com que eu esteja colocada no lugar da amante, da fogosa, da “boa de cama”, da “mais quente”, a que desperta desejo, mas nunca amor/paixão.

[…] Mais que qualquer grupo de mulheres nesta sociedade, as negras têm sido consideradas ‘só corpo, sem mente’. A utilização de corpos femininos negros na escravidão como incubadoras para a geração de outros escravos era a exemplificação prática da ideia de que as ‘mulheres desregradas’ deviam ser controladas. Para justificar a exploração masculina branca e o estupro das negras durante a escravidão, a cultura branca teve que produzir uma iconografia de corpos de negras que insistia em representá-las como altamente dotadas de sexo, a perfeita encarnação de um erotismo primitivo e desenfreado. (HOOKS, 1995, p. 469)

É difícil ainda entender como somos trocadas por mulheres padronizadas, as mulheres que se enquadram na beleza que é vendida, na beleza colocada como perfeita, as mulheres brancas, cisgênero, magras. As mulheres colocadas no estereótipo da beleza eurocêntrica, a beleza que é tida como padrão a ser estabelecido, e diante disto, ver-nos sendo constantemente colocadas no lugar de amantes para estas mulheres.

Ver-nos (nós negras ou não), sendo colocadas em caixinhas taxativas do “pra comer e pra casar”.
Mas quem nos divide assim, é o patriarcado, este é o verdadeiro inimigo das estigmatizações de comportamento feminino, da liberdade sexual, do racismo que atinge diretamente a mulher negra. Quem se beneficia dessas taxações não somos nós mulheres, nenhuma de nós pode ser beneficiada pelas relações monogâmicas em que somos taxadas como objeto de troféu e objeto para ser usado apenas na cama.

A mulher branca, mesmo sendo beneficiada pelo padrão eurocêntrico, não pode ser a verdadeira inimiga da opressão que foi estabelecida pelo patriarcado no que tange as relações heterossexuais. Ao contrário, os verdadeiros beneficiados dessa “diversidade” feminina para livre escolha, são os homens, e é a estes quem devemos questionar; questionar seus gostos, questionar suas escolhas de relacionamentos monogâmicos ou não, é para eles quem devemos curvar as nossas problematizações acerca da solidão da mulher negra e a valorização exagerada da beleza magra e branca enquanto a mulher “despadronizada” é uma vitima de uma sociedade doentia que corrompe a nossa sexualidade, a nossa liberdade do existir.

“A mulher do terceiro mundo se revolta: Nós anulamos, nós apagamos suas impressões de homem branco. Quando você vier bater em nossas portas e carimbar nossas faces com ESTÚPIDA, HISTÉRICA, PUTA PASSIVA, PERVERTIDA, quando você chegar com seus ferretes e marcar PROPRIEDADE PRIVADA em nossas nádegas, nós vomitaremos de volta na sua boca a culpa, a auto-recusa e o ódio racial que você nos fez engolir à força. Não seremos mais suporte para seus medos projetados. Estamos cansadas do papel de cordeiros sacrificiais e bodes expiatórios” –Kathy Kendell, 1980

Leia Também

Por que as mulheres negras são minoria no mercado matrimonial

Gênero, raça e ascenção social

+ sobre o tema

Maria da Conceição Evaristo, a voz da mulher negra na literatura

Educadora e escritora, ela participa da Flip nesta quinta-feira...

Nem morena, nem mulata

Segundo o IBGE, no Brasil, 7,6% da população se...

Mulheres negras destacam papel dos objetivos globais na eliminação do racismo

As mulheres negras são 55,6 milhões de pessoas no...

15 ativistas negras que todos deveriam conhecer

O For Harriet publicou uma lista bem interessante que...

para lembrar

A surpresa da literatura negra

Jennifer Nansubuga homenageia sua tradição oral Nem americana, nem africana,...

Resistir ao racismo é resistir à tripla morte: Marielle, presente

Durante muito tempo, eu me neguei a falar publicamente...

100 anos de história e beleza dos cabelos crespos em apenas 60 segundos

100 anos de história e beleza dos cabelos crespos...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=