Socialistas querem que Hollande enfrente Merkel

Em um documento de 21 páginas coordenado pelo deputado Jean-Christophe Camdabélis, vice-presidente do Partido Socialista Europeu (PSE), os socialistas denunciam o rombo atual da Europa sob a batuta da papisa do liberalismo do Velho Continente, Angela Merkel. O texto argumenta que “o projeto comunitário está ferido por uma aliança de circunstância entre os acentos thatcherianos do primeiro ministro britânico e a intransigência egoísta da chanceler Merkel. O artigo é de Eduardo Febbro, direto de Paris

Eduardo Febbro

O Partido Socialista saiu de sua disciplina silenciosa para arremeter com uma veemência inédita contra a chanceler alemã Angela Merkel e estimular o presidente François Hollande a “enfrentar Merkel”. Em um documento de 21 páginas coordenado pelo deputado Jean-Christophe Camdabélis, vice-presidente do Partido Socialista Europeu (PSE), os socialistas denunciam o rombo atual da Europa sob a batuta da papisa do liberalismo do Velho Continente, Angela Merkel. O texto argumenta que “o projeto comunitário está ferido por uma aliança de circunstância entre os acentos thatcherianos do primeiro ministro britânico _ que só concebe a Europa como um menu e a baixo preço – e a intransigência egoísta da chanceler Merkel, que só pensa nos poupadores da Alemanha, na balança comercial de Berlim e em seu futuro eleitoral”.

O ataque frontal ocorre em pleno debate sobre a manutenção da linha de rigor adotada por François Hollande e imediatamente depois de uma intervenção pública muito dura do atual presidente da Assembleia Nacional, o socialista Claude Bartolone. Ele se pronunciou a favor de um “confronto” com a Alemanha para sair do círculo interminável do rigor. As baterias políticas da esquerda do PS foram acionadas no momento em que a França registrou o nível de desemprego mais alto da história, com 3.224.600 pessoas sem trabalho, um pico que superou a marca anterior de 1997. Toda a ala esquerda do PS vem levantando a voz há várias semanas contra a política de rigor e de controle orçamentário assumida por Hollande. “Se a seriedade orçamentária mata o crescimento então ela não é mais séria. É absurda e perigosa”, disse Arnaud Montebourg, atual ministro da Reativação Produtiva. 

A chamada “keine alternativa” começa a esgotar a paciência até dos aliados mais próximos de Hollande. No entanto. O chefe de Estado repete que “não mudará” de política econômica: rigor, rigor e austeridade, matizados com expressões de suave inspiração social democrata. Mas a realidade não se move. As palavras vão por um lado, e os fatos por outro: cada vez há mais desempregados, mais pobres e também mais ricos. “O presidente avança direto contra o muro sem buzinar”, disse o deputado ecologista Jean-Vincent Placé. A maioria socialista está entre dois navios que navegam em um oceano muito agitado. Uma parte centrista respalda o mandatário, a outra não cessa de reclamar outra política. A esquerda que chegou ao poder com tantas ilusões parece desesperançada, enjoada pelo golpe e pela amplitude não prevista da crise.

O argumento de François Hollande consiste em dizer que o controle dos déficits e a política de rigor que o acompanham permitirão que a dívida da França (94% do PIB) baixe. Isso, somado ao retorno hipotético do crescimento, deixará à esquerda uma margem importante para distribuir. Paguem primeiro, distribuiremos depois. Daniel Cohn-Bendit, o líder do movimento estudantil que estourou na França em maio de 1968, diz que esse argumento é incongruente e que a social democracia está “desamparada frente à amplitude da crise”. Segundo o ex-eurodeputado ecologista, “a globalização da crise econômica, financeira e ecológica põe em questão a ideia tradicional da repartição dos lucros e do crescimento”.

A crise, as políticas de rigor e as incontáveis promessas eleitorais jamais cumpridas por François Hollande acabaram por formar um nó sem fim. O horizonte está habitado por um discurso único e, como expressa muito bem Daniel Cohn Bendit, “a esquerda está desmoralizada”. Benoît Hamon, ministro da Economia Solidária e representante da ala de esquerda moderada do PS, alega que “não se pode viver sob essa capa de chumbo mantida pela direita alemã. O ritmo imposto à manutenção de uma consolidação orçamentária que nos confina à austeridade pode nos conduzir a um caminho sem saída”. Mas é assim que se está vivendo, em uma situação de total impotência. Nenhuma linha se move. Cecile Duflot, ministra da Habitação, assegura: “devemos provar que a política pode agir sobre a realidade”. Por enquanto atua sem melhorá-la. Ou só melhora na Alemanha.

A esquerda francesa terminou brigando mais consigo mesma do que com seus adversários da direita. Entre as alas esquerdas do PS, de onde são oriundos vários ministros, a Frente de Esquerda, de Jean-Luc Mélenchon, que zomba do governo com uma ironia violenta, e a centro-direita que controla as funções essenciais do Executivo, a polifonia é discordante. E essa cacofonia é extensiva a outros atores políticos e econômicos. Há alguns dias, o presidente da Comissão Europeia, José Miguel Barroso, o guardião das políticas de redução de déficits, disse que “a austeridade havia chegado aos seus limites”. 

No início deste ano, Olivier Blanchard, o economista chefe do Fundo Monetário Internacional, reconheceu que tudo havia saído ao contrário do previsto: “nas economias desenvolvidas, a forte consolidação fiscal – redução de déficits – foi acompanhada de um crescimento mais débil do que o esperado”.

Os resultados são catastróficos, mas ninguém que está no poder se afasta dessa linha. Recém agora, depois de estar quase um ano no governo, o PS disparou sua primeira flecha: “enfrentar democraticamente a direita europeia” para combater politicamente a direita alemã. Em parte, em maio do ano passado, François Hollande havia sido eleito com essa ilusão. Mas Angela Merkel segue mandando no tabuleiro europeu.

Tradução: Marco Aurélio Weissheimer

 

 

Fonte: Carta Maior

+ sobre o tema

Afro-uruguaios

Afro-uruguaios notáveis: Rubén Rada Afro-uruguaios refere-se a uruguaios de ancestralidade negra africana. Eles...

Hacia el Estado Comunal Jesus Chucho Garcia

Por: JESUS CHUCHO GARCIA   Llegó la hora de salir de...

Declaracion de Asuncion Paraguay Foro Interamericano Afrodescendiente

Participación e Incidencia De Los Y Las Afrodescendientes En...

A mostra ID_BR cara, pele, jeito

A mostra ID_BR CARA::PELE::JEITO nasceu com o intuito de...

para lembrar

Oscar refletiu as transformações da sociedade americana, por Joel Zito Araujo

Premiação consagrou não só a diversidade de raça, mas...

Heróico protesto contra o racismo

LuDiasBH Sabíamos que o que íamos fazer era muito maior...

Primeiro curso de formação em Comunicação Alternativa e Produção de Conteúdo de África Contemporânea

Jornalistas, escritores e aspirantes apaixonados por África: O Afreaka...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=