“Solano, vento forte africano” realiza temporada virtual gratuita

Dois anos após estrear no teatro, volta à cena durante os dias 020809 e 13 de maio às 20h a peça “SOLANO, VENTO FORTE AFRICANO” através do YouTube da Casa Poema – https//bit.ly/3uCkvpi . Com texto de Solano TrindadeElisa Lucinda e Geovana Pires (que também assina a direção), direção musical de Beá, direção de movimento de Valéria Monã e direção de produção de Damiana Inês, após as apresentações haverá um bate-papo com os representantes dos quilombos do Rio de Janeiro por onde o espetáculo passou e irá passar. As apresentações exibidas são da temporada do espetáculo quando encenado no Teatro Dulcina.

A montagem lança luz não apenas sobre a obra, mas também sobre o aspecto humano e político de Solano Trindade, poeta pernambucano desenvolveu sua múltipla potencialidade artística com o olhar sempre voltado à realidade do negro brasileiro. Interpretado por Val Perré, Solano foi ainda criador do Teatro Popular Brasileiro, de profunda importância para a unificação dos movimentos negros. “Temos uma missão de levar a obra de Solano a todos, dando voz e continuidade, percebendo a mensagem de liberdade e o amor que é latente na sua obra”, salienta o ator.

De maneira cadenciada e auxiliado pela pluralidade musical brasileira, a peça é permeada por música, canto, dança e sapateado, conduzindo o espectador de forma lúdica à trajetória de Solano. A narrativa evidencia episódios marcantes, como seu convívio com a atriz Ruth de Souza, amiga que o abrigava após as manifestações políticas pelos direitos dos trabalhadores; e o momento em que “Mulher Barriguda“, cuja letra é de Solano e compreendida como canção de protesto à ditadura militar, foi gravada pelo grupo Secos e Molhados, em 1973.

Dada sua militância política pacífica, Solano é considerado por muitos o Gandhi da literatura popular brasileira, mesmo tocando em pontos nevrálgicos – dentre eles, a dificuldade de inserção do negro no mercado de trabalho.  “A voz de Solano se faz necessária neste momento porque, infelizmente, tudo que ele falou há 70 anos segue em pauta. O Brasil ainda sofre com essa ferida aberta que é o racismo; os direitos dos trabalhadores estão caindo por terra e o povo vem sendo massacrado. A luta de Solano se dava com armas como a poesia, a palavra e o amor”, ressalta Geovana Pires, diretora e idealizadora do projeto.

 Além das cinco apresentações virtuais da montagem, o projeto com recursos aprovados através da Lei Aldir Blanc, por meio do Governo Federal, do Governo do Estado do Rio de Janeiro e da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro ofereceu ainda uma palestra e duas oficinas gratuitas. “Este espetáculo é um grito de liberdade. Creio que a mensagem mais importante é a consciência de que estamos em guerra, que o Estado está dizimando nossa juventude negra e que temos que nos unir para vencer. É urgente e todos estão envolvidos”, finaliza Geovana.

SERVIÇO:

“SOLANO, VENTO FORTE AFRICANO”

Quando1º, 02, 08, 09 e 13 de maio – 20h

Onde: Canal do YouTube da Casa Poema – https//bit.ly/3uCkvpi

Entrada Gratuita

Duração: 90 minutos

Classificação Indicativa: 12 anos

Gênero: Documental

Após as apresentações haverá um bate-papo com os Quilombos da Machadinha (Quissamã), Baía Formosa (Búzios), Cafundá Astrogilda (Vargem Grande), Maria Conga (Magé) e Camorim (Jacarepaguá).

 

FICHA TÉCNICA:

Texto: Solano Trindade, Elisa Lucinda e Geovana Pires

Direção: Geovana Pires

Elenco: Val Perré, Elisa Lucinda, Valéria Monã, Nando Rodrigues, Damiana Inês, Regina Café e Rozan

Direção Musical: Beá

Preparação Vocal: Canto Preto – Ayiê Ti Eso & Vinicius Pereira

Consultoria Musical: Liberto Solano Trindade

Direção de Movimentos: Valéria Monã

Figurino: Joana Seibel

Cenário: Iléa Ferraz

Iluminação: Djalma Amaral

Fotografia: Andreia Rocha e Valmyr Ferreira

Programador Visual: David Lima

Adereços: Iléa Ferraz, Joana Seibel & Vitor Martinez

Costureiras: Ângela Fagundes e Juçara Carvalho

Contrarregra: Eduardo Brandão

Mídias Sociais: Rozan e Nando Rodrigues

Cenotécnicos: André Salles e Fátima de Souza

Operador de Luz: Alessandro Persan

Técnico de Montagem de Luz: Chapinha

Assistentes de Produção: Aisha Jambo e Pamela Alves

Assessoria de Imprensa: Marrom Glacê Assessoria – Gisele Machado & Bruno Morais

Direção de Produção: Damiana Inês

Escritório Casa Poema: Camila Candal Certo e Taís Espírito Santo

Coordenação Geral: Geovana Pires

Produção: Bloco Pi Produções

+ sobre o tema

No Orun: Movimento perde Eliane Borges da Silva

FALECEU NO DIA  24/04/17, EM CURITIBA, A COMPANHEIRA ELIANE...

Haiti, ponto de encontro das Américas

O princípio fundamental é o de que...

Balé clássico ainda discrimina profissionais negros

Nas companhias de dança de São Paulo, cidade com...

Doutora Fátima de Oliveira, presente em nossa história e nossa luta

Fátima Oliveira, 63 anos, médica, feminista emancipacionista, escritora, avó...

para lembrar

Milton Nascimento confirma datas e locais da turnê do Clube da Esquina

Primeira apresentação será em Juiz de Fora (MG) e...

Literatura: Canto livro com Jorge Amado – Amor e Mar

Jean e Joana Garfunkel - acompanhados pelo instrumentista Natan...

TPI condena congolês Lubanga a 14 anos por recrutar crianças

    O Tribunal Penal Internacional (TPI) condenou...
spot_imgspot_img

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...

Nota de pesar: Flávio Jorge

Acabamos de receber a triste notícia do falecimento do nosso amigo e companheiro de militância Flávio Jorge, o Flavinho, uma das mais importantes lideranças...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...
-+=