Sony e Tiririca ‘bombam’ na imprensa dos EUA, por Humberto Adami

A imprensa dos EUA tem “bombado” a notícia da sentença da condenação da SONY no caso TIRIRICA no Brasil.

Só na semana passada foram 4 publicações em sites importantes, citando a condenação do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, de como exemplo a ser seguindo, inclusive nos Estados Unidos.

A tradução da letra da música de “Veja os cabelos dela” tem causado maior irritação nas mulheres, especialmente as mulheres negras, (mas não apenas estas), pois até hoje, a empresa condenada vem justificando que a música dizia respeito apenas à mulher dele. “E onde ele arranjou este direito de falar da mulher dele assim?”, tem perguntado algumas das debatedoras e comentaristas dos sites e jornais.

O que se percebe é que mais do que a notícia esteja causando impacto no Brasil, é nos EUA que o caso tem sido identificado um exemplo a ser seguido inclusive para outras situações. Isto é importante pois os contrários à ação afirmativa no Brasil, cotidianamente acusam os defensores da ação afirmativa para negros de “importar americanismos”, como ação afirmativa, acusando publicamente a Fundação Ford.

Ivone Maggie, Ali Kamel, Demétrio Magnolli, Peter Fry, e mais recentemente, Roberta Kaufmann e o Senador Demóstenes Torres (DEM-GO), tem incluído em seu discurso anti-cotas essa cantilena de sempre. Um certo Antonio Militão também repetiu isto aqui e acolá.

Pois bem. O que a decisão do TJ RJ aponta, ao contrário de pelo menos outros quatro tribunais estaduais brasileiros ( SP, MG, BA, RS), é que o Brasil está “exportando” tecnologia jurídica de combate à discriminação racial, baseado em esforços de um grupo de advogados do movimento negro no Rio de Janeiro, aliado a militantes históricos deste mesmo movimento, que se juntaram para produzir umas das mais belas páginas da libertação do negro no Brasil, desde a escravidão, utilizando-se das ferramentas práticas do modelo capitalista. Construir este “know-how” ( para ficar nos “americanismos”) do uso do Judiciário na repressão às condutas racistas das corporações, é uma das principais metas do que chamo de “Advocacia de Combate”, título de meu livro em fase de revisão.

A ausência de percepção desses sutis movimentos por parte da imprensa brasileira, excepcionados poucos veículos e alguns jornalistas que rotineiramente tratam do tema, além de parte da “imprensa negra” atenta que acontece no assunto, constitui um vácuo no observar do cotidiano das relações no Brasil, e que frequentará a pauta do Supremo Tribunal Federal, ainda este ano, em diversas oportunidades.

Cito a reportagem do Huffington Post, cuja análise das referências e links dá a idéia do movimento da internet, como o grupo BLACK WOMAN WITH LONG HAIR, e o site do BRAZILIAN BLACK WOMEN, responsáveis por fazer chegar ao HP a notícia.

A reportagem completa de CNN Lawsuit highlights Brazil’s struggles with race – CNN.com  torna a discussão mais que internacional, e dá a devida importância que o fato adquiriu, como modelo e espelho para outras lutas mundo afora. Devido a chamada globalização os fatos são hoje intercomunicantes, e se influenciam entre si.

A reportagem do Sony Music Fined Over Half A Million Dollars Over Brazilian Song … do SITE BOSSIP, dá idéia do que achou da letra da música de Tiririca, traduzida para o ingles: simplesmente horrível.

A reportagem Sony’s Brazilian Arm Ordered to Pay Damages for Racist Song, com fundo musical de rapper, demonstra que o tema virou discussão em todos os segmentos do movimento negro norte-americano, e que deverá ser objeto de mais estudo ä frente.

Até o movimento White Power, dos neozistas do STORMFRONT, que volta e meia ameaçam ativistas de direitos humanos no Brasil, e que esconde grande números de brasileiros, entrou na discussão com identidades falsas, e que se podem ser vistas em http://www.stormfront.org/forum/t857987/ e http://www.stormfront.org/forum/ . Detestaram a decisão e aplaudiram a letra de Tiririca.

A imprensa brasileira deu alguns informes na época dos julgamentos, mas não tem entrado de fato no miolo, importância e significado do que ocorrido . Mesmo pequenos veículos dedicados à chamada “mídia étnica”, tem feito registros burocráticos tratando o assunto como se fosse uma sentença de juizado de pequenas causas. Não é.

É um caso histórico feito a muitas mãos, que ainda vai servir de referencia para muitas outras situações e canções no Brasil, e fora dele. A repercussão que o assunto vem tomando, quer seja pelo ineditismo da decisão; do porte economico da ré Sony; pela letra que consegue a repulsa imediata da maioria dos que a ouvem; da longa luta das entidades do movimento negro, em especial de mulheres negras de todo o Brasil; e pelo polêmico resultado do valor economico ir para o Fundo de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, de acordo com a lei de ação pública, sugerem que o tema deveria ser tratado com mais interesse pela mídia brasileira, pois convencem a um observador atento, que o quadro muda, ainda que vagorosamente.

O Estatuto da Igualdade Racial ( Lei 12.288/2010) até hoje sem regulamentação pelo Governo Federal, e estaduais, no que pertine, e aplicação prática, no que possível independente da regulamentação, deveria chamar a atenção de todos para que as contas da desigualdade racial podem ficar cada vez maiores.

É a economia encostando na luta pela igualdade racial, seguindo os passos da luta pelo meio ambiente, que teve igual trajetória.

Materias relacionas

Lawsuit highlights Brazil’s struggles with race

 

Race Matters: Sony Ordered To Pay Half A Milli In Damages After Brazilian Song Calling Black Woman “Stinking Beast” And Comparing Her Hair To Scouring Pads Is Deemed Racist

 

Humberto Adami

+ sobre o tema

Dez anos de cotas nas universidades: o que mudou?

Mudança garantiu avanços nacionais em termos de inclusão, mas...

Elio Gaspari: A cota de sucesso da turma do ProUni

Fonte: Folha de São Paulo - ELIO GASPARI...

para lembrar

“Hoje é dia de branco, dia de trabalhar”, diz âncora após feriado da consciência negra

A apresentadora Neila Medeiros fez um comentário polêmico durante...

SOS Racismo lança agenda contra a violência policial

O SOS Racismo lançou, esta quarta-feira, uma agenda com...

10 motivos para não ter uma Hermione negra

Lembra que contamos aqui sobre um fato incrível (e polêmico)...

Crispim Terral denuncia caso de racismo em banco de Salvador

Crispim Terral denunciou nas redes sociais, nesta segunda-feira, 25,...
spot_imgspot_img

Educação escolar de negros com deficiência é marcada por capacitismo e racismo

Apesar da acessibilidade ser um direito garantido por lei para as pessoas com deficiência, a falta de ambientes acessíveis foi um dos principais problemas...

Em ‘Sitiado em Lagos’, Abdias Nascimento faz a defesa do quilombismo

Acabo de ler "Sitiado em Lagos", obra do ativista negro brasileiro Abdias Nascimento, morto em 2011, no Rio de Janeiro. A obra, publicada agora pela...

Registros de casos de racismo aumentam 50% entre 2022 e 2023 no estado de SP

Números obtidos via Lei de Acesso à Informação pela TV Globo, mostram que o número de ocorrências registradas por racismo e injúria racial tiveram alta...
-+=