Tornar-se negro é libertador

Neste mês da consciência negra, convido todos à reflexão sobre o que é ser negro no Brasil contemporâneo

Sempre me surpreendo quando uma pessoa negra afirma que nunca sofreu preconceito ou discriminação racial no Brasil. Não foi diferente quando soube do relato de uma mulher preta —a primeira a ocupar um alto posto numa instituição hierarquizada e historicamente comandada por homens brancos— que disse nunca ter enfrentado barreiras de raça ou de gênero para chegar aonde está.

Gostaria de poder acreditar. Mas, por mais que me esforce para respeitar a perspectiva do outro, esse me parece um feito impossível.

Especialmente diante das fartas e escandalosas evidências de racismo estrutural, institucional e sistêmico cada vez mais corriqueiras no nosso cotidiano.

Salvo algum caso absolutamente excepcional de “vida isolada e protegida” (que desconheço), não há homem ou mulher preto ou pardo que chegue à vida adulta incólume aos efeitos nocivos e degradantes do racismo no Brasil.

Por isso é preciso reconhecer e prezar o simbolismo e a força embutidos na presença de todo e cada negro que ascende social e culturalmente. Tratam-se de referências, exemplos de pertencimento, provas vivas de que temos o direito e a capacidade de ser e estar onde quisermos. Sobretudo numa sociedade machista e que se organizou a partir de uma lógica baseada num conceito de hierarquia racial que deprecia o que está distante do eurocentrismo e nega oportunidades diariamente à maioria da população, que é preta e parda.

Na obra “Tornar-se Negro”, a psiquiatra e psicanalista Neusa Santos Souza aponta o quanto é emocionalmente doloroso ser negro em uma sociedade de hegemonia branca. A ponto de alguns introjetarem o “padrão branco” como único caminho de mobilidade, adotando estratégias para ascensão cujo preço é a negação e o apagamento da própria identidade.

Neste novembro de 2022, mês da consciência negra, convido todos à reflexão sobre o que é ser negro no Brasil contemporâneo. Reconhecer-se negro é libertador.

+ sobre o tema

Por que Bob Marley é um ícone dos direitos humanos

Ao se apresentar em junho de 1980 na cidade...

Na mira do ódio

A explosão dos casos de racismo religioso é mais um exemplo...

para lembrar

No mês da Consciência Negra, performance homenageia Abdias Nascimento

Poucos nomes são tão representativos para a história afro-brasileira...

Cultura afro ganha evidência em Projeto de Ipiaú

Ação vai ensinar entrelace de tecidos para produção de...

No dia da consciência negra, precisamos falar sobre eleições municipais

Nós, mulheres negras, ainda somos minoria na política. Este...
spot_imgspot_img

Na mira do ódio

A explosão dos casos de racismo religioso é mais um exemplo do quanto nossos mecanismos legais carecem de efetividade e de como é difícil nutrir valores...

Parece, mas não é

Carnaval é uma época do ano em que o Brasil parece ter orgulho de suas raízes africanas —apesar de a festividade ter origem europeia. Quem...

Quer namorar comigo?

Todos os dias me deparo com situações que evidenciam a urgência de alçar a questão racial ao centro do debate dos principais problemas do...
-+=