“Um peso enorme” — as consequências psíquicas de não ser indicado a professor titular

Ainda que a reflexão neste artigo seja feita a partir de algo bastante pessoal, acredito que também tenha sido vivenciado por outras e outros colegas de universidades que atuam em diferentes áreas, campi e em momentos diversos da história. Penso que ter passado por essa experiência tenha me permitido compreender coisas que ouvi de colegas ao longo dos anos sem poder dimensioná-las de modo adequado.

A experiência: decidi prestar concurso para titular na USP. Embora tenha sido aprovada (aliás, todos os inscritos que compareceram ao certame foram aprovados), não fui indicada. Não quero falar sobre o processo em si, mas do momento pós-concurso. O que pode ocorrer com docentes que não são indicadas ou indicados para o cargo de professor titular ao qual concorreram?

No primeiro dia de trabalho após o concurso, quando me dirigi a meu campus para lecionar, senti um peso enorme. Estava no carro com o coração disparado, quase com falta de ar. Um aperto no coração somado a uma tristeza e a um sentimento de perda. Fiquei pensando se encontraria energia para seguir em frente com a mesma dedicação de antes. Se conseguiria dar a aula que deveria dar. Se poderia sair do carro sem me debulhar em lágrimas pela perda de algo tão caro e tão valioso. Não se tratava de uma aprovação em um concurso. Era algo muito mais complexo.

Diferente dos concursos para o ingresso na carreira docente, quando a não aprovação indica um atraso no início de uma jornada, um concurso para titular marca, de modo intenso, a trajetória de um profissional que, na maioria das vezes, dedicou uma vida inteira a uma mesma instituição. Isso realmente pode trazer consequências psíquicas danosas para quem se submeteu ao concurso e não foi indicada ou indicado. A instituição pode, em razão disso, perder o empenho e a dedicação de seus profissionais mais experientes que desanimam diante da negativa da excelência de sua trajetória. Como são muitos docentes e poucas vagas, imagine a quantidade de pessoas que simplesmente, após concursos para titulares, não conseguem mais encontrar motivação para seguir se dedicando, de modo intenso, a uma instituição que lhe negou o reconhecimento.

Se formos visitar os ensinamentos da psicologia e da psicanálise, as palavras “luto” e “trauma” poderiam surgir como modos de explicação do que talvez ocorra com muitas e muitos docentes no momento pós-concurso para titular.

Sobre o luto, é dito:

A ideia de luto não se limita apenas à morte, mas o enfrentamento das sucessivas perdas reais e simbólicas durante o desenvolvimento humano. Deste modo, pode ser vivenciado por meio de perdas que perpassam pela dimensão física e psíquica, como os elos significativos com aspectos pessoais, profissionais, sociais e familiares do indivíduo (…)

O luto é um processo lento e doloroso, que tem como características uma tristeza profunda, afastamento de toda e qualquer atividade que não esteja ligada a pensamentos sobre o objeto perdido, a perda de interesse no mundo externo e a incapacidade de substituição com a adoção de um novo objeto de amor (FREUD, 1915).

O luto é necessário para a elaboração da perda. A vivência do luto permite que, gradativamente, haja o direcionamento (investimento) da atenção, dos afetos, a outros objetos de amor, ressignificando a vida. Mas a situação no ambiente acadêmico traz complicações.

Uma delas é que, nas instituições acadêmicas, no dia seguinte à não aprovação ou à não indicação para o cargo de titular, todas as pessoas que sentem e vivenciam a não aprovação como a perda de algo que lhes era tão caro (o reconhecimento) têm que voltar ao trabalho como se nada tivesse ocorrido. Ou seja, a instituição não permite que docentes vivenciem a dor da perda pelo não reconhecimento. Não permite que os docentes vivam o luto. E as consequências para o não vivenciar o processo de luto, segundo a psicanálise (e a medicina), podem ser desestruturantes do ponto de vista da saúde mental. Além disso, qual seria o novo objeto de amor no mundo acadêmico após a não indicação? Pelo que docentes em luto deveriam substituir o objeto de amor perdido se ele se associa ao reconhecimento de suas trajetórias acadêmicas de uma vida inteira de trabalho?

Felizmente, para mim, ao entrar na sala de aula e começar a conversa com jovens estudantes que retornaram de um longo período de paralização na USP, senti um ânimo novo. Quase sempre, para não dizer sempre, são os estudantes que nos dão a energia necessária para o trabalho docente. Então, descobrir o amor ao próprio ofício docente (e não a esperança de merecidos reconhecimentos pelos pares) ajuda (embora não resolva) uma parte do processo de luto e de ressignificação da vida acadêmica.

Mas nem todas as pessoas encontram essa porta de saída. Não raro se escuta que o concurso para titular foi o pior momento da vida de docentes que nunca se recuperaram. Torna-se um trauma.

O trauma é o resultado de um evento intenso, negativo, para o qual as pessoas não conseguem encontrar ou dar respostas adequadas. Se me recordo bem de minhas aulas de epistemologia da psicologia e da psicanálise em meus tempos de Unicamp, o trauma pode ser associado a angústias e a ressentimentos. Todos são efeitos paralisantes. Então, ao expor os docentes a situações traumáticas para reconhecimento na carreira, as universidades correm o risco de perdê-los ou perdê-las para sempre em processos de luto intensos e permanentes ou gerando traumas para os quais não se encontra saídas.

Por isso, não posso deixar de perguntar: por que uma instituição escolheria submeter seus docentes mais experientes a uma situação que pode ser definida como traumática se há outras opções mais respeitosas que poderiam ser exploradas? Por que temos que manter um ritual antiquado, oneroso e ineficiente? Cinco docentes ao longo de dias de trabalho ouvem e avaliam uma aula de alguém que já dedicou anos da vida fazendo exatamente isso (lecionando). Fazem perguntas sobre a trajetória de trabalho expressa em um memorial, trajetória essa que já foi testada ao longo dos anos nos quais tudo que consta no texto foi produzido. O que prova uma aula dada em 60 minutos por alguém que dá aula ao longo de décadas? O que mostra um questionamento de 20 minutos sobre uma produção que levou anos e anos para ser construída? Qual o sentido desse rito de passagem que nada demonstra de eficácia, eficiência ou efetividade?

A titulação poderia, perfeitamente, estar associada à dedicação por anos de trabalho qualificado à universidade. O trabalho e a dedicação poderiam ser verificados por meio de dossiês que seriam analisados por um comitê de colegas docentes de outras universidades (da mesma área de conhecimento). A avaliação indicaria se o que consta no dossiê procede (não envolve fraudes, plágios, irregularidades) e se atende aos requisitos sugeridos pela instituição que abriu a vaga no concurso para titular. E só. Assim, cada docente poderia ponderar quando estaria apto ou apta a produzir o dossiê e pleitear o cargo que equivale ao reconhecimento de seus anos de trabalho, dedicação e merecimento. Sendo cargo público, esta oportunidade estaria aberta a pessoas/docentes provenientes de quaisquer instituições acadêmicas.

Não haveria humilhação, estariam qualificadas as pessoas com mais tempo de trabalho e dedicação comprovadas por meio do atendimento a requisitos pré-definidos. E a classificação levaria em conta os critérios que hoje são considerados como ações afirmativas para cargos públicos (equidade de raça e de gênero; etnia; pessoas com deficiência).

Por que temos que percorrer o caminho da dor, da exposição, do risco de criar situações vivenciadas como traumáticas e que resultam na perda da motivação de docentes experientes quando há alternativas? Quem sabe Freud explique!

+ sobre o tema

Jornalista é vítima de injúria racial dentro de supermercado da Baixada Fluminense

O colunista Daniel Nascimento, do jornal O Dia, foi...

Prazo para comprovar dados do Prouni termina nesta terça-feira

Termina nesta terça-feira (20) o prazo para que candidatos...

Beyoncé revela ter psoríase e fala sobre sua relação com o cabelo ao lançar linha de cosméticos

Beyoncé revelou em uma entrevista ter psoríase no couro cabeludo....

Não entraria em avião pilotado por cotista?

"Responda com sinceridade, leitor. Você entraria confortavelmente num avião...

para lembrar

Os benefícios para a saúde de ser antissocial

Com alguma relutância, eu consigo ser sociável. Às vezes,...

22% dos jovens de 15 a 24 anos se sentem deprimidos, aponta Unicef

Relatório divulgado hoje pelo Unicef (Fundo das Nações Unidas...

Depressão em idosos: por que doença ainda é difícil de ser diagnosticada

"Perdi o amor da minha vida, com quem estava...

A saúde mental da população negra importa! Por que ainda precisamos afirmar?

*Este artigo é uma produção do GT Racismo e...
spot_imgspot_img

Sobrecarga pode fazer com que mães solo enfrentem transtornos de saúde mental

"Eu sentia muita taquicardia e tinha medo de tudo. Me vinham aquelas crises e eu não conseguia entender o que era. Naquela época, saúde...

Depressão em idosos: por que doença ainda é difícil de ser diagnosticada

"Perdi o amor da minha vida, com quem estava há 45 anos." A aposentada paranaense Maria Helena Barroso, de 64 anos, relembra assim a morte...

Quem tem direito de sentir raiva?

A raiva, enquanto afeto humano, legítimo e saudável, é um tema que estou tentando colocar na sociedade brasileira, no debate público, mas encontro tantos...
-+=