“Uma educação guiada pelos direitos humanos promove relações de equidade”

Enviado por / FonteEcoa, por Carmen Lucia

O professor e antropólogo Kabengele Munanga foi o responsável pela última aula magna do Afro Presença, evento idealizado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e realizado pelo Pacto Global da ONU (Organização das Nações Unidas). Tratando sobre ações afirmativas na educação e no trabalho, ele iniciou sua fala citando o momento conturbado que o país vive com a pandemia da covid-19 e os conflitos políticos atuais.

“O tema que me foi proposto é de grande complexidade, é como se fosse uma casa enorme com grandes portas e saídas abertas. Tenho que escolher uma delas. No mundo globalizado, pelo capital transnacional, a tecnologia, a comunicação afasta e ao mesmo tempo marginaliza quem aqui não se ajusta. Por trás dessas reivindicações estaria a intenção de discutir a representação social da história. Em numerosos países, há muitos conflitos de raça, nacionalidade e etnia. O direito nacional democrático, como a forma política da sociedade marcada pela violência. É preciso descobrir até que ponto culturas e sociedades foram destruídas no processo que levaram a formação de estado nação. Os direitos humanos têm formas diferentes em diversas nações”.

O professor também citou quão urgente é o plano político reconhecer a importância da diversidade. Para ele, reconhecer a diversidade do povo pode proteger essas culturas. “Multiculturalismo é uma busca de integração. Sem o conhecimento das diversidades da cultura, cairemos no novo universalismo, e, sem isso, haverá uma guerra entre as culturas”, afirma.

Ao ser questionado sobre qual, então, seria o papel da educação para auxiliar no combate aos preconceitos que afastam a sociedade brasileira de respeitar a pluralidade cultural, Kabengele diz é preciso defender que a escola seja direcionada pelos direitos. “Este tipo de educação se articula de maneira cosmopolita, ou seja, aprecia a diversidade e é profundamente antirracista”, avalia.

De acordo com ele, apostar na racionalidade cosmopolita é não desperdiçar pessoas, conhecimentos e experiências. É intensificar a possibilidade da sociedade encontrar respostas harmoniosas no mundo. “De acordo com Paulo Freire, a ação educativa e o pensamento educativo devem constituir o ato de ação transformadora. Não separa a concepção humana de sua matriz, que é a terra e tudo que a compõe. Os estudos feministas e os estudos de relações raciais demonstraram como as mulheres e os negros foram naturalizados à exclusão. Uma educação guiada pelos direitos humanos promover relações de paridade e equidade entre o sexo e as raças”.

Kabengele finaliza com mais um pensamento de Paulo Freire, que diz que somos desafiados a reproduzir a pedagogia do oprimido. Somos levados a construir a pedagogia da diversidade, e, a partir dela, gerar uma hierarquia social, fundamentada no mérito. “Todos os países considerados desenvolvidos investiram massivamente em educação de qualidade. A questão é saber que tipo de educação o Brasil precisa desenvolver para sair desta situação. Uma educação, sobretudo cidadã, orientada na busca de conscientização, solidariedade, equidade que convide para um olhar crítico na construção de nossas individualidades e coletividades”.

+ sobre o tema

CEERT – Abertas inscrições para o 6º Prêmio Educar para a Igualdade

O prêmio é dividido em duas categorias: professor e...

Estude sua graduação no exterior – Nota da Educafro

POVO GUERREIRO! A nossa greve de fome em frente...

Câmara pode votar Plano Nacional de Educação em setembro

Os líderes de partidos na Câmara dos Deputados fizeram...

Primeira prova do Enem aborda racismo e sustentabilidade

Cerca de 280 mil estudantes do Paraná realizaram na...

para lembrar

Campanha Direitos valem mais, não aos cortes sociais

Mobilização propõe a realização de rodas de conversa em...

Kofi Annan, Nobel da Paz e ex-secretário geral da ONU, morre aos 80 anos

O ex-secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas) e...

Anistia Internacional quer comissão independente para caso Marielle

No dia em que faz oito meses dos assassinatos...

Brasil lidera ranking de países americanos que mais matam ativistas

Não podemos dizer que não somos líderes em alguma...
spot_imgspot_img

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Google celebra James Baldwin, escritor e ativista dos direitos civis

O Google está prestando uma homenagem a James Baldwin, renomado escritor e ativista dos direitos civis americanos, conhecido por suas obras literárias que abordam temas...

2ª Jornada Por Equidade Racial na Educação da UNEafro Brasil é realizada na Conferência Nacional de Educação

Entre os dias 28 e 31 de janeiro, a capital federal receberá a 2ª Jornada Por Equidade Racial na Educação, que tem como objetivo ampliar...
-+=