Unidade latino-americana sem negros não serve, por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva
Por que você me chutou? Pergunta Evra, lateral do Manchester United. Porque você é negro! Responde Luís Suarez, jogador do time adversário, o Liverpool, em partida do campeonato inglês, logo depois da Copa de 2010. A conversa prossegue ríspida e Evra ameaça agredir Suárez, caso ele continue chamando-o de negro. Suárez conclui irônico: eu não falo com negros!
A atitude racista do jogador uruguaio está detalhadamente registrada em 115 páginas de processo da Federação Inglesa de Futebol, nas quais ele alegou que chamou Evra de negro de maneira amigável e conciliatória. Como não se tratava de contexto latino-americano onde o racismo é tolerado e relativizado, onde a palavra racismo é eliminada do discurso, ao tempo em que se fortalecem e reinventam as práticas racistas, não colou. Suárez foi banido do futebol por oito jogos, multado em 40 mil euros, proibido de pronunciar a palavra negro no futuro.
Perdoem-me Mujica, Beatriz Ramirez, Elizabeth Soares, Romero Rodrigues, Mizangas, Mundo Afro, mas não há ufanismo latino-americano que desvie meu olhar de um jogador racista, mesmo que a imprensa queira imputar-lhe contornos épicos como artilheiro da brava Seleção Uruguaia. Aliás, como sabemos todos, a decantada unidade latino-americana pouco ou nada inclui os negros, seja nas obras dos grandes pensadores de América Latina, seja na atuação de ativistas políticos sensíveis ao genocídio indígena nas Américas, mas blindados quanto ao genocídio negro, de ontem e de hoje.
Luís Suarez é um racista desprezível, não posso vê-lo de outra forma. Por isso, entre e a Itália racista e o Uruguai de Suárez, sou Barwuah, o filho de migrantes ganenses que se fez Balotelli na terra de Mussolini.
* * * * * * *
 escritora, Cidinha da Silva mantém a coluna semanal Dublê de Ogum.
Leia também:

Racismo no Futebol – Suarez pede desculpa por chamar Evra de negro

Em reencontro, Suárez ignora aperto de mão e revolta Evra

Após polêmica, Suárez pode deixar o Liverpool

Francês Evra acusa uruguaio Suárez de racismo na Inglaterra

Cumplicidade: Jogadores acusados de racismo se cumprimentam com “piscadinha” em partida de futebol

O Racismo no futebol e a coragem de Evra

Contra racismo, federação inglesa quer dar lições culturais a jogadores estrangeiros

Grupo antirracismo critica apoio do Liverpool a Suárez

Suárez é punido com oito jogos de suspensão por racismo

Liverpool não vai recorrer de suspensão a Suárez por racismo

Federação expõe caso de racismo de Suárez no Inglês

+ sobre o tema

Série sobre Marielle: professor Silvio Almeida dá aula de racismo estrutural para Antonia Pellegrino

"Ao tomar consciência da dimensão estrutural do racismo, a...

Menor bom é menor preso?

  por Rodrigo Martins Nove em cada dez...

Governo Temer trava demarcações de áreas quilombolas

O governo Michel Temer mandou suspender as titulações de...

para lembrar

Tia Má é alvo de racismo nas redes sociais; MP-BA vai apurar o caso

A jornalista e digital influencer Maíra Azevedo, a "Tia...

Marco temporal é ‘arbitrário, restritivo e inconstitucional’

Arbitrário, restritivo e inconstitucional. É como o relatório da...

Em livro, Preta Ferreira tira o sono e convoca à luta

A ansiedade para ler "Minha carne: diário de uma prisão"...

Pai de aluna acusado de roubar o proprio carro na UFJF

Na noite de sexta‐feira, dia 02 de junho de...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=