Violação à intimidade: o gênero epistolar em A cor púrpura, de Alice Walker por: Waltecy Alves dos Santos

RESUMO:
Neste artigo propomo-nos refletir sobre a inserção do gênero epistolar no romance A cor púrpura, de Alice Walker, para compreendermos a importância funcional e estética do próprio discurso epistolar constitutivo desta obra literária, evidenciando as estratégias, as regras e os códigos intrínsecos ao seu sistema.

Palavras-chave: Alice Walker. Literatura e Identidade afro-americana. Gênero
epistolar. “Womanism”. Estudos femininos.

A escritora americana Alice Walker, filha de agricultores de ascendência africana, consagrou-se pela efetiva participação numa literatura que põe em evidência a condição da mulher negra. A cor púrpura (1982) é seu mais premiado e famoso romance. A narração ressalta a difícil experiência de vida de duas irmãs, Celie e Nettie, que vivenciam, por meio da escrita e leitura, a experiência de abarcar, por um lado, a intensa carga das relações humanas, pelo outro, a tensão entre o “interior” e o “exterior” dos indivíduos, em um mundo fundamentado na subjugação e na hierarquização. Por tratar-se de um romance de memórias registradas em cartas, o leitor é instigado a adentrar-se na intimidade de suas autoras. Cabe lembrar, também, que a narradora expõe a intenção de escrever cartas endereçadas para um destinatário extraordinário, Deus: “É melhor você não contar para ninguém, só para Deus. Isso mataria sua mamãe” (WALKER, 1986, p. 8).

Neste romance, realidade e ficção se mesclam e estão imbricadas na composição narrativa, uma vez que as biografias de Celie e Nettie, criações ficcionais, são pretextos que geram as cartas que materializam a obra. Em conversação retratada em uma das cartas, por exemplo, encontram-se Nettie, o missionário Samuel e um estudante de Harvard, chamado Edward, cujo sobrenome Samuel achava fosse “Duboyce” (WALKER, 1986, p.259). Não se trata de uma referência acidental. Com efeito, a ficção de Alice Walker invariavelmente mescla-se com a história real, pois tal personagem explicitamente é uma alusão a William Edward Burghardt (WEB) Dubois, ativista dos direitos civis, primeiro afro-americano a receber título de doutor (Ph.D) em Harvard. Outro personagem, o Sr. Tubman1, refere-se ao presidente da Libéria2 de 1944 a 1971. “Por alguma razão, eu não esperava ver gente branca na África, mas eles estão aqui aos montes. E nem todos são missionários. E o presidente cujo sobrenome é Tubman, tem alguns em seu gabinete. Ele tem também muitos homens negros com
jeito de branco no seu gabinete” (WALKER, 1986, p. 162).

Aqui, a literatura apresenta-se como uma leitura alternativa da História. Vejamos um exemplo em que se evidencia a recorrência ao historiador Joel Augustus Rogers feita pela personagem Nettie: “Apesar de ter havido uma época quando a civilização africana superava a da Europa (claro que não foram os ingleses que disseram isto; eu aprendi lendo um homem chamado J.A. Rogers)3, há vários séculos já que

eles estão passando por ‘tempos difíceis’ é uma expressão que os ingleses adoram usar, quando falam da África” (WALKER, 1986, p. 158). Assim, as fronteiras entre o imaginário e o real se desfazem ou se misturam.

Violação à intimidade: o gênero epistolar em A cor púrpura, de Alice Walker por: Waltecy Alves dos Santos
Violação à intimidade: o gênero epistolar em A cor púrpura, de Alice Walker por: Waltecy Alves dos Santos

O romance de Alice Walker nos remete ao percurso de Celie, menina negra de quatorze anos, que frequentemente é abusada sexualmente por um homem que imaginava ser o seu pai, mas que, no decorrer da trama, ela descobre tratar-se de um padrasto. A menina engravida e tem dois bebês, dos quais é afastada. A narrativa é composta, em sua quase totalidade, por meio das cartas que a jovem endereça a Deus e a Nettie, sua única irmã.

Querido Deus,
Eu tenho quatorze ano. Eu sou. Eu sempre fui uma boa menina. Quem sabe o
senhor pode dar um sinal preu saber o que tá acontecendo comigo.
Na primavera passada, depois que o nenê Lucious chegou, eu iscutei o barulho
deles. Ele tava puxando o braço dela. Ela falou, Inda é muito cedo, Fonso, eu
num tô bem. Até que ele deixou ela em paz. Uma semana depois, ele foi e puxou
o braço dela outra vez. Ela falou Não, eu num vou. Você não vê que já tô meia
morta, e todas essas criança (WALKER, 1986, p. 9).

 

Violacao-a-indimidade.pdf

 

 

+ sobre o tema

A cor do pecado: no século xix, a sensualidade da mulher negra

______________________   Resumo Esta pesquisa tem por objetivo principal analisar a presença...

Júlio Silva prepara sua aposentadoria jogando torneio de veteranos

Júlio Silva, tenista que está no circuito profissional...

A Mulher Negra Guerreira está morta…

Há poucas horas, enquanto lutava com a realidade de...

para lembrar

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

Museu Whitney recorre a acervo para contar história do ativismo nos EUA

Instituição em Nova York exibe obras sobre protestos raciais,...

Encontro discute direito de mulheres negras

Um Seminário ocorrido no Rio Grande do Sul, discutiu...

A presença de uma Juíza Negra no STF é uma questão de coerência, reparação histórica e justiça

A Constituição Federal, estabelece como objetivo da República Federativa...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=