Violência contra as mulheres: os serviços de responsabilização dos homens autores de violência

Realizada pela CEPIA, com o apoio da Fundação Ford. Essa pesquisa foi desenvolvida entre 2014 e 2015, período em que foi realizada pesquisa telefônica em todas as capitais brasileiras e 5 estudos de caso nas cidades de Rio de Janeiro, Caxias/RJ, Natal, Porto Alegre e São Paulo. Os resultados desse intenso trabalho contribuem para ampliar a reflexão sobre o estágio atual da implementação de recomendações contidas nos artigos 35 e 45 da Lei Maria da Penha, que tratam dos serviços de responsabilização para homens autores de violência doméstica e familiar contra as mulheres como ação que objetivava a mudança dos comportamentos violentos e prevenção de novas ocorrências.

Do Cepia 

Ao longo dos anos, diversas atividades de advocacy e de propostas de políticas públicas, incluindo campanhas voltadas para a denúncia e para a prevenção da violência de gêne- ro contra as mulheres têm sido promovidas por organizações e movimentos de mulhe- res, bem como por organismos governamentais e internacionais. Mais recentemente, a campanha de ONU Mulheres voltou-se para ampliar o campo de defesa do direito das mulheres a uma vida livre de violência, acenando para a importância do envolvimento dos homens nos esforços de mudança de mentalidades de forma a superar os padrões de dominação subjacentes à violência de gênero. Nessa interlocução com os homens, cabe assinalar, também, a promoção de debates sobre as formas de responsabilização dos homens autores de violência promovidos por organizações que trabalham espe- cificamente com esse público, bem como a produção de estudos e pesquisas sobre a construção social da masculinidade atrelada ao exercício do domínio sobre a mulher.

O trabalho com homens autores de violência é, entretanto, tema bastante polêmico, com a discussão polarizada no senso comum entre “contra” e “a favor”, com críticas e defesas sobre a eficácia desses serviços.

Ao desenvolver essa pesquisa, sintetizada nesse Relatório, a CEPIA assumiu o desafio de conhecer esses serviços voltados para a responsabilização dos homens autores de vio- lência de forma a contribuir para o debate sobre essa questão, ainda controverso nos movimentos feministas, e apresentar subsídios para políticas públicas voltadas para a prevenção da violência de gênero.

Leia o PDF completo:

Violência contra as mulheres: os serviços de responsabilização dos homens autores de violência

+ sobre o tema

Candidato a vereador em Natal ameaça feministas em sua campanha

O candidato a vereador Jaufran Siqueira, do Partido da...

Como é ser um gay negro que só saiu com brancos

Enquanto eu rapidamente me aproximo do meu 25° aniversário,...

Dados alarmantes sobre a situação da mulher

Na última sexta-feira (4), em um encontro promovido pela...

para lembrar

Preconceito com menstruação ameaça trabalho e saúde de mulheres na Índia

Medicamentos perigosos e cirurgia para remoção do útero estão...

I Diálogo Nacional sobre Violência Doméstica

Todos os 31 projetos selecionados no XIX Concurso de...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...
-+=