Viúva de Marielle Franco abre Parada LGBT com discurso poderoso

Enviado por / FonteDo Catraca Livre

A organização da 22ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo já tinha deixado claro: eleições, e, consequentemente, a representatividade de LGBTs na política, é o tema a ser debatido na edição deste ano.

Assim, nada mais acertado do que chamar para discursar na abertura Mônica Benício, viúva da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), assassinada em 14 de março deste ano.

 

Marielle  virou símbolo de representatividade na política, e Mônica fez questão de lembrar tudo isso à multidão que a aplaudia. “Marielle é uma mulher negra, favelada , lésbica e foi assassinada sobretudo porque ela representava e carregava no corpo todas as pautas que defendia, todas as bandeiras dos direitos humanos. Por nenhuma Marielle a mais! Nossas vidas importam, e a gente vai seguir na luta”, afirmou.

Mônica também lembrou que a parada é mais do que uma festa. “É importante que a gente diga que, embora tenha cara de festa, isso aqui é um ato político, isso aqui é um ato de resistência. O Brasil é um dos países que mais mata sua população LGBT, a gente não pode assumir isso, deixar que isso continue. Nosso corpo é resistência política”.

A arquiteta também falou sobre a necessidade de consciência política, de consciência de cidadão, ao citar as eleições que acontecerão em outubro. “É importante que a gente vote com consciência e coloque pessoas que nos representem de fato porque senão vão continuar nos matando. A gente tem de vir pra rua para fazer festa, mas a gente tem que vir pra rua também para fazer revolução.”

Além de Mônica, subiram ao trio para discursar políticos com a pré-candidata à Presidência Manuela D’Avila (PCdoB) e o prefeito Bruno Covas (PSDB-SP), que foi vaiado durante toda a sua fala. “O meu compromisso é que no meu governo não vamos admitir preconceito na cidade de São Paulo”, afirmou Covas. No ano passado, o então prefeito João Doria (PSDB-SP) não compareceu ao evento.

+ sobre o tema

Félix, Carrasco e cenas pedagógicas da novela das nove, por Cidinha da Silva

Na primeira cena, Niko, personagem gay, doce, honesto, ético,...

A cada quatro homens gays, três sofrem algum tipo de violência

Será realizada neste domingo (4) a 18ª edição da...

Juiz multa churrascaria por discriminar gays

O juiz Celyrio Adamastor Tenório Accioly multou uma churrascaria,...

Mãe sempre sabe?

Mãe sempre sabe?

para lembrar

396 mortes pela PM paulista: as histórias por trás dos BOs

Foram seis meses de pedidos pela Lei de Acesso...

Feira ‘Encrespa Geral’ deixa BH (ainda mais) linda e empoderada

Música, palestras e atividades 0800 agitam a programação da...

Rafael Braga é preso com novo flagrante forjado, diz advogado

Segundo advogado e uma testemunha, jovem negro foi preso...

Adélia Sampaio: primeira negra a dirigir um longa-metragem no Brasil

Por Guilherme Prado e Catarina Pignato, do Nexo  Mais de...
spot_imgspot_img

Ex-policiais britânicos são condenados por mensagens racistas sobre Meghan e membros da realeza

Seis ex-policiais de Londres foram condenados nesta quinta-feira (7) a penas de prisão, suspensas, por compartilharem mensagens ofensivas e racistas no WhatsApp, incluindo com...

Sem horizonte para ter uma mulher negra como ministra no STF

Esta semana, voltou à tona, com toda força, o debate sobre a ausência de indicação de uma ministra negra no STF (Supremo Tribunal Federal). O anúncio...

O preço de pegar a contramão da história

O Brasil não é um país de iguais. Aqui tem pacto da branquitude, privilégio branco, colorismo, racismo, machismo e meritocracia aplicada de maneira assimétrica. Tudo...
-+=