A carne mais barata do mercado não será mais a carne negra

Não fossem as câmeras de segurança, caso de estrangulamento do Extra seria mais um para dentro da gaveta e do esquecimento

Por Jefferson Barbosa, Raull Santiago e Wesley Teixeira, da Carta Capital 

Foto: Bento Fabio \ Coletivo Papo Reto

 

Pedro Gonzaga, infelizmente, não foi o primeiro e nem será o último.

Enquanto as estruturas da nossa sociedade forem constituídas no racismo, casos como o de Pedro, jovem negro estrangulado até a morte pelo segurança do hipermercado Extra, irão se repetir.

O que nos cabe é constranger, denunciar a política de morte da qual não apenas o Estado, mas também a sociedade, as empresas vêm sendo cúmplice. O mata-leão que o segurança aplicou sem humanidade naquele corpo também teve as mãos de quem assiste ao vídeo e não se escandaliza.

Não vamos deixar de nos indignar. Silenciar também é uma forma de nos matar.

Para intensificar essa reação, pessoas de diferentes cantos do país se manifestaram em frente ao Extra de suas cidades no último domingo. A câmera revela uma ação absolutamente desnecessária por parte do segurança com a conivência de muitos a seu redor. Nada justifica aquilo. Nada. Ainda que Pedro tivesse ali roubado algum produto, nada justifica.

Mais grave ainda é a descoberta que sequer o segurança estava apto para o cargo, tendo em vista sua anterior condenação transitada em julgado. A rede de supermercados Extra, pertencente ao grupo Pão de Açúcar, bem como a empresa de segurança terceirizada Groupe Protection falharam em todos os níveis no treinamento e contratação, sendo diretamente responsáveis pelo acontecimento.

Quanto vale a vida? Inversão de valores é a vida de um jovem valer menos que uma mercadoria.

Nesse sentido, entre tantas medidas necessárias para o caso, uma delas certamente é uma polpuda indenização para a família do jovem pagas de forma autônoma por cada uma das empresas envolvidas.

Vale lembrar que apenas 4% dos homicídios são elucidados e não fosse uma câmera ali, o assassinato de Pedro Gonzaga seria apenas mais um caso para dentro da gaveta, com grandes mentiras contadas para relativizar e justificar o injustificável.

Pedro Gonzaga tinha 19 anos e um filho, deixa uma mãe órfã e uma oportunidade de mais uma vez refletirmos sobre a sociedade que estamos construindo.

Nesse país onde infelizmente justificativas mentirosas de assassinatos de jovens negros são comuns, lutamos para que não seja mais. O excesso de força assim como as medidas segurança pública só vem provocando morte e a cada 23 minutos um jovem negro é morto no Brasil. Isso tem que parar.

Conforme Elza Soares bradou há poucos dias em suas redes sociais, a carne mais barata do mercado não será mais a carne negra.

 

 

 

Leia Também:

Extra, Estado, Sociedade e a orientação para matar negros

+ sobre o tema

Para produtores e diretores negros, fazer cinema no Brasil ainda é ‘uma guerra’

Exemplo do problema é personificado em Viviane Ferreira, segunda...

Delegado aposentado é preso suspeito de racismo religioso no Rio

Ele teria feito comentários desrespeitosos contra uma mulher muçulmana...

‘Dicionário das Relações Étnico-Raciais Contemporâneas’ convida ao aprendizado

A dimensão étnico-racial vem ocupando lugar essencial para a...

para lembrar

Grupo protesta contra racismo e genocídio negro em Salvador

Manifestantes se reúnem no Centro de Salvador, na manhã...

“Em Espanha, negro e champanhe não combinam”

O antigo internacional francês, Marcel Desailly criticou os recentes...

Protesto encontra shopping fechado; movimento negro vai à polícia e acusa JK de racismo

Movimento negro faz B.O. contra ‘racismo’ de Shopping JK...
spot_imgspot_img

Ronilso Pacheco: Ninguém está seguro no Rio de Janeiro se é negro

A fala do governador Cláudio Castro (PL) em defesa de policiais que apontaram uma arma para três jovens filhos de diplomatas em Ipanema, região...

Justiça absolve policiais pela morte do adolescente João Pedro

A juíza Juliana Bessa Ferraz Krykhtine absolveu sumariamente os 3 policiais da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) pela morte do adolescente João Pedro, há 4 anos, em São Gonçalo....

Três meninos no portão

Em 2022, o Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC) refez a pesquisa “Elemento suspeito”, feita pela primeira vez em 2003, com dados...
-+=