A polícia privada que guarda as vidraças do Carrefour

Para o pescoço esmagado pelo joelho do agente fardado por longos quatro minutos, que diferença faz se o uniforme é policial ou privado? João Alberto não foi apenas morto por ser negro. João Alberto foi morto porque, sendo negro, a sua carne é, para seus algozes privados, a mercadoria mais barata na gôndola.

Sem desmantelar o capitalismo policial por trás do racismo, vidas negras continuarão a ser alvejadas por algozes particulares, protegidos por trás de vidraças que ofuscam, mas não eliminam a distinção entre humanidade e barbárie.

Há no Brasil um exército de 1 milhão de vigilantes aptos a trabalhar, 51% deles formalmente inativos, segundo Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2020. Inativo não significa inoperante. O setor de segurança privada é marcado por trabalhos informais (“bicos”), tolerados, mas não permitidos por lei para policiais, oficiais ou praças.

Regulado pela portaria 3233/2012 da Polícia Federal, o controle sobre o setor é pífio. O Congresso dorme por uma década em cima de uma lei sobre o tema. Órgãos de fiscalização, como o MPF, poderiam fazer muito mais do que fazem.

Não é à toa que uma enxurrada de denúncias de mortes, torturas e discriminação emerge contra agentes privados em supermercados, shoppings e afins. O Grupo Vector, responsável pela segurança do Carrefour onde João Alberto foi morto, possui como sócios três policiais. São policiais privados que navegam entre as zonas do legal e ilegal, do privado e do público. E não é de hoje. Policiamento privado e público se misturam a ponto de se confundirem na história brasileira. A gênese da polícia no país, no século 19, se confunde com a proteção da propriedade da coroa portuguesa e o controle de escravos fugitivos. A história que se segue é de uma polícia cada vez mais profissionalizada, mas nunca distante dos interesses de elites e de seus carrascos privados.

À medida que o espaço público, num capitalismo policial, é essencialmente de “propriedades privadas de massa”, a distinção entre farda e uniforme privado se dissolve. A quantidade de vigilantes privados não flutuou de acordo com o aumento da violência, como poderia presumir o senso comum, mas, sim, com o aumento do PIB. Ou seja, mais riqueza, mais controle.

Quando entramos no supermercado, adentramos numa esfera onde polícias privadas nos veem, negros, como ameaças. Vidraças são o portal que separam, de um lado, o espaço público, dos cidadãos, e, de outro, o privado, dos consumidores. Negros são estranhos aos dois mundos. Uma viagem a um supermercado é um teletransporte para um mundo onde as máscaras de uma polícia estatal, profissional e cidadã se dissolvem e o que resta é o nu e cru exército privado que protege as vidraças e os consumidores.

É difícil brancos entenderem o que houve com José Alberto para além da violência brutal, porque para eles a distinção entre espaços públicos e privados é ininteligível: como brancos, estão acostumados a transitar com facilidade entre o privado e o público, em ambos vistos a priori como consumidores-cidadãos, ao passo que negros são vistos, no público, como cidadãos incompletos, a quem garantias legais não se aplicam e, no privado, como consumidores suspeitos cuja carne é barata e a dor gratuita.

Choram pelas vidraças porque elas representam o mundo que separa nós e eles, consumidores e vândalos. É essa distinção, racializada, que queremos destruir, não as vidraças. Antirracismo sem questionar capitalismo policial é uma vidraça, transparente para uns, pela desigualdade que evidencia, mas sagrada e opaca para outros, por encastelar as ilusões de que vivemos num mundo igual.

Thiago Amparo
Advogado, é professor de direito internacional e direitos humanos na FGV Direito SP. Doutor pela Central European University (Budapeste), escreve sobre direitos e discriminação.
Fonte: Por Thiago Amparo, da Folha de S.Paulo

+ sobre o tema

Namorado da cantora Lorde é alvo de racismo na web

Fãs de Justin Bieber e One Direction xingam o...

Mãe luta para salvar vida de filho baleado por policiais

Fausto Salvadori Filho Valter de Assis perdeu o reto e...

Marca chinesa pede desculpa por anúncio em que branqueou homem negro

Fabricante foi obrigado a pedir desculpas por vídeo em...

para lembrar

Um samba de cor e de protesto

"Eu aprendi o português, a língua do opressor /...

Recusa a ver ‘Olhos que Condenam’ pode ser um ato revolucionário

Narrativas exclusivamente dolorosas podem ser, na verdade, alienantes por Dodô...

Judith Butler: Quem são os eleitores de Trump?

Quem são essas pessoas que votaram em Trump, mas...

Mães de Maio e de Secundaristas se unem para denunciar abusos policiais

Articulação ocorreu participam no lançamento de livro sobre os...
spot_imgspot_img

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...

Não há extrema direita moderada

O que faz de nós brasileiros é a implacável capacidade de banalizar barbaridades. O esporte nacional neste país é justificar com voz mansa e...

Ronilso Pacheco: Ninguém está seguro no Rio de Janeiro se é negro

A fala do governador Cláudio Castro (PL) em defesa de policiais que apontaram uma arma para três jovens filhos de diplomatas em Ipanema, região...
-+=