A presença colorida do feminismo negro

Com rodas de samba, saraus, plenárias e manifestações, pretas costuram amplas alianças e, recordando Zumbi e Lélia Gonzalez, preparam-se para desaguar sua força em Brasília

Por Inês Castilho | Imagem: Larissa Isis, do Outras Palavras

“Estamos em marcha!”

Com esse grito de guerra, milhares de mulheres negras brasileiras realizarão no dia 18 de novembro, em Brasília, a “Marcha das Mulheres Negras –e Contra o Racismo, a Violência e Pelo Bem Viver”.

Passados vinte anos do reconhecimento oficial de Zumbi, que originou a comemoração de 20 de novembro, e da morte de Lélia Gonzalez,  teórica pioneira do feminismo negro, as pretas retomam em 2015 a ação política nas ruas.

Com sua presença marcante, demandam o empoderamento político da mulher negra, o fim do machismo, do racismo e da discriminação racial, da lesbofobia, bifobia e transfobia, e do preconceito e discriminação de qualquer natureza. Colocam-se contra a intolerância religiosa, pelo respeito e preservação das religiões de matrizes africanas e pelo reconhecimento e preservação dos saberes materiais e imateriais da população negra (cultura, tecnologia, arquitetura, culinária etc.). E levantam-se em defesa da democracia no país.

“O recrudescimento do racismo e o modelo de desenvolvimento social e econômico no Brasil impactam profundamente o extermínio de jovens e as mortes evitáveis de mulheres (por doenças tratáveis, falta de acesso a condições dignas de vida e violência)”– afirmam em seu Manifesto.

Com o lema “Nossos passos vêm de longe. Uma sobe e puxa a outra”, diferentes organizações formaram o Núcleo Impulsor do estado de São Paulo, espaço autônomo para articulação da Marcha no estado. Foi uma longa construção das mulheres dentro do movimento negro, do feminismo, do movimento de mulheres LGBT.

“O que construímos ao longo desse período não acaba lá. Nós, pretas ainda mal começamos a ocupar os nossos espaços. Enegrecemos o 8 de março, um momento político de reafirmação nossa de que a representatividade importa sim e nós temos muito a falar sobre feminismo, racismo e política no geral”, afirmam.

“Foram rodas de samba, foram plenárias, foram festas. Todas as intervenções culminando com o escrito das mulheres pretas de São Paulo dizendo o que reivindicam do poder público na Carta de Princípios – afirmam.

Nesse processo de construção, ocuparam o 25 de julho, Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha.

“A construção do Julho das Pretas com rodas de conversas, seminários, debates e muita música refletiu justamente este fazer político de ocupar os lugares que normalmente nos são negados.”

Entre as entidades que vêm compondo o Núcleo Impulsor do Estado de São Paulo e construíram juntas o Manifesto estão: CONEN/Unegro/APNs/Sindsep/Marcha Mundial de Mulheres/Geledés – Instituto da Mulher Negra/Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT)/ PSOL/Movimento Sem Terra de Luta (MSTL)/ Central de Movimentos Populares (CMP)/ Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB)/ UneAfro/ Zulu Nation BR/Coletivo Quilombação/Associação Afrika/ Frida Khalo/Unicab/ Articulação de ONGs de Mulheres Negras Brasileiras(AMNB) /Juntos!/ AMB/ Levante Popular da Juventude/ Negro Sim/ Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial-SP/Associação Baobá de Canto Coral e mais uma série de entidades e mulheres negras autônomas.

+ sobre o tema

Su poesía llama la atención a todos los hombres negros que odian a las mujeres negras

¡Todas las mujeres merecen respeto! Crystal Valentine y Aaliyah Jihad...

Quase 50 anos depois, clássico da literatura negra chegará ao Brasil

Clássico da literatura negra chegará ao Brasil: chegará às...

Grace Passô, a melhor atriz do Brasil

Apesar de desconhecida pelo grande público, ela é incensada...

Rebeca Andrade fica em 5º lugar no solo com Baile de Favela nas Olimpíadas

Um passo. Foi isso que separou Rebeca Andrade de...

para lembrar

Lesbofobia e mulheres negras

Tudo que nos coloca fora do duvidoso padrão vigente...

Cem entidades denunciam Brasil na ONU por morte de Marielle Franco

Mais de cem ONGs e entidades internacionais se unem para denunciar...

Políticas de promoção da igualdade racial – 1986 a 2010 de autoria de Matilde Ribeiro

A editora Garamond lançou no dia 01/12/2014 o livro...

“Quando a vida das mulheres negras começar a ganhar importância, o mundo será transformado”

Duas semanas passaram-se da morte da deputada Marielle Franco...
spot_imgspot_img

Fernanda Melchionna lança seu primeiro livro em Cachoeirinha neste domingo; “Tudo isso é feminismo?”

“Tudo isso é feminismo?” – uma visão sobre histórias, lutas e mulheres” marca a estreia de Fernanda Melchionna, no universo do livro. A bibliotecária...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Geledés participa do Fórum do Feminismo Negro

O Fórum Global de Feminismos Negros 2024 está ocorrendo entre os dias 04 a 07 de fevereiro, em Bridgetown, Barbados. Sob o tema “Para...
-+=