A supermodelo Malaika Firth quer ‘ignorar’ o racismo no mundo da moda

Malaika Firth, 20 anos, é uma das poucos modelos negras a ter tido sucesso enorme na moda, um setor notório pela falta de diversidade.

Assim sendo, não seria descabido imaginar que ela, a primeira modelo negra em quase 20 anos a ser escolhida para estrelar uma campanha da Prada, entenderia o valor da posição elevada que alcançou e a aproveitaria para combater o desequilíbrio racial na moda.

Lamentavelmente, não foi o que aconteceu. Em entrevista recente ao jornal britânico The Telegraph, a beldade nascida no Quênia mas criada em Londres soltou alguns comentários insensíveis sobre o racismo na moda:

“A falta de diversidade racial é um problema grande no mundo das modelos, mas procuro ignorá-lo. Se você ficar falando disso, convertendo isso em um problema, vai continuar sempre presente. Acho que muita gente da minha idade não enxerga o racismo. Se pudermos continuar tentando fazer o que é melhor para nós, só isso, acho que estará tudo bem.”

Como é mesmo aquele ditado? “A felicidade está na ignorância”, ou seja, em não saber ou não querer saber. Parece ser esse o caminho que Malaika Firth está seguindo, apesar de suas contemporâneas – como Jourdan Dunn, Chanel Iman e Joan Smalls – aproveitarem sua condição de supermodelos para se manifestarem contra a falta de diversidade.

Beverly Johnson, a primeira mulher negra a sair na capa da Vogue americana, também não se cala sobre o assunto. Ela, que é ícone da moda, conversou com The Daily Beast sobre o novo contrato histórico de Rihanna com a Christian Dior e sobre a situação geral do mundo das modelos.

“Infelizmente”, ela disse ao site, “o racismo ainda faz parte da conversa, e a moda não difere de qualquer outro setor. Se quisermos avançar, isso precisa mudar. Não queremos retroceder. Vivemos em um mundo diversificado. Se você não participa nesse nível, você não faz parte do mundo. As pessoas precisam enxergar as pessoas como gente.”

+ sobre o tema

para lembrar

Técnico provoca polêmica ao falar de ‘típico jogador africano’

O técnico do Bordeaux, Willy Sagnol, provocou polêmica nesta...

Cuiabá: O Racismo que ninguém vê

Fonte: Grupo de União e Consciência Negra Por...
spot_imgspot_img

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...

‘A escola precisa naturalizar a cultura negra’, diz autor de ‘O Avesso da Pele’ que estará no Festival LED

Autor de “O Avesso da pele” e um dos convidados do Festival LED, nos dias 21 e 22 deste mês, Jeferson Tenório lembra com...
-+=