A supermodelo Malaika Firth quer ‘ignorar’ o racismo no mundo da moda

Malaika Firth, 20 anos, é uma das poucos modelos negras a ter tido sucesso enorme na moda, um setor notório pela falta de diversidade.

Assim sendo, não seria descabido imaginar que ela, a primeira modelo negra em quase 20 anos a ser escolhida para estrelar uma campanha da Prada, entenderia o valor da posição elevada que alcançou e a aproveitaria para combater o desequilíbrio racial na moda.

Lamentavelmente, não foi o que aconteceu. Em entrevista recente ao jornal britânico The Telegraph, a beldade nascida no Quênia mas criada em Londres soltou alguns comentários insensíveis sobre o racismo na moda:

“A falta de diversidade racial é um problema grande no mundo das modelos, mas procuro ignorá-lo. Se você ficar falando disso, convertendo isso em um problema, vai continuar sempre presente. Acho que muita gente da minha idade não enxerga o racismo. Se pudermos continuar tentando fazer o que é melhor para nós, só isso, acho que estará tudo bem.”

Como é mesmo aquele ditado? “A felicidade está na ignorância”, ou seja, em não saber ou não querer saber. Parece ser esse o caminho que Malaika Firth está seguindo, apesar de suas contemporâneas – como Jourdan Dunn, Chanel Iman e Joan Smalls – aproveitarem sua condição de supermodelos para se manifestarem contra a falta de diversidade.

Beverly Johnson, a primeira mulher negra a sair na capa da Vogue americana, também não se cala sobre o assunto. Ela, que é ícone da moda, conversou com The Daily Beast sobre o novo contrato histórico de Rihanna com a Christian Dior e sobre a situação geral do mundo das modelos.

“Infelizmente”, ela disse ao site, “o racismo ainda faz parte da conversa, e a moda não difere de qualquer outro setor. Se quisermos avançar, isso precisa mudar. Não queremos retroceder. Vivemos em um mundo diversificado. Se você não participa nesse nível, você não faz parte do mundo. As pessoas precisam enxergar as pessoas como gente.”

+ sobre o tema

O preço de pegar a contramão da história

O Brasil não é um país de iguais. Aqui...

Longa vida aos pesquisadores negros

Seguindo uma tradição que vem desde 1980, lideranças e...

Cerca de 11 mil brasileiros morreram de HIV em 2022; negros são quase o dobro de brancos

Quase 11 mil brasileiros morreram no ano passado tendo...

Longevidade para poucos

A expectativa de vida de brasileiras e brasileiros voltou...

para lembrar

Mais de 70% das trabalhadoras domésticas brasileiras não têm carteira assinada

BRASÍLIA – Mais de 70% das trabalhadoras domésticas brasileiras...

O mês das mulheres negras latino americanas e caribenhas

O mês em que é comemorado o Dia Internacional...

Luislinda, a Iansã de toga – Por: Fernanda Pompeu

A cena poderia ter saído da cabeça de um...
spot_imgspot_img

O preço de pegar a contramão da história

O Brasil não é um país de iguais. Aqui tem pacto da branquitude, privilégio branco, colorismo, racismo, machismo e meritocracia aplicada de maneira assimétrica. Tudo...

Direitos das mulheres afrodescendentes são reforçados na COP 28 por Geledés

No primeiro dia de participação de Geledés – Instituto da Mulher Negra na conferência do clima da Organização das Nações Unidas (ONU), a COP...

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é maior em mulheres negras do que brancas, de acordo com levantamento do Ministério da Saúde. Dados preliminares...
-+=