Ação de “justiceiros” é reprovada por 79% no Rio

 

 

 

A ampla maioria dos cariocas reprova a atitude de moradores de classe média do Flamengo (zona sul) que espancaram e amarraram a um poste um jovem suspeito de praticar roubos no bairro.

O repúdio à ação dos chamados “justiceiros”, que ainda deixaram o acusado nu na rua, chega a 79%, aponta pesquisa Datafolha. Outros 17% disseram aprovar a ação, e 5% não responderam.

A pesquisa mostra que o apoio à atitude dos moradores é maior entre os mais ricos e escolarizados.

Na faixa com ensino superior, 20% dos cariocas dizem aprovar a ação de quem espancou e amarrou o jovem suspeito. Entre os entrevistados com renda familiar acima de dez salários mínimos (R$ 7.240,00), o índice sobe para 24%.

 

BRANCOS E NEGROS

A pesquisa também revela diferença de opinião conforme a cor da pele dos entrevistados. Entre os negros, o apoio à ação dos moradores do Flamengo é de 12%. Entre os brancos, sobe para 21%.

O jovem espancado era negro. Os suspeitos de agredi-lo já identificados são brancos e de classe média.

O episódio ocorreu no último dia 31. A polícia chegou a deter 14 suspeitos de participar da agressão, mas todos foram liberados após assinar um termo na delegacia.

Na quarta-feira passada, dois suspeitos foram reconhecidos por jovens amigos da vítima, que não identificou nenhum agressor.

A pesquisa mostra que a grande maioria (83%) dos cariocas tomou conhecimento do caso, que foi amplamente noticiado na mídia carioca.
trava de bicicleta

O jovem suspeito de praticar roubos no Flamengo foi espancado e teve parte de uma orelha arrancada.

Os agressores usaram uma tranca de bicicleta para prendê-lo ao poste pelo pescoço. Os bombeiros precisaram de um maçarico para libertá-lo.

O caso ganhou repercussão quando a artista plástica Yvonne Bezerra de Mello, diretora de uma ONG que atende crianças e adolescente pobres, socorreu o jovem e publicou uma foto no Facebook.

Ela disse ter cometido um ato humanitário e relatou ter recebido ameaças anônimas de pessoas que a acusaram de “defender bandidos”.

 

 

Fonte: Folha de São Paulo

 

Os justiceiros do Flamengo e a jovem negra que protegeu um neonazi de ser espancado pela turba

“Justiceiros” que amarraram jovem em poste têm longa ficha criminal

“Grupos de justiceiros tem a missão de limpar a região dos gays e dos negros”

Jovem preso a poste por ‘justiceiros’ perambula há dois anos pelas ruas do Rio

 

 

+ sobre o tema

Imprensa grega liga atleta expulsa por racismo a partido neonazista

  Expulsa da Olimpíada de Londres depois de...

Cantora Paula Lima é alvo de novo ataque racista, mas avisa: “Isso é crime e vou até o final”

“Como negra, eu enfrento isso e sempre enfrentei”, disse...

Onana, do Ajax, sobre racismo: “Acham que goleiro negro não é confiável”

A campanha que levou o Ajax às semifinais da...

Mercado imobiliário dos EUA revela piora na desigualdade racial em uma década; entenda

Sharan White-Jenkins é uma mulher negra, proprietária de um...

para lembrar

Aquilombar é ocupar

Durante o mês de novembro haverá a Marcha da...

Jogo do Privilégio

Por meio de um simples jogo o Instituto Identidade...

Negro demais para os brancos; branco demais para os negros

Certa vez assistindo uma entrevista com a atriz e...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=