Alerta máximo na educação: o que há por trás da violência nas escolas?

A cada noticiário de violência que tem como cenário a escola, a sala de aula, é como se a sociedade, como que numa amnésia coletiva, passasse a ver o fato como episódio novo isolado, uma excepcionalidade desconectada de um contexto sócio político em uma realidade a qual muitos demonstram a mais completa alienação. Logo aparecem as justificativas nos campos moral, religioso (em perspectiva da crença hegemônica), psicológicas com esvaziamento de conceitos e, mais uma vez, se perde a chance de colocar na agenda nacional pautas importantes e urgentes, como educação antirracista e enfrentamento à cultura dos ódios plantados nos últimos anos como parte do projeto de poder que a extrema direita, tanto a nível internacional como nacional, tenta emplacar. 

Para profissionais da educação que tem no cotidiano os “pés no chão da escola” essa violência anunciada como fenômeno não é uma novidade, ao contrário, é o auge de um processo que vem se desencadeando há pelo menos uma década e se associa ao movimento político que insuflou determinados estratos da sociedade, em especial a classe média, a levantar bandeiras moralizantes e descoladas da estrutura desigual e racializada, que nos constitui como nação. Os brasileiros indignados com a corrupção em 2014 passaram a ver políticas públicas de distribuição de renda e inclusão social como gastos desnecessários reivindicando até mesmo a privatização de serviços públicos lidos como precários e dispendiosos. Para esta parcela da sociedade inebriada com o discurso neoliberal meritocrático “o povo que se exploda” tornou-se a máxima e, nessa direção do ódio de classe, o ódio racial, ganhou mais intensidade, afinal pobres são quase todos pretos.

O discurso político que, em 2018, produziu o resultado eleitoral desastroso chegara à escola como rastilho de pólvora colocando na mesma bandeja culto às armas, fanatismo religioso, negacionismo, relativização do racismo e do machismo que matam, desvalorização da atividade docente, uma vez que professores passaram a ser vistos como meros doutrinadores enquanto figuras da internet, youtubers, sem nenhuma formação, passaram a ser aclamados como portadores do substrato da verdade. Famílias tornaram estudantes seus agentes numa patrulha ideológica implacável, arbitrando no fazer pedagógico, determinando a retirada de materiais didáticos considerados “ideológicos”, realizando o caça às bruxas aos professores e professoras identificados como “esquerdistas”.

 Profissionais que não prescindem de elementos como leitura da realidade social e criticidade na análise dos conteúdos sofreram, nas escolas privadas, a perseguição das famílias bolsonaristas levando a demissões e campanhas odiosas para que não se recolocassem no mercado de trabalho. Na rede pública, onde a maioria dos estudantes são negros e periféricos, portanto alvo das violências, foi feita uma lavagem cerebral eficiente ao ponto de tais sujeitos serem convencidos a não ceder a um vitimismo e a combater discursos de professores de Humanas que, supostamente, os colocavam nesse lugar. 

Se me permitem um relato pessoal, no fatídico 2018, numa aula com a temática nazifascismo um aluno negro, trabalhador sub-remunerado de um mercado no bairro em que mora, evangélico, levantou-se e, diante de todos, disse que não iria à escola para ouvir mentiras num livro didático “provavelmente escrito por um petista” proferidas por uma professora esquerdista e abandonou a sala. Semanas antes este mesmo aluno fez uma defesa do proprietário do mercado endossando o discurso de que “era muito difícil ser patrão neste país” e que achava o salário-mínimo um valor alto demais para um empreendedor pagar aos funcionários. Desde então parte da minha esperança em relação à educação se esvaiu. Os alvos do discurso de ódio tendo na escola pública um espelho quebrado.

A banalidade do mal, conceito desenvolvido pela filósofa e teórica judaico-alemã Hannah Arendt segue de mãos dadas com a necropolítica, conceito cunhado pelo filósofo, teórico político, historiador e intelectual camaronês Achille Mbembe. Nessa lógica o “deixar morrer” não é apenas aceitável como naturalizado. Porém não para todos os corpos. O corpo “matável” é aquele que está em risco de morte a todo instante devido ao critério definidor primordial da raça. Como vivemos uma época de normalização de comportamentos antiéticos, a junção desses conceitos produz uma fórmula altamente violenta e esta violência encontra nos jovens e adolescentes, expostos a conteúdos nefastos das profundezas do mundo virtual, a dark web, seus agentes e principais vítimas. 

Quem será por nós, da educação? Quantas tragédias teremos que assistir para que a sociedade compreenda que erva daninha não pode encontrar solo fértil? Quantos corpos sairão sem vida da escola, espaço que deveria ter, justamente, na vida sua principal bandeira? E quanto ao antirracismo, o que falta para que se transforme no eixo central da Educação?

Perguntas de uma professora preta, das humanidades e com medo, muito medo.


*Joselice Souza é professora da Educação Básica ( Sec-BA) e do Ensino Superior atuando nas rede pública e privada em Feira de Santana-Ba, Mestra em Educação ( PPGE-UEFS), militante feminista antirracista. (@profjosisouza ).

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

para lembrar

Uma carta de amor às mulheres negras

Em 30 de outubro de 1970 uma jovem negra,...

Arrimo

Arrimo. Repete essa palavra, experimenta as silabas saindo uma...

Um convite especial: vamos à Bienal do Livro da Bahia?

Desde que publiquei meu primeiro livro, o Negra Sou, finalista do Prêmio Jabuti 2020, as minhas lembranças junto às bienais do livro têm ganho...

Refletindo sobre a Cidadania em um Estado de Direitos Abusivos

Em um momento em que nos vemos confrontados com atos de violência policial chocantes e sua não punição, como nos recentes casos de abuso...

Competência Feminina Negra diante de Chefes e Colegas de Trabalho Negros: Desafios e Reflexões

Hoje, mês da consciência negra, não focalizaremos no racismo perpetrado pelos brancos, mas sim direcionaremos nossa atenção para nós mesmos. Vamos discutir as novas...
-+=