Em terra de “Delírios Comunistas” Quem continua Gozando de todos os Privilégios é a Branquitude

A pandemia causada pelo novo coronavírus (eufemismo de “gripezinha”) foi capaz de descortinar e jogar luz para todas as desigualdades do Brasil e do mundo. Não nos esqueçamos que tais questões sociais já são ecoadas há séculos pelos movimentos sociais, sendo as mulheres negras protagonistas na luta por uma sociedade mais justa e equânime.

O vírus atravessou fronteiras e aterrissou no País, tendo como seus hospedeiros primordiais corpos brancos privilegiados que regressavam ao Brasil. Não foi à toa que a primeira vítima fatal foi Cleonice Gonçalves, a empregada doméstica infectada pela patroa que voltou de viagem da Itália. É fato que o vírus vitimou de forma mais desigual os grupos em situação de vulnerabilidade social.

Mães-solo, mulheres chefes de família, mães órfãs, mulheres negras diversas e plurais tiveram que literalmente engolir o choro e seus medos para enfrentar a maior crise sanitária do século, correndo o risco de morrer “na contramão, atrapalhando o tráfego”, afinal muitas Sinhás não abriram mão dos serviços domésticos realizados majoritariamente por mulheres negras.

O uso da #fiqueemcasa não foi o suficiente para sensibilizar o governo e os grandes bilionários; afinal estamos em um País em que, de acordo com pesquisa do IBGE ,10% mais ricos ficam com 43% da renda nacional. A maioria da população não teve o privilégio de poder trabalhar em casa e teve de correr todos os riscos decorrentes da própria pandemia e da segurança pública.

Nós, mulheres negras, continuamos enfrentando todos os obstáculos físicos, políticos, econômicos, sociais e simbólicos, não por sermos guerreiras, mais sim porque não são garantidas outras opções. Nossa luta é diária para mantermos nosso aluguel em dia, a (in)segurança alimentar de nossos filhos e filhas, afinal já dizia o rapper Emicida: “Sozim, com alma cheia de mágoa e as panela vazia, Sonho imundo, Só água na geladeira e eu querendo salvar o mundo.” 

Não temos o tal do mínimo social previsto em letra da Constituição Federal de 1988, mas temos todos os sonhos do mundo, sonhos que nos impulsionam a levantar e a correr para que as próximas gerações possam encontrar uma estrada menos esburacada e mais diversa. Nossa indignação e luta pela parte que nos cabe nesse bolo é vista pela elite como “delírios comunistas”.

Sabemos que estamos ocupando um pedaço desse latifúndio, devido muito sangue e luta da nossa ancestralidade. Entrar e sair pela porta da frente de locais que a branquitude usurpou por séculos causa incômodo na Casa Grande. Incômodo que leva racistas a fazerem declarações (in)direitas ao ver mulher negra coberta de diamantes, ganhando milhões e estampando páginas e mídias sociais. 

Desde o golpe de 2016 estamos presenciando cortes orçamentários nas Políticas Sociais, perda dos direitos trabalhistas e a ascensão de governos autoritários e descomprometidos com a agenda dos Direitos Humanos. Porém o que incomoda a elite brasileira é a ascensão de corpos negros em espaços de decisão. 

Para o atual (DES)governo, assim como uma parcela da elite brasileira, cobrar políticos para que estes exerçam plenamente suas funções – como investir em políticas de saúde, educação, assistência social e habitação – seria polarizar o País, transformando-o em a Venezuela.

Falas como a do atual Ministro da Economia, Paulo Guedes, ao dizer que “ o Fies levou até filho de porteiro que zerou o vestibular para a universidade…” e do Ministro da Educação, Milton Ribeiro, que “universidade deveria, na verdade, ser para poucos” evidenciam que a elite do atraso, não quer perder seus privilégios materiais e muito menos os privilégios simbólicos. Análise essa, tão bem retratada pelo autor Jessé Souza no livro A Elite do Atraso da Escravidão à Lava Jato.

As omissões da branquitude que se diz antirracista e sensibilizada com morte de pessoas negras nos Estados Unidos não me surpreendem mais. Afinal o portal do ódio foi legitimado nas eleições de 2018. Quem está na rua buscando derrubar o Bolsonarismo são os movimentos sociais. Influenciadoras(es) Digitais e Globais preferem continuar em suas respectivas bolhas, assistindo o Brasil voltar para o mapa da fome e criticar toda beleza e riqueza da Diva Beyoncé. 

Finalizo solicitando que a elite branca atualize o significado de justiça social. Para Sr. Aguinaldo Silva ” justiça social só quando qualquer mulher, independente da raça, idade, religião ou fama puder usá-lo. Isso acontecerá algum dia? O que vocês acham?”

Sibele Gabriela dos Santos, feminista, militante dos Direitos Humanos, abolicionista, é assistente social, graduada em Serviço Social pela Unesp. Pós-graduada Políticas Públicas-SUAS, MBA em Administração Pública e Gerência de Cidades, curso profissional em Neurociência pela PUCRS, Especialista em Africanidades e Cultura Afro-Brasileira, Mestranda em Planejamento e Análise de Políticas Públicas na Unesp, Pós-graduanda em Direitos Humanos, Responsabilidade Social e Cidadania Global pela PUCRS, cursando MBA em Gestão de Projetos pela USP, graduanda em Formação Pedagógica para Docentes pelo IFSP, Mestranda em Educação pela USP e Líder do Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco pelo Fundo Baobá.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

A questão racial no Brasil hoje: o que aprendi com Sueli Carneiro

Introdução Eu ouvi inúmeras vezes a conversa entre Sueli Carneiro...

Reconexão Ancestral

Belo Horizonte, 21 maio de 2021 Olá, minha tataraneta! Há tempos...

Das escolas informais no período escravista às redes de apoio em TI

Em 2013, a chegada dos primeiros médicos e médicas...

Futuro Black: não naturalize nossas ausências. Sigamos criando e ocupando espaços!

Como prometi no artigo intitulado Mulheres negras felizes e...

para lembrar

Resistências!

A Coletiva Negras que Movem reafirma-se no Julho das...

“Precisamos olhar com carinho para nossas trajetórias, antes que o racismo acabe com o que resta de nós.”

Estamos rodeadas de mulheres negras incríveis. Atrizes, poetas, artistas,...

Das escolas informais no período escravista às redes de apoio em TI

Em 2013, a chegada dos primeiros médicos e médicas...

O espectro de Marielle Franco é a urgência da resistência negra¹

No dia 14 de março de 2018, Marielle Franco...

Um convite especial: vamos à Bienal do Livro da Bahia?

Desde que publiquei meu primeiro livro, o Negra Sou, finalista do Prêmio Jabuti 2020, as minhas lembranças junto às bienais do livro têm ganho...

Refletindo sobre a Cidadania em um Estado de Direitos Abusivos

Em um momento em que nos vemos confrontados com atos de violência policial chocantes e sua não punição, como nos recentes casos de abuso...

Competência Feminina Negra diante de Chefes e Colegas de Trabalho Negros: Desafios e Reflexões

Hoje, mês da consciência negra, não focalizaremos no racismo perpetrado pelos brancos, mas sim direcionaremos nossa atenção para nós mesmos. Vamos discutir as novas...
-+=