Amanhecer por Marielle e Anderson tem atos em mais de 20 cidades

Enviado por / FonteDo Marielle Franco

Amanhecer por Marielle e Anderson tem atos em mais de 20 cidades.

Precisamos mostrar que estamos transformando nossa dor em força, que não daremos nenhum passo atrás e que nem o tempo nem o medo vão nos calar!

No próximo dia 14, vamos amanhecer às 6h da manhã, colorindo praças e conversando com as pessoas, no mundo inteiro, em um dia que será cheio de ações por Marielle e Anderson!

Amanhecer por Marielle e Anderson

Saiba como participar aqui 

+ sobre o tema

Domésticas serão indenizadas em caso de prática de assédio moral e agressão física

Domésticas podem aplicar justa causa nos patrões   Empregadas domésticas amparadas...

Por que “Mulher Maravilha” não é um filme tão feminista assim.

Só essa semana umas dez amigas feministas postaram na...

Pabllo Vittar: “Tudo que é diferente enfrenta obstáculos”

Pabllo acumula sucessos: K.O. está entre as 50 músicas...

para lembrar

#MinhaPrimeiraTransfobia: transexuais relatam primeiro caso de preconceito

Internautas relatam os acontecimentos e recebem o apoio de...

Legal, seguro e raro

SOLICITAMOS SUA ASSINATURA DE APOIO A ESSA MANIFESTO PARA...

“Ele atirou, riu e foi embora”, diz irmão de vítima morta em Goiânia

Isadora era tetracampeã de capoeira e foi uma das...

Ataques homofóbicos expõem divisão sobre casamento gay na França

As denúncias de agressões homofóbicas estão aumentando na França,...
spot_imgspot_img

Mortalidade materna de mulheres pretas é o dobro de brancas e pardas, diz estudo

Mulheres pretas têm quase duas vezes mais risco de morrer durante o parto ou no puerpério que mulheres pardas e brancas, segundo um estudo da Unicamp (Universidade Estadual...

Plataforma Mães Negras debate impactos do peso na vida profissional

A Plataforma Mães Negras do Brasil, startup (empresa emergente) de impacto social, cujo objetivo é a promoção do desenvolvimento socioeconômico de mães negras, promove nesta quarta-feira...

Mãe Hilda de Jitolú, a matriarca do Ilê Aiyê

Em 1988, quando uma educação afrocentrada ou antirracista ainda não estava no imaginário brasileiro, uma mulher preta que nunca frequentou a escola abriu sua casa, em Salvador (BA)...
-+=