Artigo: Não é estatística; são 25 mulheres assassinadas

Enviado por / FonteCorreio Braziliense

Andreia Crispim foi a 25ª vítima de feminicídio do Distrito Federal só este ano. Isso não pode significar apenas uma estatística para ser usada para construir políticas públicas

Eu li a história de Andreia Crispim, 50 anos, vítima de um assassino, que transformou sua vida em um martírio. Não causa apenas tristeza, mas revolta, uma dor que é sentida por todos os corpos femininos. O fim do casamento normalmente não é o fim das sequências de agressões e culmina com o ato extremo do machismo: já que a mulher já não pode ser seu saco de pancadas, não serve mais para o covarde. E assim elas morrem indefesas.

Até o desfecho trágico, a catadora de recicláveis que morava na Estrutural fez pedidos de socorro, boletins de ocorrência e recebeu medidas protetivas, retiradas por medo. Andreia foi a 25ª vítima de feminicídio do Distrito Federal só este ano. Isso não pode significar apenas uma estatística para ser usada para construir políticas públicas, ainda que isso seja importantíssimo. Há urgência. Há calamidade pública, senhor governador, senhores deputados distritais. O feminicídio é uma tragédia nacional, senhor presidente da República, ministros, ministras, deputados e senadores.

Sabemos que este é um problema complexo, enorme, fundado em um machismo estrutural, que não se resolve em uma geração. Mas não podemos esperar resolver a causa para acabar com a matança de mulheres no Distrito Federal. O Estado precisará intervir, assegurar a proteção, e a sociedade precisa não só cobrar, mas ajudar a denunciar, se organizar com medidas que permitam mulheres e homens comuns terem estratégias de auxílio a mulheres ameaçadas.

A morte de tantas mulheres está reverberando, está nas rodas de conversas, dos salões de beleza, no bate-papo no transporte, nas prosas dos cafés, nos supermercados. Mas não chega às altas rodas como um problema de solução urgentíssima.

Há iniciativas importantes, eu sei. O Tribunal de Justiça do DF e Territórios fez uma discussão interessante sobre a forma correta de divulgar; o Ministério Público e a OAB têm atuado também. A vice-governadora, Celina Leão, está empenhada e tem se mobilizado.

+ sobre o tema

Conheça os recordistas da cesárea desnecessária em São Paulo

Maternidades VIP estão entre as campeãs da cesariana desnecessária...

Eduardo Cunha, quem é a mulher mentirosa? Por Debora Diniz

Se há abuso, não é das mulheres, e sim...

Ana Flávia Cavalcanti diz que representatividade vai além do negro na tela

Ana Flávia Cavalcanti, 39, está de volta a “Sob...

11 lésbicas que fizeram história e que você provavelmente não conhece (mas deveria)

Quando pensamos em mulheres lésbicas norte-americanas, possivelmente pensamos em...

para lembrar

A aula sobre racismo no Brasil da consulesa francesa em SP. Por Cidinha da Silva

Alexandra Loras, consulesa da França em São Paulo quebrou...

O que fala esse corpo de mulher? Sexismo, (in)correção política e Gisele Hope

Quando alguns personagens participam de determinadas discussões, inevitavelmente são...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=