Artigo: Não é estatística; são 25 mulheres assassinadas

Enviado por / FonteCorreio Braziliense

Andreia Crispim foi a 25ª vítima de feminicídio do Distrito Federal só este ano. Isso não pode significar apenas uma estatística para ser usada para construir políticas públicas

Eu li a história de Andreia Crispim, 50 anos, vítima de um assassino, que transformou sua vida em um martírio. Não causa apenas tristeza, mas revolta, uma dor que é sentida por todos os corpos femininos. O fim do casamento normalmente não é o fim das sequências de agressões e culmina com o ato extremo do machismo: já que a mulher já não pode ser seu saco de pancadas, não serve mais para o covarde. E assim elas morrem indefesas.

Até o desfecho trágico, a catadora de recicláveis que morava na Estrutural fez pedidos de socorro, boletins de ocorrência e recebeu medidas protetivas, retiradas por medo. Andreia foi a 25ª vítima de feminicídio do Distrito Federal só este ano. Isso não pode significar apenas uma estatística para ser usada para construir políticas públicas, ainda que isso seja importantíssimo. Há urgência. Há calamidade pública, senhor governador, senhores deputados distritais. O feminicídio é uma tragédia nacional, senhor presidente da República, ministros, ministras, deputados e senadores.

Sabemos que este é um problema complexo, enorme, fundado em um machismo estrutural, que não se resolve em uma geração. Mas não podemos esperar resolver a causa para acabar com a matança de mulheres no Distrito Federal. O Estado precisará intervir, assegurar a proteção, e a sociedade precisa não só cobrar, mas ajudar a denunciar, se organizar com medidas que permitam mulheres e homens comuns terem estratégias de auxílio a mulheres ameaçadas.

A morte de tantas mulheres está reverberando, está nas rodas de conversas, dos salões de beleza, no bate-papo no transporte, nas prosas dos cafés, nos supermercados. Mas não chega às altas rodas como um problema de solução urgentíssima.

Há iniciativas importantes, eu sei. O Tribunal de Justiça do DF e Territórios fez uma discussão interessante sobre a forma correta de divulgar; o Ministério Público e a OAB têm atuado também. A vice-governadora, Celina Leão, está empenhada e tem se mobilizado.

+ sobre o tema

Mídia: Caso Eloá deve ser tratado como violência contra a mulher

Acontece desde o início da manhã desta segunda-feira (13),...

O tráfico de mulheres por meio de agências de modelos

PRDC move ação para que agências indenizem modelos vítimas...

Lei de combate à violência contra a mulher não impede crime

Apenas uma semana depois de ser solto, Jeffer Sandre...

para lembrar

O erótico como poder

Nunca é fácil demandar o máximo de nós mesmas Por...

Até quando as mães serão culpadas pelo abandono paterno?

Uma postagem nas redes sociais que viralizou há algumas...

Por dia, 27 mulheres são agredidas no Paraná

Na próxima segunda-feira (16), das 8h30 às 12 horas,...

Grande parte das mulheres vítimas de agressões apanha da infância à velhice

Grande parte das mulheres vítimas de agressões apanha da...
spot_imgspot_img

13 leis sobre proteção à mulher que precisam ser efetivadas em 2024

Se é verdade que, no Brasil, o novo ano só começa depois do Carnaval, ainda é tempo de realizar uma retrospectiva, para divulgar leis...

Quase 23 mil medidas protetivas foram dadas a mulheres vítimas de violência, em 2023; Botão do Pânico foi acionado 91 vezes

Para se protegerem de violências domésticas, as mulheres costumam receber medidas protetivas e, em caso do agressor ser monitorado por tornozeleira eletrônica, utilizarem o...

Projeto permite que mulheres chequem antecedentes criminais de parceiros

Um projeto de lei que tramita na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) quer permitir que mulheres tenham acesso aos antecedentes criminais de seus parceiros. O texto,...
-+=