Bancada Evangélica vai trabalhar para aprovar Estatuto da Família, do Nascituro e PL do Aborto

Nem o iminente afastamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), principal patrocinador do avanço das pautas da Bancada Evangélica, desanimou os integrantes da frente.

Por Grasielle Castro, Brasil Post 

A bancada traçou três prioridades para este ano:

1 – Estatuto da Família

O texto que define família apenas como a união entre homem e mulher está pronto para ir ao plenário desde o fim do ano passado. Apesar da polêmica, a bancada acredita que o texto será aprovado com facilidade.

2 – PL 5069/2013, o PL do Aborto

O projeto de lei 5069 dificulta o atendimento às vítimas de estupro, exige que a mulher comprove que foi vítima de violência sexual, com o retorno da obrigatoriedade do exame de corpo de delito. O texto foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara e está pronto para ir ao plenário. Porém, sumiu dos debates, após uma série de protestos contra a proposta. A Bancada Evangélica acredita que o tema voltará à pauta tão logo se acalmem os ânimos sobre o afastamento de Cunha da presidência da Casa — o que deve se desenrolar até março.

3 – Estatuto do Nascituro

O projeto que tem como principal mote dar direito ao feto dominou os debates em 2013 e promete voltar à pauta da Casa este ano. A proposta também tipifica o aborto como crime hediondo e considera crime congelar, manipular ou utilizar nascituro como material de experimentação, o que inviabiliza o estudo com células-tronco.

Bônus

4 – CPMF

 O sonho do governo de ressuscitar a CPMF para dar fôlego às contas públicas não será realizado, se depender dos evangélicos. A bancada acredita que o governo vai fazer muita pressão para a matéria ser aprovada, mas foi decidido que o grupo, mesmo com integrantes da base, vai se posicionar de forma clara e organizada contra a proposta.

Clima político desfavorável

O presidente da comissão especial que analisou o Estatuto da Família, Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ), disse ao HuffPost Brasil que o clima político com as denúncias contra Eduardo Cunha atrapalhou a aprovação de matérias, consideradas importantes pelo grupo, como o texto que define família como união entre homem e mulher.

“Espero que isso seja tratado de uma maneira madura pelos líderes para que seja aprovado; precisava de um clima político mais favorável para que ele fosse votado. A ideia era que tivesse ocorrido no fim de outubro, início de novembro.”

Segundo o deputado, além das denúncias contra Cunha, a abertura do processo de impeachment tirou as pautas do foco. “Acho que terminado este processo de afastamento da presidente, o clima se torna mais favorável, de interesse da ampla maioria da Casa.”

Sóstenes também ressalta esforço da bancada diante dos católicos para desengavetar o PL 5069. “É um assunto de interesse de todos, um tema importante.

+ sobre o tema

Quase 500 brasileiros foram vítimas de tráfico de pessoas em seis anos

Em seis anos, quase 500 brasileiros foram vítimas do...

Seios achatados: uma tortura para que as meninas não virem mulheres

É uma prática tradicional e pouco investigada, feita em...

Mulher é decapitada pelo namorado por causa de troca de mensagens no celular

Uma mulher foi assassinada a facadas pelo namorado, na...

Machismo e vítima questionada: como foi cobertura na época do caso de Cuca

Em 30 de julho de 1987, quatro jogadores do Grêmio foram...

para lembrar

Gênero, uma categoria médica?, por Berenice Bento

Muitos acreditam numa ‘base biológica’ para a identidade de...

Léa Garcia deixa vasto legado e fãs em todo o país

A atriz Léa Garcia deixou um vasto legado nas...

Alicia Keys libera lindo filme sobre feminismo, racismo e violência policial

Alicia Keys lançou hojedia 4 de novembro seu novo...
spot_imgspot_img

Pesquisadora aponta falta de políticas para diminuir mortalidade materna de mulheres negras no DF

"O Brasil é um país muito difícil para uma mulher negra ser mãe, por diversos fatores, dentre eles as dificuldades de acesso a saúde pública,...

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...
-+=