“Black is King”: Filme de Beyoncé inspira curso na Universidade de Harvard

Já há algum tempo que o trabalho de Beyoncé na música deixou de ser apenas cultura Pop e entretenimento e passou a ser objeto de estudo em várias universidades e instituições de ensino renomadas ao redor do mundo. Agora, mais uma vez em Harvard, a cantora inspirou um novo curso, graças ao seu trabalho no filme “Black is King”.

O filme, lançado por Beyoncé com exclusividade pelo Disney+, é mais uma das parcerias da cantora com o estúdio de cinema e será usado para enfatizar o poder feminino dentro da sociedade Kush, atualmente ao norte do Sudão, no curso “Black is Queen: O Divino Feminino em Kush”, oferecido pela renomada Universidade de Harvard.

No curso, a professora Solange Ashby irá discutir como as sociedades africanas antigas entendiam a presença e o poder feminino. E as músicas do “Black in King” serão utilizadas para enfatizar o poder e a centralidade da rainha mãe africana em sua família real e reino.

Estudos sobre Beyoncé e Rihanna

Em outro momento, em 2019, Beyoncé e Rihanna também foram objeto de estudo e discussão na Universidade de Harvard, com o curso “Beyoncé Feminismo, Rihanna Feminismo: Música Popular e Teoria Feminista Negra”, que analisou as músicas e videoclipes de ambas as artistas como expressões populares e acessíveis dos feminismos caribenhos e afro-americanos que alcançam audiências mundiais.

O curso também traçou um paradigma entre o trabalho de Beyoncé e Rihanna e teorias do feminismo negro que falam de violência, oportunidade econômica, sexualidade, padrões de beleza e expressão criativa.

No Brasil

Aqui no Brasil, Beyoncé também foi objeto de estudo. No Sesc Carmo, em São Paulo, foi realizado, também em 2019, o curso “Politizando Beyoncé: raça, gênero e sexualidade”, voltado para os interessados em destrinchar a obra da popstar, analisando a estética da artista POP, trazendo para reflexão tópicos relacionados à indústria cultural, à dinâmica do espetáculo e ao entretenimento, conectando-os com as clivagens raciais, de gênero e de sexualidade.

Leia também: 

Beyoncé é objeto de estudo de nova matéria de universidade americana

‘Black is King’ de Beyoncé: imperialismo e representações negras no mainstream audiovisual estadunidense e raça e história como discursos

Black is King: álbum visual de Beyoncé já é histórico

 

+ sobre o tema

“É necessário unificar o movimento negro brasileiro”, diz militante da Conen

Fávio Jorge é membro da Coordenação Nacional de Entidades...

Miss Brasil 2016 tem número recorde de candidatas negras na história do concurso

Um dos concursos de beleza mais tradicionais do país,...

Quilombos auto sustentáveis

A Light, distribuidora de energia do Rio de...

para lembrar

Quilombo Campo Grande resiste a show de horrores em MG

A Polícia Militar de Minas Gerais, a mando do...

O mistério de “África Brasil” (e de Jorge Ben)

O disco África Brasil, de Jorge Ben, lançado em...

Depois de décadas, Pelé finalmente entra para o Guinness Book com dois recordes

Demorou algumas décadas, mas o Guinness World Records, entidade...
spot_imgspot_img

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta pela primeira vez no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

Mães e Pais de Santo criam rede de solidariedade para apoiar comunidades de matriz africana afetadas no Sul

Quando a situação das enchentes se agravou no Rio Grande do Sul, Ialorixás e Babalorixás da cidade de Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre,...

Mostra Competitiva Adélia Sampaio recebe inscrições de filmes de mulheres negras até 16 de junho

A 6ª edição da Mostra Competitiva de Cinema Negro Adélia Sampaio está com inscrições abertas para filmes dirigidos por mulheres negras de todo o...
-+=