Bloco de Carnaval de ativistas protesta contra alto número de cesáreas

Maternidades particulares do Rio e de São Paulo estiveram lotadas nos últimos dias com cesáreas agendadas para antes do feriado de Carnaval. O Maternar ligou em duas que são referência em São Paulo e ambas foram unânimes em afirmar: não há vagas.

Por GIOVANNA BALOGH, do Maternar 

A mulher que chega em trabalho de parto demora horas para conseguir um quarto após o seu bebê nascer. Mesmo as com cesárea previamente agendadas demoram para conseguir um quarto devido à lotação. “Deixamos as pacientes na enfermaria por um tempo e só quando vaga um quarto elas sobem”. Conforme o  Maternar  já mostrou, o número de cesáreas, assim como de internação na UTI neonatal devido à prematuridade,  é bem maior no pré-feriado do que nas datas comemorativas.

Foi pensando em protestar contra as cesáreas agendadas, que ativistas do parto normal criaram marchinhas de Carnaval com letras como “olha o obstetra da mulher, será que ele é? Será  que ele é? Será que ele é cesarista?”. Pelo segundo ano consecutivo, as mulheres saem as ruas com o chamado Bloco dazÍndias. A idealizadora do bloco, a doula Gisele Leal, diz que o evento é todo organizado pelas redes sociais e que a cada ano tem ganhado mais foliões.

No domingo (8), várias mulheres com seus bebês no colo, gestantes pularam Carnaval na frente de uma maternidade particular do Rio, que tem altas taxas de cesárea.

No sábado agora (14), será a vez do grupo sair em Campinas, no interior de São Paulo. Os foliões vão se concentrar às 13h no café Tico Tico no Fubá, em Barão Geraldo e depois, às 14h, vão se juntar com o Bloco das Caixeirosas. “Além de ser um momento de diversão, levamos também informação pois distribuímos panfletos sobre o parto normal”, diz. No domingo (15), às 10h, a festa será na praça da Liberdade, em Belo Horizonte, em Minas Gerais. Outras capitais também estão organizando a folia entre amigos grávidos ou com bebês pequenos.

 

 

+ sobre o tema

Cinedebate: a sobrevivência dos sonhos

Alana e Outras Palavras promovem nesta segunda, 5 de...

União entre pessoas do mesmo sexo, tem nexo?

o casamento de negros com brancos já foi proibido...

“Cheguei de propósito aos 261 quilos por medo de ser estuprada se novo”

A vida de Roxane Gay mudou totalmente quando ela...

para lembrar

Quem é bela, recatada e do lar?

Comecei a ler “mulher, raça e classe” da Angela...

Winnie Mandela abre o jogo sobre o futuro da África do Sul, racismo e Nelson Mandela

A ativista antiapartheid e deputada do Congresso Nacional Africano...

Entrevista: Núbia de Oliveira fala sobre catálogo Intelectuais Negras Visíveis

Visibilidade e reconhecimento. Essas são as palavras que norteiam...

Nós queremos é falar sobre poder!

“No momento em que o excluído assume a própria...
spot_imgspot_img

Julho das Pretas: ‘Temos ainda como horizonte sermos livres das amarras históricas’, diz ativista

No dia 25 de julho será celebrado o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha. E em alusão a data, o Julho das Pretas é realizado...

Meninas negras de até 13 anos são maiores vítimas de estupro no Brasil; crime cresceu 91,5% em 13 anos

O número de estupros no Brasil cresceu e atingiu mais um recorde. Em 2023, foram 83.988 casos registrados, um aumento de 6,5% em relação ao ano anterior....

Eugênio Bucci, Marilena Chaui e Sueli Carneiro são finalistas do Prêmio Jabuti Acadêmico; confira a lista completa

A Câmara Brasileira do Livro (CBL) anunciou, nesta quinta-feira (18), os finalistas do Prêmio Jabuti Acadêmico, que contempla obras científicas em 29 categorias, como Artes,...
-+=