Brasil cai cinco posições em ranking de igualdade de gênero

Em 2018, o país aparece em 95.º lugar, em uma lista de 149 países, alcançando o pior resultado desde 2011

Do Exame

Brasil perdeu espaço no ranking de igualdade de gênero divulgado nesta segunda-feira, 17, pelo Fórum Econômico Mundial (Victor Moriyama/Getty Images)

Genebra – O Brasil perdeu espaço no ranking de igualdade de gênero divulgado nesta segunda-feira, 17, pelo Fórum Econômico Mundial. Em um ano, o País caiu cinco posições na classificação, que considera mais de 50 itens com o acesso à saúde, renda, e participação política. Em 2018, o Brasil aparece em 95.º lugar, em uma lista de 149 países, alcançando o pior resultado desde 2011.

O que mais pesou foi a queda na participação das mulheres no mercado de trabalho e oportunidades de renda. “O Brasil registrou uma invertida significativa no que se refere ao progresso em direção à paridade”, alertou o informe.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, Saadia Zahidi, uma das integrantes do Conselho do Fórum e chefe do Centro para Nova Economia e Sociedade, indicou que esse será um dos principais temas do encontro que será realizado em Davos, em janeiro, e que deve ser a “estreia internacional” do futuro presidente Jair Bolsonaro. “Esperamos que todos os líderes deem atenção ao tema e o ranking será um dos fatores para motivar esse envolvimento”, disse. “Queremos demonstrar de forma objetiva que países terão melhores resultados se assumirem esses problemas de forma séria e se fizerem mais para integrar as mulheres na economia, na liderança.”

No caso do Brasil, os dados revelam que, considerando o potencial total de oportunidades dadas a uma pessoa para trabalhar ou se desenvolver, uma mulher consegue atingir apenas 68% dele. Na América Latina, o Brasil é apenas o 21.º país na região – superado por Venezuela, Cuba, Honduras ou Bolívia. Países como Indonésia, Vietnã, Quênia ou Mianmar também aparecem em melhores posições que o Brasil.

Para chegar à essa conclusão, o Fórum avalia participação econômica, educação, saúde e envolvimento político. Em saúde e educação, o Brasil é destaque, praticamente zerando a disparidade entre homens e mulheres. Mas em outras áreas, o resultado é negativo.

Entre os 149 países, o Brasil é apenas o 112.º no que se refere à participação política, muito abaixo da média mundial. Em 2017, o Brasil estava na 110 .º posição. Em nível ministerial, o País está entre os dez piores.

Países com uma população muçulmana como Marrocos, Paquistão ou Iraque ocupam posições mais elevadas no critério político que o Brasil, ainda que os dados não tenham incluído a última eleição em outubro.

De acordo com Saadia, o principal fator que levou à queda do Brasil foi a participação das mulheres na economia. Por esse critério, o País aparece apenas na 92.ª posição, nove posições abaixo do que era registrado em 2017. Em termos salariais, a classificação é ainda pior e o Brasil caiu da 119.ª a posição em 2017 para a de 132.ª. Entre 2017 e 2018, o que se registrou foi um aprofundamento da diferença de renda entre homens e mulheres. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

+ sobre o tema

Denúncias de machismo e linchamento on-line: há consequências?

Relatos de violência contra a mulher publicados na internet...

Descolonizando o Conhecimento: uma palestra-performance de Grada Kilomba

06/03, das 16h às 18h|Local: CCSP – Centro Cultural...

Em Paris para a alta-costura da Chanel, Xênia França fala sobre moda, música e reconhecimento internacional

Única celebridade brasileira convidada para o desfile de alta-costura...

para lembrar

ONU parabeniza Dilma por sanção de lei que criminaliza o feminicídio

“ONU Mulheres congratula a Presidência da República do Brasil...

Mulher negra chega a ganhar 47,8% da hora do homem não negro

Estudo do Dieese mostra diferenças nas condições de trabalho...

Depois de briga com seguidores, Marcello Melo Jr apaga imagem polêmica

O ator e cantor Marcello Melo Jr reagiu mal...

Não serve ao feminismo tentar nivelar ideologias díspares

Por: FÁTIMA OLIVEIRA Não voto em candidaturas antiaborcionistas e entendo...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=