Das jornadas de Junho em 2013 ao impeachment e a uma campanha capenga em 2016, “várias queixas”

Nas eleições de 2016 e na conjuntura nacional encontramos nítidos exemplos da dificuldade do congresso nacional ouvir e interpretar as demandas da população brasileira.

Enviado por Michel Chagas via Guest Post para o Portal Geledés 

Em 2013, o país experimentou um grande aumento de manifestações e movimentos de rua que foram batizados de manifestações de Junho ou Jornadas de Junho. As bandeiras e pautas foram diversas como preço e qualidade dos serviços públicos, contra os gastos nos estádios da copa do mundo, contra a proposta de emenda constitucional 37 que pretendia retirar o poder de investigar do ministério público e até por mais instrumentos de democracia direta no país.

Dessas manifestações resultaram dois importantes pontos de inflexão, o mais controverso e perspicaz foi a transformação de diversas demandas e descontentamentos da sociedade em um movimento pró-impeachment. O outro foi a imposição de uma reforma política que não responde as principais aspirações por uma representação adequada de grupos da sociedade como mulheres, negros, indígenas e juventudes nos espações de poder, não amplia as possibilidades de exercício da democracia direta como nos casos de plebiscito, referendo, iniciativa popular e subscrição por intermédio da internet e não acabou com a instituição da reeleição.

Com o pretexto de redução de gastos com as eleições, desenharam uma campanha capenga e “the flash” que a menos de 20 dias das eleições não aconteceu um único debate televisivo, uma campanha que não é capaz de envolver as pessoas no debate eleitoral e que provavelmente produzirá um abismo ainda maior entre as expectativas da população e as agendas dos mandatários.

Alinhou-se com os anseios das ruas a proibição do financiamento de pessoas jurídicas, mas não foi suficiente para impedir a influência do capital financeiro no resultado eleitoral, pois assistimos os sócios de empresas realizando doações como pessoa física, o que é permitido.

Resta-nos as queixas e a reflexão de como encontrar uma saída para esse cenário onde falamos, falamos e não somos escutados.

*Publicado originalmente no Jornal Atarde da Bahia em 20 setembro de 2016.

+ sobre o tema

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

Mensalão foi resultado de erros de uma ‘minoria’ no PT, diz Marina Silva

Por: Thiago Guimarãe Tema foi abordado em entrevista que...

Após vitória, casal quer adotar mais duas crianças

Por: GRACILIANO ROCHA Luciana Reis Maidana, lésbica que conquistou...

Obama viajará para Aurora para visitar vítimas do tiroteio

Presidente dos EUA declarou cinco dias de luto após...

Filhos do Golpe – Por: Mauricio Pestana

  "Início dos anos 60, o país em situação alarmante,...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira (13) atos de movimentos feministas contra o projeto de lei que equipara aborto a homicídio,...
-+=