Diretor de escola em SP perde o cargo após aluna de 6 anos sofrer racismo e agressão; criança é transferida

Enviado por / FonteDo G1

Diretor disse a mãe que não viu nada. Thamires Rosa afirmou que a filha teve lesões nos olhos, quadril e virilha e foi xingada de 'feia', 'cabelo feio' e 'urubu'. Criança foi transferida de escola.

O diretor da Escola Estadual Adelina Issa Ashcar, na Zona Sul de São Paulo, perdeu seu cargo neste sábado (17) após a mãe de uma aluna de 6 anos denunciar omissão por parte do colégio. A criança foi vítima de agressão e racismo e, agora, foi transferida de escola.

A Secretaria da Educação concluiu as investigações no sábado e decidiu pela “cessação da designação de diretor”. Inicialmente, ele tinha sido afastado por 24 dias.

“A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, mais uma vez, lamenta o ocorrido e informa que a apuração preliminar foi concluída, decidindo pela cessação da designação do diretor, e, portanto, não é mais diretor da escola. A pedido da responsável, a aluna foi transferida para outra unidade, onde foi garantido o acolhimento no ambiente escolar, com apoio do Programa de Melhoria da Convivência e Proteção Escolar (Conviva-SP)”, diz nota da pasta.

A mãe Thamires Rosa contou que dia 2 de maio, a menina chegou em casas com diversos hematomas e que a escola pouco fez para acolher a família e apurar o caso.

  • Segundo a mãe, as lesões aconteceram nos olhos, quadril e virilha — e teriam sido provocadas por outras duas crianças da mesma faixa de idade;
  • Ela também foi xingada de “feia”, “cabelo feio” e “urubu”.

“Eles disseram que era normal e que minha filha tinha que ter falado na hora. Que ela ia ter que falar. Eu tive que mostrar as lesões no corpo da minha filha. O diretor disse que não estava vendo nada e se isso não poderia ter ocorrido dentro da minha casa“, desabafou a mãe.

Despreparo da escola

“A escola não se responsabilizar pelo que ocorreu lá dentro mostra um imenso despreparo. Levaram ela de sala em sala para ela apontar quem era o culpado. Ela não ia fazer isso. Ela é uma criança. Além de ela ter sido exposta a essa agressão, física e verbal, ainda teve que passar por isso”, lamentou a mãe.

Para Débora Dias, educadora do movimento Educafro Brasil, a escola falhou na condução do problema e também no acolhimento das famílias.

“Essa conduta é completamente errada. Faz com que a criança se sinta ainda mais vulnerável já numa situação em que ela foi altamente violentada e também expõe a situação da maneira mais antipedagógica possível— Indo lá, acusando, e criando mais constrangimento e vexame no momento em que uma situação como essa nem deveria ter acontecido”, explicou a especialista.

“Deveria ser tratada de maneira pedagógica, centrada no debate pelo antirracismo”, completou Débora.

+ sobre o tema

Um ano da morte de Floyd: antirracismo precisa avançar também no Brasil

Desde que George Floyd foi morto, sufocado pelo joelho...

Com medo da maré levar meus filhos: a vida das mulheres das palafitas de Santos

Em casas sob as águas, equilibradas sobre plataformas, moram...

Emicida: ‘Vivemos num país racista’

Emicida, rapper paulista, lembra a infância pobre, fala da...

Racismo em loja Centauro no Shopping Leblon

  A Centauro do Shopping Leblon não gosta de clientes...

para lembrar

Temos de tomar partido na luta contra o racismo

Georg Kreis está se retirando do cargo de presidente...

Pesquisa mostra ‘dificuldade de entender como o racismo se manifesta no cotidiano’

O Instituto Peregum e a Sistema de Educação por uma...

Número de pessoas mortas pela PM paulista cresceu 138% no 1º trimestre

Dados divulgados pela Secretaria Estadual de Segurança Pública de...

‘Eu Não Sou Negro’ abre a janela para discutir sobre o Racismo

Aproveitando que o RACISMO é o tema em evidência,...
spot_imgspot_img

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...

Racismo em escolas de Niterói: após reunião com mãe de dois adolescentes vítimas de insultos, deputada vai oficiar MP, polícia e prefeitura

Após uma reunião com Renata Motta Valadares, mãe de dois adolescentes de Niterói que foram vítimas de racismo em duas diferentes escolas particulares, a deputada estadual...
-+=