Economista Elias Sampaio lança livro sobre política, economia e questões raciais

O panorama econômico e social no Brasil, durante os últimos três anos, são retratados na obra Política, Economia e Questões Raciais – a conjuntura e os pontos fora da curva, 2014 a 2016, do economista, professor universitário e pesquisador Elias de Oliveira Sampaio. Perpassando pela instabilidade política do período, o autor faz uma análise das conquistas, retrocessos e perspectivas para a construção de um modelo econômico inclusivo e sustentável. O livro será lançado no dia 23 de agosto, a partir das 18h, no Palácio da Aclamação (Campo Grande).

Depois de assinar vários artigos em periódicos nacionais e estrangeiros e ser coautor em diversos trabalhos publicados nos últimos 20 anos, Elias Sampaio, neste seu primeiro livro “solo”, constrói uma narrativa baseada em sua coluna semanal publicada pelo site de notícias Politica Livre entre 2014 e 2016. A narrativa é apresentada em três partes: Democracia, Políticas Públicas e Desenvolvimento; Entropia, Política e Poder e Consciência Negra, Política e Economia. “Este é o meu primeiro livro e, apesar de seu objeto tratar da conjuntura recente da política, da economia e das questões raciais (2014–2016), ele também condensa, de forma subliminar, todo o aprendizado de vida e da base de conhecimento que adquiri nesses meus 50 anos de idade”, explica Sampaio.

Foto: Divulgação

Para a pesquisadora do CRH/UFBA e PhD em Ciência Política, Professora Celina Souza, a principal contribuição da obra é conciliar a visão do autor, militante partidário e do movimento negro, sobre os acontecimentos recentes que ocorreram no Brasil e na Bahia, com análises baseadas em referenciais teóricos e conceituais multidisciplinares das Ciências Humanas, adquiridas em sua lona experiência acadêmica e enquanto gestor público. “Apoiado em sólido conhecimento, tanto empírico como teórico, o livro de Elias Sampaio é um exemplo de que é possível buscar explicar as dificuldades do país de sustentar seu crescimento econômico, de avançar nos indicadores sociais, de executar políticas que busquem reduzir as desigualdades de toda ordem e de construir instituições democráticas que sejam capazes de frear o individualismo predatório”, relata Celina Souza, que assina o prefácio da obra.

Já o economista e presidente do Conselho Regional de Economia da Bahia, Gustavo Pessoti, destaca a importância do estudo ao “mostrar que a Economia não é tão abstrata e racional, mas uma ciência que se preocupa com o desenvolvimento humano e com a inclusão social”. “Num momento em que o debate das questões sociais volta a tomar conta da agenda governamental e a supressão de direitos parece o caminho mais evidente, Elias nos convida a uma introspecção reflexiva para discutir a perspectiva de um processo de desenvolvimento econômico e regional menos desigual, mais social, mais inclusivo. Respeitando as diversidades, atentando para as questões raciais que nunca foram tão atuais e desafiando uma ciência que às vezes, como ele próprio nos conta no livro, tem mais expectativas irracionais do que certezas como premissas”, diz Gustavo Pessoti.

“Elias Sampaio, através de seu cabedal de conhecimento de Economia e Administração, áreas que o conduziram à obtenção dos maiores títulos acadêmicos e o levaram a transitar em diversas universidades e inúmeros órgãos públicos, sou utilizar, nos cargos exercidos, o que aprendeu em prol da sociedade, mormente em benefício dos grupos vulneráveis, especialmente a população negra”, declara o ex-Procurador-Geral do Ministério Público da Bahia e atual Desembargador do Tribunal de Justiça, Lidivaldo Britto.

O livro é uma publicação da Editora do Instituto Federal da Bahia (Edifba) e tem o apoio institucional das Secretarias de Promoção da Igualdade Racial e da Cultura, através Diretoria de Museus e do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC), do Conselho Regional de Economia – CORECON-BA e do mandato do Vereador e Presidente da Comissão de Cultura da Câmara de Vereadores, Sílvio Humberto.

Palácio da Aclamação – Esta atividade faz parte do projeto de dinamização de espaços do IPAC. O Palácio da Aclamação, solar oitocentista, vem sendo sede de variados eventos com propostas artísticas e culturais neste ano, dentre eles a abertura da 15ª Semana Nacional de Museus com o lançamento da programação do Núcleo de Ópera da Bahia, o III Festival de Ilustração e Literatura Expandido, a ‘Feira Pedra Papel Tesouro’, a solenidade de doação do acervo de Roberto Santos (ex-governador da Bahia), além de ensaios fotográficos ou gravação de vídeos. O Palácio da Aclamação integra a Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC), unidade vinculada a Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA).

Sobre o autor – Nascido em Salvador, Bahia, em 24 de fevereiro de 1967, possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Católica do Salvador, mestrado em Economia e doutorado em Administração pela Universidade Federal da Bahia. Atualmente é economista do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Foi secretário Estadual de Promoção da Igualdade Racial e diretor-presidente da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia, vice-presidente de Tecnologia da Associação Brasileira de Entidades de Tecnologia de Informação e Comunicação, Subsecretário Municipal da Reparação de Salvador, economista da Sudene, professor da Universidade Estadual de Feira de Santana, professor visitante do Mestrado em Políticas Públicas, Gestão do Conhecimento e Desenvolvimento Regional e colaborador do Programa de Pós-graduação da Universidade do Estado da Bahia. Foi também colaborador do Núcleo de Pós-graduação em Administração da UFBA. Professor, coordenador do Curso de Ciências Econômicas e de Pesquisa e Pós-graduação do Instituto de Educação Superior, Unyahna de Salvador, docente e pesquisador de outras instituições de ensino superior na Bahia e em Pernambuco.

Foto: Divulgação

SERVIÇO: Lançamento do livro – Política, Economia e Questões Raciais – a conjuntura e os pontos fora da curva, 2014 a 2016

Quando: Dia 23 de agosto, a partir das 18h

Local: Palácio da Aclamação, Avenida 7 de Setembro, 1.330, Campo Grande – Salvador (BA)

Dimus – Diretoria de Museus – BA
Jornalista responsável – Yara Vasku (DRT-PR 2904)

Fotos: Divulgação

Contatos: (71) 3117-6445/ 99119-7746/ [email protected]
dimusbahia.wordpress.com
facebook.com/museusdabahia

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Cientista publica primeiro genoma de homem negro

Esta semana está sendo especial para os negros não...

Pavilhão do Brasil na 18. Mostra Internacional de Arquitetura – La Biennale di Venezia

A Fundação Bienal de São Paulo divulga o projeto...

A poesia de Audre Lorde

Audre Lorde foi uma escritora americana de descendência caribenha,...

para lembrar

‘Melanina in Solos’ reúne peças compostas por apenas um ator

Série faz parte da 3ª edição do Projeto 'Nova...

Washington terá memorial em homenagem a Martin Luther King

O ícone da luta pelos direitos civis Martin Luther...

Kapulana recebe originais em nova edição do “Seja Nosso Autor”

Autores interessados podem enviar os originais para a Kapulana...

Vem aí a Feira Preta 2015!

Saiba tudo sobre a edição que vai reinventar um...
spot_imgspot_img

6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

O fim da escravidão no Brasil completa 136 anos em 13 de maio deste ano. Em 1888, a princesa Isabel, filha do imperador do Brasil Pedro 2º,...

Mães e Pais de Santo criam rede de solidariedade para apoiar comunidades de matriz africana afetadas no Sul

Quando a situação das enchentes se agravou no Rio Grande do Sul, Ialorixás e Babalorixás da cidade de Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre,...

14 de maio e a Revolta dos Malês

Quem passa pelo Campo da Pólvora, em Salvador, nem imagina que aquela praça, onde ironicamente hoje se encontra o Fórum Ruy Barbosa, foi palco...
-+=