Embaixada quer investigação sobre racismo contra músico brasileiro

Deve acontecer até esta sexta-feira (28) o encontro entre o representante da Embaixada Brasileira em Madri, na Espanha, e o músico pernambucano Israel de França, vítima de agressão praticada por policiais espanhóis, segundo denúncia do violinista e maestro.

De acordo com a assessoria de imprensa do Itamaraty, em Brasília, a representação diplomática do Brasil no país europeu está em contato permanente com Israel de França, desde o dia em que foi informada sobre o ocorrido, no dia 25 de dezembro. A embaixada tem falado por telefone com o pernambucano e sabe que ele precisou ficar internado, inicialmente, mas foi liberado em seguida; além disso, França já constituiu advogado e prestou queixa formal junto aos órgãos competentes espanhóis.

O objetivo da visita do representante da Embaixada é verificar o andamento de tudo e se Israel de França está necessitando de alguma assistência a mais. Entidades policiais locais também foram procuradas pelas autoridades brasileiras – especialmente os órgãos que têm função de corregedoria – para averiguar as circunstâncias da agressão. A assessoria do Itamaraty informou ainda que as autoridades espanholas estão conduzindo investigações, que se encontram em nível preliminar e nada definitivo foi repassado, até o momento.

Entenda o caso

Israel de França rege a Orquestra da Câmara da Granada, cidade onde vive há 22 anos. Na segunda-feira (24), ele afirmou ter sido agredido por policiais enquanto estava num bar com um amigo brasileiro, no domingo (23). De acordo com Israel, o amigo, de cor branca, foi liberado em seguida. Ele foi levado pelos policiais para o prédio de uma delegacia nas proximidades do bar, onde teria sido espancado sem justificativa.

Por telefone, ele disse que pode haver muitas explicações, mas acredita em uma hipótese em especial. “Pode ser perfeitamente racismo ou preconceito. Pode ser pela minha cor, porque o outro rapaz não foi espancado”, pontuou.

O músico já havia sofrido preconceito ainda adolescente, morando no Recife. Na década de 1980, ele correu para pegar um ônibus com um violino na mão quando foi abordado por policiais. Os agentes exigiram a prova de que ele soubesse tocar o instrumento. “Toquei ‘Jesus, alegria dos Homens’, de Bach”, relembrou.

Israel não acredita que os dois casos tenham alguma relação. “Aqui foi diferente. Aí não me pegaram, não me espancaram. Aqui não; nem os documentos no momento eles queriam”, conta o músico.

História

Em 1982, Israel de França fez sua estreia como solista de violino em uma apresentação com a Orquestra Sinfônica da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), no Teatro de Santa Isabel, no Recife. Depois, viajou para São Paulo, onde trabalhou na Orquestra Sinfônica de Campinas. Ainda no Brasil, trabalhou na Orquestra Sinfônica da Paraíba.

Israel foi para a Europa porque conseguiu uma bolsa de estudos da Embaixada Brasileira em Portugal e um emprego na cidade do Porto. De lá, seguiu para Granada, na Espanha, onde estudou regência e ajudou a fundar a orquestra da câmara da cidade.

Israel mora em Granada há 22 anos e não esconde sua história de vida e nem as agressões que sofreu no Recife e na Espanha. Ele crê que pode se identificar com muitos jovens brasileiros. “Eu faço questão de relembrar, falar publicamente. Dizer que minha vida foi assim porque eu sei que tem muitas crianças nesse Brasil que também pensam a mesma coisa: não tem nada que possa impedir você de ser um grande músico, um grande pintor, sabe, um artista”, concluiu.

Embaixada da Espanha rebate acusação:

A respeito das informações publicadas em relacionadas ao acontecido no dia 23/12/2012 em Granada com o cidadão de origem brasileira Israel França, considero necessário fazer alguns esclarecimentos.

Em primeiro lugar, é necessário lembrar que a Espanha é um Estado de Direito e que o Sr. França apresentou uma denuncia perante o Juiz, que é quem tem a competência para determinar as responsabilidades, se elas existirem. Segundo a informação que o Prefeito de Granada me transmitiu, a policia local se apresentou no bar onde se encontrava o Sr. França porque outros clientes o solicitaram, já que o mesmo, em estado de embriaguez, começou uma briga com outro cliente.

A policia solicitou ao Sr. França sua identidade, mas ele se recusou a apresentá-la, insultando aos agentes. Após sair do local, foi descoberto que ele possuía uma arma branca. A policia nega ter maltratado ao Sr. França, mesmo ele tendo se resistido à autoridade.

Com relação às motivações racistas, acredito que é uma acusação injusta, tendo em consideração que há 22 anos o Sr. França reside na Espanha sem problemas, estando perfeitamente integrado na sociedade espanhola e trabalhando como empregado municipal, sendo membro da Orquestra Ciudad de Granada. Além disso, ele está recebendo toda a assistência consular necessária.

A afirmação sobre a maneira com que os brasileiros são recebidos na Espanha também não é justa. O nosso Governo, em estreita colaboração com o Governo do Brasil, tem feito e está fazendo um grande esforço para facilitar a entrada no nosso país dos cidadãos brasileiros que nos visitam e, neste momento, praticamente todos eles entram na Espanha sem problemas e são muito benvindos.

Manuel de la Cámara Hermoso

Embaixador da Espanha no Brasil

Músico brasileiro foi vítima de preconceito na Espanha

Fonte: Tribuna Hoje

+ sobre o tema

Representatividade negra importa

Frederick Douglass, W.E.B Du Bois, Rosa Parks, Toni Morrison, Audre Lorde,...

para lembrar

Olivier Rousteing: ‘A moda é racista’

Único negro à frente de uma grife de luxo,...

Tribunal de Londres processa zagueiro John Terry por racismo

LONDRES, Reino Unido — O capitão da seleção inglesa...

Procon-SP notifica shopping após mãe denunciar racismo

O Procon-SP notificou ontem o Bourbon Shopping São Paulo...

Professor de Londrina vai processar policial por racismo em caixa eletrônico

O professor de História do Centro de Educação Básica...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=