Estilhaçar as máscaras do Silenciamento

“nossa fala estilhaça a máscara do silêncio”

(Conceição Evaristo, 2017)

De que maneira a Máscara de Flandres se reinventa nos dias de hoje?

Esse instrumento de subjugação, dentre outros objetivos, visava no contexto da escravização retirar principalmente o direito à fala, colocar no lugar de mudez e de pânico, alimentando uma relação cíclica entre silenciamento e tortura por meio de diferentes estratégias e táticas, por vezes sutis, de sujeição. A boca, portanto, a voz é um dos principais alvos.

A máscara simboliza cenas dessa sujeição-colonial e se materializa ganhando outros nomes nas relações e nos modos como as mesmas correspondem e são estruturadas no mundo moderno. Em outras palavras, envolve o sadismo, a dominação, o poder dominante, o narcisismo, o brutalismo e suas formas cruéis de exilar a subjetividade e a vida dos chamados “Outros”.

A boca além de simbolizar a fala, a representação, a voz, por meio da qual criamos formas de re-existências e possibilidades de se afirmar sujeito de direitos negados ao longo do tempo, se torna o principal órgão de opressão, o qual, querem e precisam controlar, logo, o órgão que historicamente tem sido severamente censurado. É necessário lembrar que essa lógica se reinventa a todo instante. E mais que isso, é preciso nomeá-la.

A subjetividade branca no jogo desigual pela manutenção do poder se vê ameaçada e mantém a lógica colonial por meio do autoritarismo e outras formas possíveis. Esse é, inclusive, o processo de negação, o qual foi colocado o projeto de violência às pessoas colonizadas, escravizadas e subalternizadas. O processo de negação, que recusa reconhecer em si o mecanismo de dominação, trata-se da defesa do ego comumente alimentado pelo narcisismo. Como Grada Kilomba diz, o colono tem repulsa da linguagem emitida pelas pessoas negras.

Que possamos fazer das possibilidades um espaço garantido pela língua e suas multiplicidades – ato em sua dimensão política de manutenção da vida! Um espaço da abertura, do imprevisível, da potência e do afeto.

Referências Bibliográficas:

EVARISTO, Conceição. Conceição Evaristo: Minha escrita é contaminada pela condição de mulher negra. Nexo Jornal, 26 maio 2017. Acesse em: https://www.nexojornal.com.br/entrevista/2017/05/26/Concei%C3%A7%C3%A3o-Evaristo-%E2%80%98minha-escrita-%C3%A9-contaminada-pela-condi%C3%A7%C3%A3o-de-mulher-negra%E2%80%99

FANON, Frantz. Pele negra máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

GLISSANT, Édouard. O pensamento do Tremor: La CohéeduLamentin. Tradução de Enilce Albergaria Rocha e Lucy Magalhães. Juiz de Fora: Gallimard, 2014.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Editora Cobogó, 2020.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. Tradução de Marta Lança. 2a ed. Lisboa: Antígona, 2014.

NOGUEIRA, Isildinha Baptista. A cor do inconsciente: significações do corpo negro. 

Editora Perspectiva S/A, 2021.


** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

Um líder negro no Socialismo dos Pampas

“Trazemos no corpo O mel do suor Trazemos nos olhos A dança...

Escola e Direitos Humanos

A prefeitura de São Paulo sancionou, na última semana,...

Resposta a Risério

  Domingo, 17/12/2017, foi publicado na Folha de S. Paulo...

Violência tem cor

Nesta semana o Instituto de Pesquisa Economia Aplicada (Ipea)...

para lembrar

A descolonização do pensamento na obra de Grada Kilomba

A psicanalista e crítica cultural Suely Rolnik em uma...

Negros são 17% dos mais ricos e 75% da população mais pobre, diz IBGE

Levantamento divulgado nesta sexta-feira, 2, pelo IBGE mostra que...

“Eles me cheiravam para ver se eu era real”, lembra homem exposto em zoo

As "exposições etnológicas" da época do Império Alemão ainda...

Michelle e Obama, o filme

Por Tulio Custódio, do Medium    Assisti apenas recentemente o filme sobre...

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...

Refletindo sobre a Cidadania em um Estado de Direitos Abusivos

Em um momento em que nos vemos confrontados com atos de violência policial chocantes e sua não punição, como nos recentes casos de abuso...

O homem branco brasileiro de condomínio e o ato simbólico de “descer”

No documentário Um Lugar ao sol (Daniel Mascaro, 2009), sobre moradores de coberturas, temos um clássico exemplo de como a arquitetura brasileira revela a...
-+=