Estudantes e movimento negro ocupam reitoria da UFRGS contra mudanças na política de cotas

O saguão da Reitoria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) foi ocupado, na tarde desta quinta-feira (22), por dezenas de estudantes e jovens militantes do movimento negro contrários ao Parecer 239/2016, que restringe o acesso de cotistas à instituição. Previsto para ser votado na manhã de sexta-feira (23) pelo Conselho Universitário, o parecer elaborado pela Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) modifica o regime de concorrência para cotistas, determinando que o estudante precise escolher entre se inscrever como cotista ou tentar entrar por acesso universal.

Atualmente, quando um candidato que tem direito a cota atinge uma média suficientemente alta para entrar no curso por acesso universal, ele “libera” a vaga para um cotista de média mais baixa. Com isso, no último ano, mais de 400 estudantes que são oriundos de escolas públicas entraram pelo acesso universal. “Tem entrado cerca de 60% de estudantes egressos de escola pública, periféricos, pobres, a UFRGS está muito pública. Caso o parecer seja aprovado, vai acontecer uma elitização da universidade”, explica Negralisi da Rosa, estudante de Enfermagem e uma das ocupantes da Reitoria.

Ela relata que, com o Parecer, as divisões nos tipos de cotas permanecem, assim como a reserva de 50% de vagas, mas se perde o direito à concomitância. “Estamos desde o início querendo o diálogo com a Prograd e eles se recusam. Então, decidimos ocupar e vamos ficar aqui até o horário da votação”, afirma ela. A reunião do Consun está marcada para as 8h, por isso, os ocupantes pretendem passar a noite no local. Eles incentivam mais pessoas a levarem mantimentos e se juntarem ao movimento.

No saguão da Reitoria, já há cartazes contrários à proposta, enquanto mais ocupantes chegam ao local e sentam no chão, confraternizam e se organizam. Às 18h, teve início uma aula pública “contra o golpe das cotas”, organizada pelo coletivo Balanta, que inicialmente estava marcada para acontecer na Faculdade de Educação, mas foi transferida após a ocupação. Em seguida, os movimentos realizam uma assembleia da ocupação.

Confira mais fotos:

+ sobre o tema

para lembrar

Ana Maria Gonçalves: A mídia, as cotas e o sempre bom e necessário exercício da dúvida

Fonte http://www.interney.net/blogs/lll Tenho escrito alguns artigos sobre racismo e, em todos,...

Aborto, maconha, gays, cotas: cadê as polêmicas na campanha?

 A propaganda eleitoral gratuita na TV deveria servir para...

Nem pós-moderno ou governista. Apenas Prounista

O PROUNI (Programa Universidade para Todos) foi criado pelo...
spot_imgspot_img

Não entraria em avião pilotado por cotista?

"Responda com sinceridade, leitor. Você entraria confortavelmente num avião conduzido por alguém que, pelo fato de pertencer à minoria desfavorecida, recebeu um empurrãozinho na...

“Enem dos Concursos” reserva 20% das vagas para negros

O governo federal reservou 20% das 6,6 mil vagas do Concurso Nacional Unificado para candidatos negros. A totalidade das vagas está dividida entre nível...

Somente 7 estados e o DF têm cotas para negros em concursos públicos. Veja quais

Adotadas no Executivo federal, as cotas raciais nos concursos para entrada no serviço público avançam em ritmo bem lento nos outros níveis de governo,...
-+=