Festival Latinidades homenageia matriarcas: “a juventude vai continuar nossa luta”

Enviado por / FontePor Elias Santana, do Terra

Principal festival que aborda o Dia da Mulher Negra Latinoamericana e Caribenha acontece em Brasília de 22 a 24 de julho

“A juventude vai continuar a nossa luta. Vocês, as mais novas, têm o compromisso de levar essa luta adiante”. Com essa frase, Conceição Evaristo carimbou a mensagem passada por mulheres negras pioneiras na luta antirracista no país. As matriarcas do movimento negro compuseram a mesa de abertura do Festival Latinidades 2022, que completa seus 15 anos com atrações culturais e rodas de conversa. O evento iniciou nesta sexta-feira (22) e vai ocupar o centro de Brasilia até domingo (24).

Sueli Carneiro, agradeceu à nova geração por “aceitar o bastão” que as mulheres mais velhas estão oferecendo. Ela afirmou que a juventude constitui a continuidade da luta que ela e tantas outras trilharam.

“Eu considero a luta mais justa da humanidade, que é a luta por igualdade de direitos, de oportunidades, por justiça racial e social. Estamos aqui em luta e resistencia, por todas as que nos antecederam, por todas as que somos hoje e por todas as que virão”, exclamou a filósofa, escritora, ativista e fundadora do Geledés – Instituto da Mulher Negra e considerada uma das principais autoras do feminismo negro no Brasil.

Outro nome ímpar para o movimento de mulheres negras é Cida Bento, doutora em psicologia, fundadora do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT) e uma das 50 mulheres mais influentes do mundo, de acordo com a revista britânica The Economist. Cida falou que a luta das mulheres negras é que vai fazer o país avançar.

“Nós estamos pagando com as nossas vidas, mas o que a gente está derrubando também não é pouca coisa. O que a gente quer construir [as mulheres negras] é um outro país a partir de uma outra perspectiva, mais humanizado e mais democrático”

Mãe Dora de Oyá, fundadora do Afoxé Ogum Pah, ressaltou que as matriarcas são de uma geração em que o medo do machismo, do racismo e do patriarcado, não era uma opção. Ela sugeriu que as mulheres mais jovens se espelhem nas mais velhas para continuar o legado de enfrentamento.

“Nossa geração é uma geração insurgente. Nós, com 70 anos, ainda vamos ‘para o pau’. Para a gente, fugir nunca foi uma opção e o medo não faz parte do nosso vocabulário. Aprendam com essas mulheres”, disse.

O Festival

Em 2022, o Festival Latinidades comemora 15 anos de existência na capital federal. Este é a primeira edição após dois anos de evento virtual devido as exigências da pandemia da Covid-19. Entre os dias 22 e 24 de julho, no Museu Nacional de Brasíla, o festival homenageia 50 mulheres negras com diferentes trajetórias. A programação conta com rodas de conversa, shows, gastronomia, literatura, exposições e espaço de tecnologia e jogos eletrônicos.

As atrações contarão com representantes de 10 países diferentes. Sob o tema “Mulheres Negras – Todas as alternativas passam por nós”, o evento é desenvolvido pelo Instituto Afrolatinas.

Há 30 anos, se comemora no dia 25 de julho o Dia da Mulher Afro-Latinoamericana e Caribenha. O Latinidades, considerado o principal evento da América Latina para essa temática é responsável por popularizar a agenda no Brasil.

O palco vai contar com nomes como: MC Carol (RJ), Tássia Reis (SP), Dona Onete (PA) e Luedji Luna (BA). Confira a programação completa no site.

“Eu ainda sinto seu ori”: filha, Bethânia carrega legado de Beatriz Nascimento

+ sobre o tema

Nota de preocupação e repúdio

Carta Aberta à Drª Gilda Carvalho Ministério Público Federal NOTA DE...

Dia de Luta pela Saúde da Mulher e de Redução da Morte Materna

A deputada Inês Pandeló, Presidente da Comissão de Defesa...

para lembrar

25 de julho: Bamidelê completa 10 de fundação e celebra o Dia da Mulher Negra

Hoje 25 de julho, a Bamidelê – Organização de...

Mulheres Negras ocupam hoje as ruas de São Paulo em marcha

Negras marcham contra as opressões de raça, gênero e...

‘Festival Latinidades’ tem programação linda sobre representatividade

Bora valorizar a cultura e as narrativas das mulheres...

O Brasil se movimenta a partir das mulheres negras

Pela primeira vez celebramos o julho das pretas num Brasil com...
spot_imgspot_img

II Encontro de Mulheres Negras e Mercado de Trabalho

Muito aconteceu desde o nosso último encontro em 2022. Nesta segunda edição do Encontro de Mulheres Negras e Mercado de Trabalho que encerra com...

Festival Latinidades traz shows e debates para Salvador 

Após o sucesso das edições em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro, o 16º Festival Latinidades chega a Salvador neste sábado e domingo,...

Julho das pretas: conheça a trajetória da caririense Neusa Lourenço

O dia 25 de julho é uma data para ser celebrada. Isso porque internacionalmente desde 1992 em Santo Domingo, na República Dominicana, quando um...
-+=