‘Festival Latinidades’ tem programação linda sobre representatividade

Enviado por / FonteCatraca Livre

Bora valorizar a cultura e as narrativas das mulheres negras latino-americanas? Esta é justamente a proposta do Festival Latinidades, que chega a sua 13ª edição com uma edição totalmente online, com mais de 60 atrações, entre bate-papos, shows, danças, recitais de poesia, espaço infantil, vivências e oficinas.

A mostra é gratuita e acontece entre os dias 22 e 27 de julho, com atividades transmitidas no Instagram @afrolatinas, no Facebook @Festivallatinidades e no YouTube. Confira a programação completa aqui.

Com o tema “Utopias Negras”, a 13ª edição do Festival Latinidades homenageia três grandes mulheres: Mãe Dalva Damiana, da Irmandade da Boa Morte, na Bahia; a cantora carioca Elza Soares; e a atriz e escritora Elisa Lucinda, fundadora do projeto Casa Poema.

A programação reúne convidadas de todas as regiões brasileiras e dos seguintes países Colômbia, Guiné Bissau, Nigéria, Barbados, Haiti, Costa Rica, Cuba, Jamaica e Etiópia. A proposta do festival é ser uma plataforma de formação, cultura, inovação, geração de renda, impacto social, encontro, encanto, acolhimento, celebração e resistência.

O que rola no festival?
A atividade de abertura da mostra, no dia 22 de julho, às 10h, é a mesa de debates “Papo de Futuro”, uma conversa bem animada com crianças negras entre 9 e 11 anos, com a proposta de discutir o que cada uma delas espera da vida para os próximos tempos.

Ainda nesse dia, assistimos ao debate “Arte, utopia e criatividade”, com participação de Elisa Lucinda, Giovanna Heliodoro, Bia Manicongo e Gabriela Loran e mediação de Val Benvindo. A ideia é discutir as utopias, as subjetividades e os processos criativos dessas mulheres.

Entre as atrações musicais, estão Duo Pretas (SP), Orquestra Funmilayo Afrobeat (SP), Letícia Fialho (DF), Bia Nogueira (MG), Luciane Dom (RJ), Moara (DF), Tuyo (PR), Krudas (Cuba), Suraras do Tapajos (PA), Haynna e os Verdes (DF), Anna Suav (PA), Preta Ferreira (SP), Bia Manicongo (PE), Brisa Flow (SP), Enme Paixão (MA) e Samba de Dona Dalva (BA).

Outros bate-papos interessantes são “Criar juntos novas narrativas negras na internet para o futuro”; “Jovens Mulheres Negras e Direito à Cidade”, “Eleições 2020: O debate que queremos” e “A utopia da paz: políticas de drogas e agenda antirracista”.

Já entre as vivências e oficinas, estão “Yoga Para Mães e Filhos”; “Contação de História ‘de Boca’ de Tradição Oral”; “Meditação Curativa de Obatalá (Deus da criação Yorubá)” e “Vivência em Yoga Africana”.

+ sobre o tema

Direitos de imigrantes e estudantes africanos são discutidos na SEPPIR

Ministra Luiza Bairros recebeu militantes da causa e...

‘Que homem conseguiria realmente ser feminista?’ Márcia Tiburi

Em um cenário político onde o fascismo domina as...

para lembrar

“Arte me deu autoestima”, diz atriz angolana que faz escrava em “Liberdade”

Não foi só o telespectador que ficou incomodado com...

Moara Correia assume e a UNE terá a primeira mulher negra como presidenta

A estudante de engenharia da UFMG assume o cargo...

Quem é Luiza Bairros

Quem é Luiza Bairros? Ministra de Estado Chefe da Secretaria...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=