Geledés celebra a história do Hip Hop e Projeto Rappers em documentário

Artigo produzido por Redação de Geledés

No Dia do Nascimento do Hip Hop, Geledés – Instituto da Mulher Negra emociona com o lançamento do documentário “Projeto Rappers: A Primeira Casa do Hip Hop Brasileiro – História e Legado”, na sexta-feira (11), às 19h, na sala Circuito Spcine Olido em São Paulo.

O evento de lançamento do documentário contará com a presença de Sueli Carneiro (Geledés), Clodoaldo Arruda (Projeto Rappers), Cris Lady Rap (Projeto Rappers), Markão (Vocalista do grupo DMN), Viviane Ferreira (Diretora Presidente da SPCine) e Marcelo Rocha (Gerente da SPCine).

Dirigido pela rapper Sharylaine e por Clodoaldo Arruda, filósofo e participante do Projeto Rappers, o documentário narra o marcante encontro entre a juventude negra e periférica praticante da cultura Hip Hop e o movimento de mulheres negras nas ruas de São Paulo no final dos anos 1980, que deu origem ao Projeto Rappers. Essa iniciativa fortaleceu o protagonismo de jovens vítimas do racismo e da exclusão social, ao criar um espaço de formação e articulação política em defesa de seus direitos, especialmente o direito de praticar a cultura Hip Hop nos espaços públicos e circular pela cidade sem ser vítima de truculência e violência policial. Além disso, foi criada a primeira revista nacional voltada para a juventude negra, a revista Pode Crê!.

“Buscamos registrar e preservar a memória de um dos capítulos mais importantes da história do Hip Hop brasileiro, o Projeto Rappers, iniciativa que contribuiu significativamente para definir os referenciais, princípios e missão desse movimento no país”, conta Jaqueline Santos, pesquisadora e roteirista do documentário.

Após 30 anos, os participantes dessa iniciativa ocuparam diversos espaços na vida política, cultural, acadêmica e em várias instituições no país. Neste documentário, eles trazem depoimentos sobre o papel do Hip Hop e do movimento de mulheres negras, bem como a importância do encontro entre esses dois segmentos para a transformação da sociedade brasileira.

“A ideia é registrar para a posteridade, como material histórico, a trajetória do primeiro projeto voltado para e oriundo da juventude negra brasileira, que uniu a experiência do movimento social negro e do feminismo negro com o então contemporâneo movimento Hip Hop!”, afirma Clodoaldo Arruda.

O lançamento do documentário “Projeto Rappers: A Primeira Casa do Hip Hop Brasileiro – História e Legado” é uma parceria entre Geledés e a SPCine, exibição será feita entre os meses de agosto e setembro em diferentes salas de cinema, em São Paulo.

Informações:

Projeto Rappers: A Primeira Casa do Hip Hop Brasileiro – História e Legado

Dia: 11 de agosto

Local: Centro Cultural Olido

Endereço: Av. São João, 473 – Centro Histórico de São Paulo, São Paulo

Entrada Gratuita

*Sujeito à lotação

+ sobre o tema

O PLP 2.0 Aplicativo de Combate a Violência contra Mulher é premiado pela OEA

O aplicativo PLP 2.0 foi um dos premiados pela...

Webinário debate papel desempenhado pelo empreendedorismo social na pandemia

A Folha transmite, na próxima segunda-feira (7), o seminário virtual “Boas...

Feminismos vitais

O projeto “Enquanto Viver, Luto!”nasce da ideia de que...

para lembrar

Grupo Racionais MC’s anuncia lançamento de disco após 12 anos

O grupo de rap Racionais MC's anunciou nesta quarta-feira...

As ações do Google para o Mês da Consciência Negra

O Google Brasil está promovendo diversas ações para celebrar...

MinC seleciona projetos de hip-hop inscritos no Prêmio Cultura Viva

A Secretaria de Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério da Cultura iniciou o processo de seleção das 2.671 iniciativas inscritas no edital do Prêmio...

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Fórum em Barbados discute as grandes temáticas do feminismo negro 

“O que o poder do feminismo negro significa hoje?”. Essa pergunta intrigante e provocativa foi temática de um dos painéis do Fórum dos Feminismos...
-+=