Gênero e reparação histórica na Guiné-Bissau e Além: entrevista com a intelectual Joacine Katar Moreira

Enviado por / FonteDo SESC

No ano da celebração do 50º Aniversário da Independência da Guiné-Bissau, o Sesc Pompeia e o Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP recebem Joacine Katar Moreira para duas atividades, em janeiro de 2024. Mulher negra, feminista e ativista antirracista, Joacine traz uma perspectiva única sobre as masculinidades guineenses, destacando as complexidades que apresentam na construção do Estado independente.

No dia 16/01, às 19h, a intelectual participará uma plenária que explora a relação entre epistemicídios e reparação histórica, em diálogo com teorias feministas. Joacine será mediada por Maíra Freitas, artista, pesquisadora e curadora. No encontro, que integra a programação paralela da exposição Ana Mendieta: Silhueta em Fogo | terra abrecaminhos, Joacine percorerrá por questões que envolvem as lutas anti-racista, feminista e os desafios enfrentados na construção de sociedades mais justas.

Além disso, no dia 17/1, às 15h, a atividade Quando o Gênero Comanda a Nação! mergulhará nas reflexões contidas no livro “Matchundadi: Género, Performance e Violência Política na Guiné-Bissau”. Na obra, Joacine Katar Moreira destaca como a cultura da matchundadi, inicialmente uma ferramenta de resistência, se tornou um desafio sistemático na construção do Estado independente, afetando profundamente as dinâmicas políticas e sociais.

Aproveitamos a passagem dela por aqui para uma entrevista exclusiva, em que Joacine comenta sobre os temas abordados em suas pesquisas, aplicados ao Brasil. Confira!

1 – Como a sua pesquisa pode ser aplicada na abordagem sobre epistemicídio e reparações históricas no Brasil?

Em Portugal acompanhamos muito o que se passa no Brasil em termos políticos e das lutas anti-racista e também feminista. A imigração brasileira enriqueceu e fortaleceu a luta anti-racista em Portugal e foi possível dialogarmos e percebermos o que nos une. E aquilo que nos une de forma impactante e dolorosa é justamente o colonialismo português, toda a lógica da colonialidade, o epistemicídio, o extrativismo, a exploração secular e as várias violências daí programadas, e que hoje tentamos combater tanto num país como noutro. Acontece que a história de muitos países de África está contaminada por esse período histórico e as sociedades pós-coloniais continuam a defrontar-se com as estruturas da colonialidade, pelo que é natural que as reivindicações e os apelos a uma justiça reparadora sejam comuns. As demandas da reparação histórica são antigas, mas hoje podem ser lidas no centro dos movimentos sociais e nas políticas públicas e julgo-as essenciais para a criação de novos futuros para as populações racializadas de várias partes do mundo.

2 – De que forma você percebe a questão da colonização no contexto brasileiro e quais são as implicações disso para as demandas de reparação histórica?

Quando estava a tirar a graduação, notei que o currículo da minha licenciatura em História Moderna e Contemporânea focava-se mais na colonização brasileira do que na colonização dos países africanos. O Brasil foi central – e isso nota-se pela sua importância na historiografia portuguesa – na construção do império colonial português e em todo o imaginário que alimentou a epopeia colonial até à atualidade. O Brasil contemporâneo foi construído na colonialidade e apesar da sua independência precoce – face a outras colónias de Portugal – a sociedade brasileira demonstra a persistência do programa colonial e a sua permanência no tempo. Ao mesmo tempo, o Brasil pode ser precursor nas demandas da reparação histórica, quer internamente através de políticas públicas sólidas e sustentadas no tempo, quer apelando a Portugal, que não pode continuar a esquivar-se a reconhecer a violência do seu passado colonial.

3 – Ainda neste tema, como você vê a aplicação prática dos conceitos de descolonização telúrica e espiritual no contexto brasileiro e de outras sociedades?

Falo de descolonização telúrica e espiritual porque para além de toda a dor, sofrimento e exploração que as populações subalternizadas e colonizadas sofreram, a terra e o meio ambiente também foram brutalizadas pelo colonialismo e as espiritualidades africana e indígena foram menosprezadas e em alguns casos proibidas de se expressarem. Não se fará uma descolonização total sem termos em conta a necessidade de salvar o planeta, a terra e a biodiversidade, e sem a reparação histórica também ao rasuramento de conhecimentos e práticas ancestrais.

4 – Sobre gênero e poder, você poderia comentar brevemente sobre o tema do livro que será lançado por aqui?

O meu livro Matchundadi, palavra do crioulo guineense que corresponde à masculinidade, aborda a História da Guiné-Bissau com lentes do gênero. A meu ver, a história das masculinidades guineenses é fundamental para a compreensão do percurso do país, desde a invasão colonial até aos nossos dias. Procurei construir a história das masculinidades guineenses para explicar a origem das convulsões políticas e institucionais e as heranças, tanto do sistema colonial como também da própria Luta de Libertação Nacional, que afetam sobremaneira a sociedade guineense atual e garantem a dominação institucional masculina e os desequilíbrios daí advindos.

5 – Você poderia comentar sobre a relação da sua obra com a nossa história?

A dominação masculina é comum à maioria das sociedades e a cultura di matchundadi, ou seja, da hipermasculinidade, não é caraterística específica da sociedade guineense, enquanto mecanismo de acesso e de captura do poder político e institucional. E a história política brasileira recente é disso um bom exemplo.

6 – As masculinidades e a construção do Estado independente na Guiné-Bissau também podem ser espelhados no caso brasileiro e na violência política sofrida por mulheres e pessoas LGBTQIAPN+ ao redor do mundo?

As masculinidades hipermasculinas fazem uso da violência, legítima e não legítima, para garantirem a hegemonia masculina. Isso passa também pela criação de uma falsa hierarquia entre as diferentes expressões e identidades de gênero, que colocam o homem heterossexual no cimo, como centro e como padrão, subalternizado as mulheres e as pessoas LGBTQIAPN+. Acontece que, e como explicou bem a filósofa Judith Butler, poucos homens correspondem aos ideais das masculinidades hegemónicas, pelo que elas são excludentes por natureza.

7 – Como você acredita que as questões de gênero podem influenciar a estabilidade política e a paz social no mundo?

O gênero, assim como o conhecemos, comanda tudo. A meu ver, não existe nada sobre o humano que não possa ser visto sob a ótica das questões de gênero.

8 – Sobre as palestras anunciadas no Sesc Pompeia e no Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP, quais são os temas principais que você pretende abordar?

Falarei sobre colonialismo, epistemicídio e reparação, com base no artigo que escrevi para a exposição coletiva “Terra Abrecaminhos” e a individual de Ana Mendieta, com curadoria de Daniela Labra e  curadoria adjunta de Hilda de Paulo e Maíra Freitas; e também sobre o meu livro, que já está em sua 2ª edição em Portugal, sobre masculinidades e violência política.

9 –  Por fim, conta pra gente se você tem alguma referência brasileira no seu trabalho? Você conhece e recomenda obras de autoras brasileiras que te inspiram em seu trabalho?

A filósofa Sueli Carneiro, sobre o feminismo negro e o racismo; a psicóloga Lia Vainer Schucmann sobre Branquitude e a historiadora Ana Lúcia Araújo sobre a Escravidão e o Tráfico de pessoas escravizadas.

+ sobre o tema

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante...

Taís faz um debate sobre feminismo negro em Mister Brau

Fiquei muito feliz em poder trazer o feminismo negro...

Conheça a história de Shirley Chisholm, primeira mulher a ingressar na política americana

Tentativas de assassinato e preconceito marcaram a carreira da...

Roda de Conversa: Mulher, raça e afetividades

O grupo de pesquisa Corpus Dissidente promove a roda...

para lembrar

De quarentena em casa? Videoteca da UFPR permite conhecer intelectuais negros e temáticas raciais

Conhecer as temáticas étnico-racionais do Brasil está no alcance...

Precisamos falar sobre branquitude e seu papel na luta antirracista

“Por que você gostaria de me entrevistar?”, perguntou o...

Racismo: e eu com isso?

Sempre me perguntei o que leva um ser humano...
spot_imgspot_img

Com 10 exibições que abordam a luta antirracista, Mostra do Cinema Negro tem sessões a partir de 4 de abril em Presidente Prudente

O Serviço Social da Indústria (Sesi-SP) promove, entre os dias 4 de abril e 23 de maio, uma programação com dez filmes que celebram o cinema...

Uma biblioteca contra a indiferença

Em janeiro de 1937, Carolina Maria de Jesus saltou de um trem na Estação da Luz, em São Paulo. Vinda de Sacramento, no interior...

Quem foi Beatriz Nascimento, pioneira nos estudos sobre quilombos

Beatriz Nascimento é uma das intelectuais mais importantes do Brasil. Historiadora, ela foi pioneira nos estudos sobre as comunidades quilombolas no país. No ano passado,...
-+=