Graça Machel: “O medo é a maior barreira para as liberdades”

A ativista moçambicana Graça Machel diz que o medo é a principal barreira para as liberdades em Moçambique. Durante uma palestra, Graça Machel disse que os opressores, "esses sim é que devem ter medo do povo”.

A viúva do primeiro Presidente da República de Moçambique, Samora Machel, e ativista moçambicana, Graça Machel, defende que os cidadãos devem perder o medo e apropriarem-se do direito de cidadania.

Durante uma palestra em Maputo, Graça Machel lembrou que, na sua tomada de posse, o Presidente Filipe Nyusi assumiu que o “seu patrão é o povo”.  Assim, diz ela, este povo deve responsabilizar os seus funcionários.

“Nós temos que lembrar a estes que estão a nos oprimir, não são todos, a esses que estão a substituir o que o Estado deve ser, um Estado servidor. Nós temos que lembrar que nós somos o patrão”, disse.

“Povo no Poder”, slogan inspirado num dos temas do falecido rapper Azagaia – Foto: Madalena Sampaio/DW

É por isso que é importante perder o medo, para exigir responsabilidades, acrescenta a ativista: “Eu não vou dizer como, porque não tenho especialidade para isso, mas todos nós temos que pensar; temos que desmantelar o medo e temos que fazer sentir àqueles poucos que oprimem o cidadão, que eles é que devem ter medo do povo e não nós medo deles.”

Graça Machel: “Vamos organizar-nos” 

Segundo Graça Machel, esse despertar de consciência abrirá a porta à libertação do espaço cívico, para que os cidadãos gozem dos seus plenos direitos. Mas, para tal, todos devem estar organizados, afirma a ativista.

“Como não sei, cada um usa a sua massa cinzenta para saber como é que se faz. Mas vamos organizar-nos e libertar o espaço cívico, para que possamos exercer a cidadania sem medo.”

Graça Machel lembra que o povo é o detentor do poder e chefe dos detentores dos cargos políticos – Foto: Madalena Sampaio/DW

O Provedor da Justiça de Moçambique, Isaque Chande, diz que o país está a avançar na defesa dos direitos humanos, apesar das dificuldades: “Hoje temos, apesar de tudo, maior espaço de liberdade de expressão. Naturalmente, gostaríamos de ter muito mais. Vamos chegar lá, porque as liberdades conquistam-se.”

O provedor reitera que as pessoas estão a ganhar consciência sobre os seus direitos e o exercício da cidadania.

“Não podemos estar desesperados. Nós é que temos que continuar a lutar pelos direitos que a Constituição da República nos atribui e, por essa via, vamos construir melhor um Estado, um país.”

Estas constatações foram feitas durante um debate sobre os “Desafios da Construção do Estado Democrático em Moçambique” e como tornar o Provedor de Justiça de Moçambique mais atuante na defesa dos direitos e liberdades fundamentais, organizado pelo próprio Provedor de Justiça.

+ sobre o tema

Pan-Africanismo

Os sinais de enfraquecimento dos impérios...

Ivanir dos Santos autografa livro sobre intolerância religiosa em 12 de setembro, na Blooks Botafogo

Premiado internacionalmente e organizador de outros títulos, babalawô vai...

Black Fashion Week: o melhor da moda africana

Até ao dia 23 de fevereiro, a Avenida da...

para lembrar

Padê Poema – Avenida – Cuti

  Avenida Há um gosma espessababa de louconódoa...

Exposição mostra trajetória dos negros no Brasil em Araraquara, SP

A exposição "Consciência Negra", aberta ao público na...
spot_imgspot_img

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...
-+=