II Marcha Nacional contra o genocídio do Povo Negro

Enviado para o Portal Geledés

Nota da Campanha Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto, organizadora da II Marcha Internacional contra o Genocídio do Povo Negro, sobre publicação da matéria “Juventude Negra organiza marcha contra as discriminações raciais”, no dia 26 de Julho de 2014, na página da ONG Geledes – Instituto da Mulher Negra, que contém reportagem da EBC.

A II Marcha Internacional Contra o Genocídio do Povo Negro está sendo gestada pela Campanha Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto em comitês independentes organizados e compostos por negras e negros de todo o Brasil com adesão de negros e negras de mais de 17 estados brasileiros e participação de 15 países contra o Genocídio do povo negro no Brasil. Não é uma marcha contra o “extermínio da juventude” ou contra “discriminações raciais”, mas contra o que reconhecemos como a prática genocida contra o povo negro. O temas extermínio da juventude negra e discriminações raciais são temas do governo indiferente a ação da Campanha Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto que desde 2005 vem pautando e combatendo o racismo no interior das instituições de justiça.

Nenhum conselheiro, servidor de governo ou parlamentar tem autorização para nos representar. Uma das palavras de ordem de nossa Marcha é “queremos tomar nossa voz de volta” e o governo e suas instituição não podem e não vão nos pautar. Quando acharmos que devemos nós pautaremos o governo … “o carro não pode passar adiante dos bois!” Os governos e Estado que nos matam não podem fazer discursos sobre nós e nossas dores. Nós o faremos com autonomia e independência.

A Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto lamenta a invisibilidade quem tem sido dada as nossas iniciativas que não se pautam por qualquer barganha eleitoreira, partidária ou de símbolos governamentais que não respeitam nossa autonomia.

Nenhum representante de grupo, movimento ou conselho de estado, poderá substituir a fala de quem constrói essa marcha com autonomia e fora dos holofotes das festas dos palácios. Não fazemos uma marcha reivindicativa. Os governos fecharam seus ouvidos para nossas exigências, criando programas sem nenhuma força para parecer que há um combate efetivo de nossa desgraça. Quem tem lutado por nós somos nós mesmos, sem esse medo e essa covardia, esse silêncio e essa cooptação que tem caracterizado a conjuntura atual. Dhay Borges de fato é um valoroso militante e articulador dessa Marcha e assim ele e as mulheres que constroem essa marcha em Brasília e em todo território nacional não precisam de porta voz para falar de nossas dores.

Não buscamos audiência com a presidenta ou com qualquer governador, com prefeitos ou parlamentares que estão mais ocupados com o ano eleitoral que de quatro em quatro anos desmobiliza setores importantes do movimento, cobrando sua fatura por projetos pessoais.

 

II MARCHA NACIONAL CONTRA O GENOCÍDIO DO POVO NEGRO

A Luta Transnacional Contra o Racismo, a Diáspora Negra Contra o Genocídio.

A Campanha Reaja ou será Morta, Reaja ou Será Morto, diante da conjuntura de brutalidade, violência, superencarceramento e morte da população negra; diante do confinamento de comunidades inteiras em campos de concentração batizados de UPPs ou Bases de Segurança; diante das remoções forçadas de famílias inteiras para o benefício do capitalismo cujos defensores são os maiores investidores nos chamados jogos internacionais (Copa e Olimpíadas); diante do Estado de exceção constituído por leis que suprimem a própria lei garantindo execuções sumárias e extrajudiciais, prisões sem fundamentos e a barbárie generalizada no espaço urbano militarizado e perigoso para nossas vidas desprotegidas de iniciativas legais, ou submetidas a iniciativas legais de nosso abate; diante de instituições que deveriam garantir a efetivação de direitos que se calam e ajoelham frente aos nossos algoze diante da nossa eliminação;. Diante da nossa execração quando mulheres são arrastadas por carros, jovens são amarrados em postes e linchados, suspeitos baleados agonizam em frente a policiais, comunidades inteiras submetidas a uma politica de controle, como se isso não bastasse para comprovar que estamos em uma guerra de genocídio racial; diante do silêncio de parte do movimento social, incluindo de negros e negras que está atrelado aos governo federal e locais que pautam os movimentos sociais com seus garotos de recado constrangidos fazendo seu trabalho em ano eleitoral, ao mesmo tempo em que os governos matam e humilham a população negra, elaborando e apresentando programas ineficazes e sem dotação orçamentaria e mandam seus mediadores e porta-vozes acalmar as vozes das ruas. Assim, diante do exposto, a Campanha Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto, em diálogo com irmãos e irmãs em todo território nacional, em diálogo com irmãos e irmãs da Europa e Estados Unidos, da Colômbia e Barcelona, convoca, convida, conclama as organizações negras em particular e as organizações do movimento social, de um modo geral, a tomarem sua voz de volta e REAGIREM. Façamos a II Marcha Contra o Genocídio do Povo Negro tomando nossa voz de volta, dando um salto de unidade e autonomia, de solidariedade e luta contra o racismo e pela vida.
Esse texto é uma orientação geral quanto aos princípio que animam quem almeja, de verdade, construir essa II Marcha Nacional Contra o genocídio do Povo Negro.
Chamamos todas e todos para essa II Marcha Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro de forma autônoma, independente e revolucionaria. Eis nossos princípios inegociáveis:
• A II Marcha Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro tem como tema: A luta Transnacional Contra o Racismo, a Diáspora Negra Contra o Genocídio.

• A II Marcha Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro reconhece e respeita a autonomia histórica das mulheres negras que tem reagido e resistido a opressão dirigida as nossas comunidades e criado instituições poderosas de luta, solidariedade e humanidade do povo negro em todas os continentes , as mulheres negras são a linha de frente dessa Marcha Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro, as coordenadoras e impulsionadoras de nossa ação nas ruas do país;
• A II Marcha Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro é uma ação politica independente e centrada na luta contra o racismo e o genocídio, na qual os negros e negras terão sua vozes para falarem de si próprios, sem mediadores ou acadêmicos bem intencionados para serem porta vozes de nossa luta;
• A II Marcha Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro deve ser organizada nas bases, nas comunidades, nas favelas e prisões, nos quilombos e aldeias, nas fábricas e nas ruas , nos terreiros de candomblé, nas casas de batuque, de xangôs, de tambor de mina, nas posses e quebradas e devem ter essas coletividades como sujeitos e não como objeto de estudo ou barganha em articulações politicas;
• A II Marcha Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro repudia o uso eleitoreiro de nossa desgraça seja por qualquer partido ou grupo politico-eleitoral, pois nossas demandas não cabem nas urnas ou em projetos alheios a autonomia preta, pan-africanista e favelada;
• A II Marcha Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro usará as cores do Panafricanismo e terá caráter internacional na luta negra;
• Fora desses princípios qualquer iniciativa não poderá ser apresentada como II Marcha Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro sob pena de desafiar nosso repúdio Nacional e Internacional;
• A II Marcha Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro não terá qualquer vínculo partidário ou eleitoral, e quem assim o fizer estará fazendo outra coisa não a II Marcha Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro

Contra o Genocídio do Povo Negro, Nenhum Passo Atrás
Campanha Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto.

Comissão nacional da Campanha

+ sobre o tema

Aluno da UFRJ é encontrado morto dentro do campus do Fundão, Rio

Crime de ódio teria causado morte do estudante, segundo...

Camaçari: Acusadas de roubo mulheres negras acusam loja de racismo

  Presidente da Comissão de Promoção da Igualdade Racial da...

Racismo no Leblon: acusado de receptar bike elétrica tem caso arquivado

O instrutor de surfe Matheus Ribeiro, que estava sendo...

Hoje na história, 21 de janeiro: um dia contra o racismo

Na passagem do Dia Nacional Contra a Intolerância Religiosa,...

para lembrar

A favela não venceu

O exemplo de sucesso como mensagem de opressão Por Startup...

Policia Brasileira é a que mais mata no mundo

Segundo relatório da organização Anistia Internacional, em 2014, 15,6%...

Racismo estrutural: 75% dos mortos em chacinas no Rio eram negros

O Rio tem a segunda maior população negra entre...

Enem: Floripa – No PI, candidato diz que tema da redação foi fácil: ‘Vivi na pele’

No Piauí, candidatos que fizeram neste domingo (4) o...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=